ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  NEWSLETTER  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNet.com.br
Bauru e grande região -
máx. 34° / min. 20°
Carregando
Política
Economia
Geral
Polícia
Bairros
Esportes
Regional
Cultura
Nacional
Internacional
Eleições 2014
Classificados
Agendinha
Cinema
Bauru Pocket
Tribuna do Leitor
Entrelinhas
Tá Valendo
Em Confiança
Horóscopo
Falecimentos
JC na escola
Loterias
Atendimento JC
No JC
Polícia

Greve paralisa atividades do CDP de Bauru

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Google+
Cerca de 50 servidores penitenciários do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Bauru deflagraram greve nesta segunda-feira (17). 
 
Por conta da ação, que ocorre em presídios de todo o Estado, parte das atividades usuais, como a chegada e transferência de presos da região, audiências, atendimentos de advogados e conferências por parte dos detentos ficou paralisada. O movimento deve continuar hoje.
 
Éder Azevedo
Agentes deixaram de transportar presos para audiências nos fóruns de Bauru, Agudos e Pederneiras
 
De braços cruzados ao lado de fora dos portões principais da unidade, os agentes penitenciários impediram várias entradas e saídas de comboios de presos. 
 
Apesar da tensão frente às expectativas a cada comboio que chegava e era barrado na entrada do presídio, o clima entre os grevistas era de tranquilidade no período em que o JC acompanhou os trabalhos no local. “Enquanto o Estado não atender nossas reivindicações ou acenar negociação, não entram e nem saem presos daqui. Exceto para casos que haja alvará de soltura, de transferência para Regime Disciplinar Diferenciado (de alta periculosidade) e que envolvam socorro médico”, pontua o diretor do Sindicato dos Servidores Públicos do Sistema Penitenciário Paulista (Sindcop), Fernando Gonçalves.
 
Segundo o JC apurou, a paralisação afetou atividades internas da unidade, das quais participariam ao menos 50 presos. Entre elas estavam audiências nos fóruns de Bauru, Agudos, Pederneiras, exames toxicológicos de 32 detidos e audiências por videoconferências.
 
Unidades do regime semiaberto, como os Centros de Progressão Penitenciária I, II e III de Bauru, não teriam aderido ao movimento, segundo o Sindcop.
 
Entre as reivindicações, os grevistas pedem aumento salarial de 25%, diminuição de duas classes para obtenção de promoção salarial, além de melhores condições de trabalho e mais contratações. “Estamos mantendo apenas 30% do efetivo para a manutenção de serviços essenciais lá dentro como o banho de sol, a enfermaria e a alimentação”.
 
A assessoria de comunicação do Sindcop informou o JC sobre a possibilidade de suspensão das visitas da unidade no próximo domingo, caso não haja posicionamento do governo.
 
Adesão
 
Conforme o JC antecipou na edição de sexta-feira, algumas unidades prisionais de Assis e Paraguaçu Paulista já haviam entrado em greve na última semana. 
 
No site do Sindcop, na tarde desta segunda , havia informação de que a paralisação já havia atingido 112 unidades prisionais em todo o Estado, cerca de 80% do total.
 
Na região de Bauru, das 33 unidades, 30 já estariam paralisadas, segundo o sindicato (leia mais na página 18).
 
Na última quinta-feira, segundo o sindicato, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) entrou com pedido de liminar na Justiça para barrar a greve. 
 
A liminar foi concedida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo na última quinta-feira e atende a um pedido da Procuradoria Geral do Estado. 
 
A decisão dificulta a intenção dos agentes penitenciários de impedir os serviços de transferência de detentos para audiências e julgamento, atendimento de advogados e paralisação de oficiais de Justiça. 
 
A decisão também proibiria qualquer ato que dificulte o pleno exercício dos direitos da população carcerária, em especial o direito de visita, sob pena de multa de R$ 100 mil para cada dia de descumprimento.




publicidade


Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2014 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP