Bauru e grande região

Auto Mercado

Herói da resistência

Último hatch médio do mercado, Premier Chevrolet Cruze Sport6 une luxo e desempenho

por Eduardo Rocha

04/03/2020 - 06h00

Fotos:Divulgação

O Cruze Sport6 tem linhas esportivas, com vincos que percorrem a carroceria de forma a acentuar uma sensação de velocidade

O Chevrolet Cruze Sport6 foi o único que sobrou. Todos os outros hatches médios de marcas generalistas sucumbiram. E há pelo menos dois bons motivos para o Cruze Sport6 ter sobrevivido. O primeiro é que modelo é uma variante do Cruze sedã, que tem um bom desempenho no mercado. O sedã vende cerca de 1.500 unidades mensais, o hatch fica em torno de 500 emplacamentos mensais e os dois juntos formam um volume razoável na linha de produção, que fica na Argentina, para um carro com preços acima de R$ 100 mil. O outro é que, na linha 2020, a Chevrolet manteve um alto nível de sofisticação no acabamento e nos equipamentos, ao mesmo tempo que promoveu o mesmo face-lift aplicado ao sedã. A grade dianteira ganhou uma barra cromada, que se funde com a moldura da entrada de ar. Na traseira, as lanternas ficaram protuberantes, dando um visual tridimensional.

No interior, acabamentos em plástico preto fosco e em preto brilhante são combinados com detalhes cromado. Os bancos e o painel são revestidos em couro na cor caramelo. A nova configuração hatch custa exatamente o mesmo preço do sedã. No caso da versão de topo Premier II, sai a R$ 123.890 e tem como único opcional a cor da pintura, que pode acrescentar no máximo R$ 1.650. Esse valor inclui equipamentos desejáveis, como farol alto automático, frenagem autônoma de emergência com detecção de pedestres, sensor de ponto cego, alerta de manutenção de faixa e controle de estabilidade e tração, seis airbags e sistema de estacionamento automático. A versão de entrada, a LT, que tem um recheio bem menos interessante, sai a R$ 101. 190, enquanto a intermediária Premier I fica em R$ 112.090.

Sob o capô, o hatch traz o propulsor 1.4 turbo com injeção direta e duplo comando variável, capaz de entregar 150/153 cv de potência e 24/24,5 kgfm de torque com gasolina/etanol. A transmissão é a mesma de todas as configurações, automática de seis marchas. O zero a 100 km/h do modelo fica em exatos 9 segundos, o mesmo do sedã. Aliás, a diferenças entre as duas versões são 11 kg a menos no peso e 21 cm no comprimento.

Além de uma boa dinâmica, o modelo mostra baixo consumo de combustível - quase o mesmo consumo que o sedã. Com bom nível de requinte, recursos tecnológicos e bom desempenho, o Cruze Sport6 tem boas possibilidades de sobreviver através de sua diferença no mercado.

Ponto a ponto

Desempenho - O motor 1.4 turbo de 150/153 cv e 24/24,5 kgfm deixa o Cruze Sport6 bem animado. As acelerações são bem progressivas e o câmbio automático de seis marchas não deixa buracos. Os ganhos de velocidades são vigorosos. A relação peso/potência em torno de 8,5 kg/cv traduz a boa disposição do hatch, assim como a aceleração de zero a 100 km/h em 9 segundos. E embora não chegue a ser um modelo esportivo, tem fôlego suficiente para divertir quem está ao volante. Nota 8.

Estabilidade - Aqui o Cruze Sport6 leva uma nítida vantagem sobre a configuração sedã. Ele tem uma rolagem lateral mais controlada e a recuperação de equilíbrio da carroceria é mais rápida, o que faz diferença em uma sequência de curvas. A suspensão traseira por eixo de torção é um ponto contra, mas a direção é leve e bem precisa. Em retas, mesmo em velocidades mais altas, não há qualquer flutuação. Nota 8.

Interatividade - A versão Premier II tem uma tela de oito polegadas, contra a de sete da versão LT. O hatch tem também o sistema OnStar, roteador e um sistema MyLink bem completo. A conexão com smartphone é simples e muito funcional. Nota 9.

Consumo - O Cruze hatch se saiu um pouco pior que a versão sedã: cumpriu média de 11,3 km/l na cidade e 13,6 km/l na estrada, com gasolina, e 7,6 km/l e 9,3 km/l, respectivamente, com etanol, na avaliação feita com o modelo 2019. Com isso, ganhou nota "A" no selo de eficiência energética do InMetro em sua categoria e "B" no geral, as mesmas do sedã. Nota 9.

Conforto - A suspensão privilegia a estabilidade. Em pavimentos irregulares, este acerto incomoda um pouco os ocupantes, mas é bem agradável em pisos de boa qualidade. O habitáculo acomoda bem quatro ocupantes adultos. A habitáculo é bem isolado acusticamente e os bancos são ergonômicos. Nota 7.

Tecnologia - O Cruze Sport6 segue os parâmetros básicos para automóveis de passeio, como motor de pequeno tamanho com turbo e plataforma com bom nível de rigidez. Mas é um modelo que já saiu de linha em diversos mercados: China, México, Estados unidos e Coreia do Sul, mas deve se manter em produção por dois ou três para o mercado do MercoSul. Ele traz também recursos modernos, mas não os mais sofisticados. Casos do alerta de colisão com frenagem automática em baixas velocidades, do monitor de ponto cego, do assistente para manutenção da faixa de rolamento, dos seis airbags e do farol alto automático. Nota 8.

Habitabilidade - Por dentro, repete o sedã: bons nichos e porta-objetos para acomodar pequenos objetos. O acesso ao interior é bom, mas o porta-malas é apenas razoável: ele carrega 290 litros, próximo ao de alguns hatches compactos. Nota 7.

Acabamento - De maneira geral, os modelos médios no Brasil são a porta de entrada do luxo. E o Cruze Sport6 Premier responde bem neste quesito. O revestimento em couro está presente nos bancos, apoio de braços, painéis das portas e até no painel. Os encaixes são bem feitos e as peças têm bom aspecto. Nota 8.

Design - O Cruze Sport6 tem linhas esportivas, com vincos que percorrem a carroceria de forma a acentuar uma sensação de velocidade. A frente é agressiva e o fato de ser hatch deixa o perfil interessante. Na configuração de topo, as rodas de liga leve de 17 polegadas têm acabamento em parte polido, em parte pintado e são requintadas. Na traseira, se destaca o spoiler entre o teto e o vidro traseiro. Nota 9.

Custo/Benefício - O Chevrolet Cruze Premier II custa R$ 123.890 e chega a R$ 125.540 com o único opcional disponível, que é a pintura em branco perolizado - preço é o mesmo do sedã. O modelo não tem mais rivais no Brasil, mas briga tanto com os sedãs médios quanto com SUV compactos mais completos, mas é uma opção para quem deseja um design mais esportivo. Nota 8.

Total - O Chevrolet Cruze Premier somou 81 pontos em 100 possíveis.

Ler matéria completa