ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  NEWSLETTER  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNet.com.br
Bauru e grande região -
máx. 32° / min. 17°
Carregando
Política
Economia
Geral
Polícia
Bairros
Esportes
Regional
Cultura
Nacional
Internacional
Carnaval 2014
Classificados
Agendinha
Cinema
Bauru Pocket
Tribuna do Leitor
Entrelinhas
Tá Valendo
Em Confiança
Horóscopo
Falecimentos
JC na escola
Loterias
Atendimento JC
No JC
Nacional

Motorista de ônibus que esmagou táxi diz que estava a 40 km/h

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Google+

O motorista de ônibus envolvido no acidente que deixou dois mortos na manhã desta quarta-feira (12) prestou depoimento durante a tarde e afirmou que trafegava a 40 km/h quando atingiu um táxi na avenida Vereador José Diniz, na zona sul de São Paulo. O limite no local seria de 50 km/h.

O ônibus acabou ficando sobre o táxi após a batida, matando o taxista Ronaldo Voltan, 45 anos, e o passageiro Cyrille Fourny, 50 anos, vice-presidente financeiro da Helibras (empresa de helicópteros). Segundo a Polícia Civil, nove outras pessoas tiveram ferimentos leves e prestaram depoimento nesta quarta.

O motorista, que não teve o nome informado, afirmou que mantinha distância do outro coletivo, mas foi cortado pelo táxi. A polícia afirmou que agora vai apurar as informações do motorista.

O tacógrafo do ônibus já foi encaminhado para a perícia e a polícia procura câmeras da região que possam ter registrado o acidente. O motorista foi liberado após o depoimento e ninguém foi indiciado até o momento, segundo a polícia.

A mulher do executivo morto no acidente disse que ficou sabendo da morte de Cyrille Fourny, 50, pela TV. Maria Tereza Fourny estava na academia e quando chegou em casa, na região do Ibirapuera, viu o acidente e identificou o carro que ele costumava usar.

Marroquino, mas criado na França, Cyrille estava no Brasil há dois anos. O executivo, que é vice presidente financeiro da Helibras, ia para o escritório da empresa na região do Campo de Marte, na zona norte. Ele estava a bordo de um táxi de luxo que, próximo ao cruzamento com a rua Joaquim Nabuco, acabou sendo esmagado por um ônibus no corredor da avenida. As causas do acidente ainda não forma esclarecidas.

Fourny era pai de duas crianças, uma de 9 e outra de 14 anos. Segundo a mãe, as crianças estão em choque.
"Eu estava na academia quando meu motorista disse que não iria me buscar por conta do trânsito. Fui a pé para casa quando cheguei soube da noticia pela TV. As crianças chegaram ao meio dia, contei a notícia, um gritou outro começou a chorar, estão muito abaladas", disse Maria Tereza, casada havia 20 anos com o executivo.

Amava o Brasil
Segundo a mulher do executivo, Cyrille amava o Brasil e planejava morar para sempre aqui. Esportista, adorava jogar tênis e squash.

Segundo ela, vivia pelo trabalho, atividade que ele mais gostava de fazer. "Viajava o mundo pelo trabalho. Antes de trabalhar aqui passamos uma temporada no Canadá e na França" afirmou.

O executivo tem cinco irmãos. Cresceu na cidade de Angé, na região central da França.De acordo com sua mulher, era uma pessoa comunicativa e que vivia rodeado de amigos. "Eu briguei bastante com ele, por causa do meu gênio, mas ele nunca ousou em me destravar. Ele era Alegre e comunicativo, não tinha defeitos" elogiou.
O corpo do executivo ainda está no IML (Instituto Médico Legal) Sul, na região do Brooklyn. O local do velório e do enterro ainda não foram definidos.

Segundo Maria Teresa a possibilidade enterrá-lo na França existe, porém isso ainda "não foi decidido pela família" do executivo.

Motorista
O corpo do motorista do táxi, Ronaldo Voltan, 45, também está no IML, na região sul de São Paulo. Familiares estiveram no local para identificar o corpo, porém não quiseram conversar com a imprensa.
O velório e o enterro de Voltan também não foram decididos.

Acidente
O acidente aconteceu por volta das 7h, próximo à rua Joaquim Nabuco. Além do coletivo que atingiu o carro, um segundo ônibus também foi atingido pelo forte impacto. O acidente aconteceu no corredor de ônibus que existe na via.

Segundo o major Sérgio Watanabe, da PM, tudo indica que faltou freio no ônibus que atingiu o veículo. "Não tem nenhuma marca de freio no asfalto. Teria ocorrido falha mecânica no freio", disse o oficial.De acordo com o Corpo de Bombeiros, além dos dois mortos, oito pessoas ficaram feridas.

O táxi era um Corolla preto, um modelo de luxo e que cobra tarifa diferenciada. De acordo com o gerente da SPTrans da zona sul de São Paulo, Ricardo Rocha, o veículo podia trafegar pelo corredor. Segundo a versão do motorista do coletivo que atingiu o táxi, o taxista teria fechado o coletivo, que não teve tempo de frear.

A perícia vai analisar o veículo para verificar se houve alguma falha mecânica no coletivo ou se ele foi de fato fechado pelo taxista que, segundo familiares, tinha mais de 22 anos de profissão.
    

 


    

 





publicidade




Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2014 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP