ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  NEWSLETTER  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNet.com.br
Bauru e grande região -
máx. 27° / min. 18°
Carregando
Política
Economia
Geral
Polícia
Bairros
Esportes
Regional
Cultura
Nacional
Internacional
Carnaval 2014
Classificados
Agendinha
Cinema
Bauru Pocket
Tribuna do Leitor
Entrelinha
Em Confiança
Horóscopo
Falecimentos
JC na escola
Loterias
Atendimento JC
No JC
Regional

PF prende suspeito de pornografia

Administrador de empresas foi preso em flagrante em Cafelândia com conteúdo pornográfico guardado em computador

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Google+

Um administrador de empresas de 36 anos foi preso em flagrante pela Polícia Federal (PF), ontem de manhã, em Cafelândia (83 quilômetros de Bauru), com conteúdo pornográfico infantil armazenado em um HD na sua residência. Ele pagou fiança e vai responder ao inquérito em liberdade. Em Itapuí (44 quilômetros de Bauru), os policiais federais também cumpriram mandados de busca, mas ninguém foi preso.

A prisão integra a operação “Infância Segura”, deflagrada pela PF em 16 cidades de nove estados com o objetivo de combater a difusão de imagens com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes pela Internet. Na região, os trabalhos foram coordenados pelo delegado Fernando Amaral, da PF de Bauru.

Em todo o País, foram expedidos 26 mandados de busca e apreensão de HDs e mídias com material pornográfico infantil armazenado. Quatorze pessoas foram presas em flagrante e dois menores foram apreendidos por possuírem em suas residências imagens de pornografia infanto-juvenil.

Em São Paulo, foram cumpridos mandados na Capital e nos municípios de Cafelândia, Itapuí, Taubaté e Bauru. De acordo com a PF, a mera posse de material pornográfico representa um crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Os investigados responderão, conforme os seus atos, pelo crime de possuir imagens de pornografia infanto-juvenil, previsto nos artigos 241-a e 241-b do ECA. As penas, em caso de condenação, variam de 1 a 6 anos de reclusão.

A operação Infância Segura, realizada pelo Grupo Especial de Combate aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil pela Internet, é um desdobramento da Operação Dirty Net, deflagrada no ano passado, no Rio Grande do Sul, com a prisão de 32 pessoas.





publicidade


Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2014 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP