ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  NEWSLETTER  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNet.com.br
Bauru e grande região -
máx. 32° / min. 18°
Carregando
Política
Economia
Geral
Polícia
Bairros
Esportes
Regional
Cultura
Nacional
Internacional
Eleições 2014
Classificados
Agendinha
Cinema
Bauru Pocket
Tribuna do Leitor
Entrelinhas
Tá Valendo
Em Confiança
Horóscopo
Falecimentos
JC na escola
Loterias
Atendimento JC
No JC
Nacional

Receita amplia regime especial para empresas exportadoras

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Google+

A Receita Federal ampliou um regime especial que suspende a cobrança de impostos e desonera a importação de insumos industriais usados na fabricação de produtos voltados para exportação.

Conhecido como Recof, o regime -antes destinado apenas aos segmentos automobilístico, aeronáutico, semicondutores e de telecomunicações- agora vale para empresas de qualquer segmento de montagem que importem insumos para industrialização e exportem ao menos parte da produção.

Para participar, as empresas terão que ter patrimônio mínimo de R$ 25 milhões e devem exportar ao menos R$ 10 milhões por ano. Apenas no primeiro ano o valor mínimo obrigatório a ser exportado será menor: R$ 5 milhões.

Também será obrigatório que as empresas façam parte do programa Linha Azul, no qual as empresas se comprometem a controlar internamente o pagamento de tributos para evitar erros e fraudes nas declarações.

Programa Linha Azul

Com a adesão, elas passam e ter fiscalização mais leve da Receita Federal na hora de importar e exportar produtos, agilizando as operações. A Receita fiscaliza a empresa posteriormente, por meio de auditorias.

As empresas que não estão no Linha Azul terão até dois anos para aderir ao programa.

Atualmente, apenas 12 empresas estão aptas a entrar no Recof, diz a Receita, e outras 173 se enquadram nas regras, mas não estão no Linha Azul.

Exportação de manufaturados

O subsecretário de aduana e relações internacionais da Receita, Ernani Checcucci, diz que o objetivo da ampliação do programa é estimular a industrialização do país e a exportação de produtos manufaturados. Além disso, diz, a medida incentivará mais empresas a aderirem ao programa.

Checcucci diz que a empresa que faz parte do Recof fica suspensa do pagamento de impostos no momento da compra de insumos nacionais e importados.

Ela deverá pagar posteriormente apenas os impostos sobre os insumos que foram usados na produção de itens vendidos no mercado interno. O que for usado para exportação estará isento.
    
 





publicidade


Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2014 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP