ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  NEWSLETTER  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNet.com.br
Bauru e grande região -
máx. 27° / min. 20°
Carregando
Política
Economia
Geral
Polícia
Bairros
Esportes
Regional
Cultura
Nacional
Internacional
Eleições 2014
Classificados
Agendinha
Cinema
Bauru Pocket
Tribuna do Leitor
Entrelinhas
Tá Valendo
Em Confiança
Horóscopo
Falecimentos
JC na escola
Loterias
Atendimento JC
No JC
Geral

Exame de leishmaniose fica mais rápido e confiável

Novo teste, feito por meio de uma fita reagente, oferece resultado em 20 minutos e não depende de estrutura laboratorial

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Google+

Uma boa notícia para quem tem cães: o teste de leishmaniose visceral canina (LVC) tornou-se mais rápido e confiável. O novo protocolo está sendo implantado pelo Ministério da Saúde em todo o País e Bauru foi escolhida como uma das 30 cidades pioneiras.

No município, o exame - feito por meio de uma fita contendo reagentes, mecanismo semelhante aos dos testes simples de gravidez - já está sendo realizado pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). Trata-se do teste rápido DPP (Dual Parth Platform ou Pla­taforma de Duplo Compartilhamento, numa tradução livre), que oferece o resultado em cerca de 20 minutos, sem a necessidade de análise laboratorial.

Com isso, o diagnóstico é feito na própria cidade, em campo, o que dispensa o envio de amostras para laboratórios especializados na Capital. “Anteriormente, como o número de laboratórios é reduzido diante da quantidade de amostras a serem examinadas, a liberação dos resultados demorava dias, até semanas”, explica José Eduardo Tolezano, pesquisador científico e diretor técnico do Centro de Parasitologia e Micologia do Instituto Adolfo Lutz, que coordena a implantação do novo sistema.

Quando o teste rápido detecta casos positivos, entretanto, é necessário outro exame para confirmação, chamado Elisa, feito por meio de análise de amostra de sangue em laboratório. Antes da mudança, o Elisa era utilizado como triagem e identi­ficação dos animais doentes e, em caso positivo, a confirmação era feita por meio de uma reação de imunofluores­cência indireta (Rifi), também com análise laboratorial.

Além de mais rápida, a nova combinação de testes (DPP e Elisa) comprovou-se mais precisa, conforme destaca Tolezano. “Os antígenos (proteínas) utilizados na fita são mais sensíveis e específicos, porque são retirados dos parasitas que causam a leishmaniose visceral. A segurança do diagnóstico, portanto, é maior”, observa.

De acordo com ele, esta especificidade minimiza as chances de resultados falsos negativos e falsos positivos, o que o Elisa associado ao Rifi não conseguiam garantir com a mesma eficiência. Com isso, a expectativa é reduzir o elevado número de retestes, já que, sempre que o resultado do exame de triagem é positivo e o de confirmação, negativo, uma nova amostra de sangue precisa ser coletada para a repetição do teste.


Segurança

Para Damair Pereira de Almeida, delegada da Sociedade de Proteção Animal Mountarat, em Bauru, a novidade deverá ajudar a minimizar as desconfianças quando cães que não apresentam sintomas da doença tiverem resultados positivos. “Ele reduz a praticamente zero as chances de sacrificar um animal saudável, o que era motivo de polêmica até então. Agora, haverá uma tranquilidade maior para os donos de cães que precisarem ser eutanasiados”, diz.

O DPP já tem aplicação em diversas doenças, como dengue, aids e leptospirose. O teste específico para a leishmaniose foi desenvolvido pelo Instituto Bio-Manguinhos, vinculado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), após anos de estudos. Depois que as avaliações indicaram que ele poderia ser utilizado como exame de triagem para a doença, a mudança de protocolo começou a ser implantada pelo Ministério da Saúde a partir do Estado de São Paulo, em março deste ano.

Marília sediou o primeiro treinamento, que reuniu 30 cidades paulistas com registros de transmis­são da doença em cães e humanos, incluindo Bauru. “Os técnicos que participaram do encontro foram capacitados para se tornarem multiplicadores do treinamento em suas regiões”, comenta Tolezano.


Distribuição

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Saúde, os kits para realização do teste rápido estão sendo distribuídos gratuitamente pelo Ministério da Saúde e, neste primeiro momento, estão certificados 270 municípios das regiões de Bauru, Presidente Prudente, Araçatuba, Marília e São José do Rio Preto. A intenção é de que o teste esteja disponível para todo o Estado até o final do ano.

O Ministério da Saúde esclarece que, até o momento, 22 estados brasileiros já passaram pelo treinamento de implementação e espera-se que até o final de agosto todos os estados, mesmo que parcialmente, estejam prontos para adotar o novo protocolo. Até o momento, a produção do DPP não é comercializada para uso privado.


Doença infecciosa crônica tem origem em protozoários

A leishmaniose é uma doença infeciosa que tem por agente de origem diferentes espécies de protozoários parasitas do gênero Leishmania sp. Trata-se de uma moléstia crônica e potencialmente letal se não for tratada antes do aparecimento dos sintomas. Sinais clínicos da doença incluem indisposição, anemia, febre, perda de peso e inchaço no baço, fígado e gânglios linfáticos.

A leishmaniose visceral é uma zoonose cujos principais reservatórios domésticos do parasita são os cães, animais fundamentalmente responsáveis pela manutenção da transmissão da doença. Os vetores das leishmanioses são insetos conhecidos como flebótomos ou flebotomíneos e, em linguagem popular, como cangalhinha, mosquito-palha ou birigui.

O Ministério da Saúde preconiza a eutanásia de cães infectados, identificados por meio de teste sorológico, como uma das medidas de controle para a transmissão da doença. Este procedimento tem provado ser uma importante etapa do controle empregado no Brasil, visando prevenir a infecção do vetor e, consequentemente, a transmissão do parasita ao homem.

Tratamentos para leishmaniose visceral em humanos são considerados muito difíceis. Já para cães e outros reservatórios do parasita, não é indicado nenhum tipo de tratamento - somente a eutanásia. O objetivo é diminuir a possibilidade do surgimento de resistência parasitária aos medicamentos.


Casos da doença

Em 2012, já foram registrados oito casos de leishmaniose visceral americana em humanos, confirmados pela Secretaria Municipal de Saúde. Dois deles terminaram em óbitos. O mais recente ocorreu no dia 28 de abril. No ano passado foram 42 casos da doença, com três óbitos. 





publicidade


Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2014 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP