ASSINE: (14) 3104-3144  |  ATENDIMENTO JC  |  BUSCA  |  EDIÇÃO DIGITAL  |  SEGUNDA-FEIRA
JCNET.com.br
Bauru e grande região - Domingo, 28 de agosto de 2016
máx. 31° / min. 18°
23/12/12 03:00 - Saúde

Leishmaniose tem vacina mais eficiente

Testada em hamsters, ela pode ser produzida a baixo custo utilizando as larvas dos insetos transmissores

Da Redação
Cientistas da Universidade Autônoma de Barcelona, na Espanha, desenvolveram uma nova vacina mais eficiente e mais barata contra a leishmaniose humana. A vacina, testada em hamsters, pode ser produzida a baixo custo utilizando as larvas dos insetos transmissores.

A pesquisa representa um passo importante para a luta contra a doença que causa a morte de 70 mil pessoas a cada ano nos países em desenvolvimento e de cães, que também sofrem da doença e são reservatórios naturais do patógeno. Os resultados foram apresentados na revista PloS ONE.

A leishmaniose é um dos principais problemas de saúde atuais em escala mundial. Em seres humanos é causada pelo protozoário parasita Leishmania infantum. A doença é transmitida por insetos Phlebotominae subfamily (flebótomos) que são muito semelhantes aos mosquitos.

De 1,5 a 2 milhões de novos casos surgem a cada ano e, adicionalmente, 350 milhões de pessoas estão em risco de contrair a doença. A leishmaniose é considerada uma doença endêmica em partes da Ásia, África, sul da Europa, México, América Central e América do Sul, e é a segunda doença tropical parasitária mais mortal, depois da malária.

As manifestações clínicas aparecem na forma de feridas cutâneas menores a complicações nos órgãos e, no pior dos casos, a morte. Os tratamentos atuais não são satisfatórios e, embora a via mais razoável para combater a doença seja a obtenção de uma vacina eficaz, as vacinas convencionais até agora falharam.

A equipe comparou os resultados ao aplicar estratégias vacinais diferentes no melhor modelo animal para o estudo da variante humana da doença: o hamster dourado.

Os resultados mostram que a estratégia mais eficaz é uma combinação de duas vacinas criadas pelos investigadores: três doses de DNA de genes de L. infantum e duas doses de proteínas codificadas por estes genes.

A vacina de proteína pode ser obtida a um baixo custo, graças à utilização de larvas de insetos. Para criar a vacina os cientistas isolaram os genes do protozoário, os inseriram em um vírus que afeta insetos (baculovírus) e infectaram larvas de um pequeno verme, a larva do repolho (Trichoplusia ni).

As larvas agem como biorreatores e produzem em grandes quantidades as proteínas que codificam estes genes, e que são responsáveis por uma resposta protetora em indivíduos vacinados.

Usando este método, uma vacina de DNA pode ser fabricada com genes codificadores de proteínas do protozoário e uma segunda vacina com proteínas associadas a estes genes (produzida a um baixo custo), com o objetivo de aumentar sua eficácia.

Esta estratégia de vacina pode ser utilizada tanto em uma forma preventiva quanto terapêutica, em humanos e em cães.

A equipe agora planeja novos testes com o objetivo de transferir o mais rapidamente possível o resultado da pesquisa para a prática clínica.




publicidade


Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2016 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP