ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  NEWSLETTER  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNet.com.br
Bauru e grande região -
máx. 29° / min. 16°
Carregando
Política
Economia
Geral
Polícia
Bairros
Esportes
Regional
Cultura
Nacional
Internacional
Carnaval 2014
Classificados
Agendinha
Cinema
Bauru Pocket
Tribuna do Leitor
Entrelinhas
Tá Valendo
Em Confiança
Horóscopo
Falecimentos
JC na escola
Loterias
Atendimento JC
No JC
Cultura

‘Um Réquiem para Antonio’: a inveja em cena

Peça teatral em cartaz na Capital retrata a lendária inveja de Antonio Salieri por Mozart

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Google+

Quem nunca conheceu a face da inveja? Palavra que vem do latim (invidia) e significa o desgosto pela felicidade de alguém e o desejo violento de possuir o bem alheio. Sentimento que transtorna e causa danos, tanto para aquele que inveja quanto para o invejado. A peça Um Réquiem para Antonio, que estreou em São Paulo na semana passada, coloca em cena a lendária inveja que o compositor italiano Antonio Salieri (1750-1825) sentia de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) e de sua obra.

Na verdade, Salieri foi bastante respeitado em sua época, sendo o compositor oficial da corte de José II, o imperador do Sacro Império Romano-Germânico. Também foi professor de compositores famosos como Beethoven, Liszt e Schubert. Mas esses fatos drasticamente empalidecem diante da luminosidade de um gênio e Mozart, amadíssimo pelas Musas, roubou a cena musical do século XVIII.

A suposta inveja de Salieri já aparece na obra Mozart e Salieri de Aleksander Pushkin, na peça Amadeus de Peter Shaffer e no filme homônimo de Milos Forman, ganhador do Oscar de melhor filme em 1985. Quando um fato sai da esfera da história e entra no âmbito do mito, ele sai do particular e ganha valor universal. Verdade ou lenda, a inveja de Salieri é um tema humano, demasiadamente humano – parafraseando Nietzsche. É esse tema que o premiado dramaturgo, Dib Carneiro Neto, explora em Um Réquiem para Antonio, peça que tem a direção, sempre inspirada e inspiradora, de Gabriel Villela.

A montagem está um primor. O cuidado começa com o próprio teatro que foi inteirinho “vestido” (desde as cortinas aos assentos das poltronas) e transformado num ambiente onírico em que os personagens ganham vida e nos invadem. As interpretações estão impecáveis, a música é linda, o figurino, fantástico e a iluminação, poética. A opção de Gabriel Villela por representar os personagens com nariz de palhaço e dar ao texto uma interpretação tragicômica deu leveza a um tema, por natureza, denso e sombrio.

Dib Carneiro Neto inova e acerta ao criar um Mozart (interpretado por Cláudio Fontana) que habita a alma de Salieri (Elias Andreato) moribundo, transtornado e rabugento. A história se passa em Viena, nos últimos dias do velho compositor, 34 anos após a morte de Mozart. Durante todo esse tempo, Salieri não conseguiu se livrar do espectro de Mozart e da inveja que lhe corrói as entranhas.

O que está em pauta é a devastadora epifania presente na existência de um gênio. Justamente por Salieri não ser um músico medíocre, ele pode, mais do que qualquer outro, reconhecer tal talento e sofrer diante dele. Como afirma o próprio personagem: “Mas ouvir-te tocar, Wolfgang, me enlouquecia. Teu primeiro concerto aos 4 anos. Tua primeira sinfonia aos 7. Uma ópera completa aos 12. Como é difícil se resguardar da loucura ao se observar um prodígio!...Tua música, desde cedo, nos chegava como nos chega Deus, Wolfgang!”

Uma diferença significativa entre os protagonistas é a rigidez, disciplina e moralidade de Salieri e a personalidade desregrada e, de certo modo, devassa de Mozart. A peça mostra o ressentimento de Salieri, que se pauta pelas normas religiosas e sociais de seu tempo, quando se vê subjugado pela genialidade de alguém tão intensamente irreverente. Em certo momento do enredo, Mozart diz para Salieri: “Saibas que terias vivido bem menos atormentado se tivesses também praticado isso a que chamas de minha perdição”. Então, alude ao suposto pacto feito por Salieri com deus e observa: “permaneceste pudico... não, muito mais que isso, puro, um ser virginal, em troca de seres o maior, o melhor!”. Eis a grande ironia trágica.

Na peça, Salieri estimou que a privação fosse o meio de atingir a “meta inebriante de ser o melhor. O brilho. A glória...” (palavras do personagem). No leito de morte, ele ainda questiona o Mozart que o habita: “O que fizeste para merecer de Deus tanta genialidade? Por que foste o escolhido e não eu?” Mas os deuses têm seus caprichos e seus eleitos: Mozart foi um deles!

  • Serviço

“Um Réquiem para Antonio” está em cartaz no Teatro Tucarena (rua Monte Alegre, 1024; tel.: (11) 3670-8455). Texto de Dib Carneiro Neto e direção de Gabriel Villela, com Elias Andreato (Salieri), Claudio Fontana (Mozart), Mariana Elisabetsky, Nábia Vilela e Fernando Esteves. Sexta e sábado, às 22h, e aos domingos, às 19h. Ingressos: R$ 40,00 (sexta) e R$ 50,00 (sábado e domingo).





publicidade




Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2014 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP