Bauru e grande região - Sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
máx. 33° / min. 23°
26/02/08 02:00 - Esportes

Basquete: GRSA/Bauru vai disputar Supercopa e joga na sexta

Wagner Teodoro
O GRSA/Bauru recebeu e aceitou convite da Federação Paulista de Basquete (FPB) para substituir o Rio Claro/Ulbra na Supercopa de Basquete e vai integrar o torneio, que reúne as principais forças do basquetebol paulista. A competição tem início nesta quinta-feira e o time bauruense já entra em quadra na sexta-feira, em São Paulo, contra o Paulistano/Dix Saúde.

Assim, houve uma mudança radical nos planos do GRSA para o semestre. Antes, a equipe vinha se preparando para o Torneio Novo Milênio, que garante vaga no próximo Campeonato Paulista. Agora, com o time disputando a Supercopa, a FPB garantiu a vaga bauruense no Estadual. Além disso, os bauruenses vão medir forças com equipes muito mais fortes do que as que disputarão o Novo Milênio.

Este é o único problema que o técnico Guerrinha vê na mudança. “O único aspecto negativo é que a gente não entra em igualdade de condições técnicas com as outras equipes. É um campeonato mais difícil do que o Torneio Novo Milênio. Mas vai ser muito bom, já acelerou todo o nosso processo”, comentou Guerrinha.

O técnico vem comandando treinos com o time, na Luso, há duas semanas em um trabalho que, inicialmente, teria mais duas semanas para ser concluído. De acordo com planejamento da comissão técnica, o GRSA/Bauru faria ainda alguns jogos-treinos na fase final de preparação.

Agora, não haverá tempo. A equipe, recém-formada, entrará em quadra diante de adversários poderosos e com os times prontos e consolidados, como o Franca/Unimed, atual bicampeão paulista, Assis/Conti e o Paulistano/Dix Saúde. De acordo com Guerrinha, o resultado não é o principal foco do GRSA/Bauru em um primeiro momento e a participação na Supercopa também pode ajudar a amadurecer o elenco jovem.

Hoje pela manhã, a diretoria do GRSA/Bauru dará coletiva de imprensa para detalhar a participação da equipe na Supercopa.

O torneio

Criada pela Associação de Clubes do Basquetebol Brasileiro (ACBB), integrada pelos clubes paulistas dissidentes da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) e com o apoio da FPB, a Supercopa nasce paulista, com todos os oito clubes participantes sendo do Estado. São eles Bauru, Franca, Limeira, Pinheiros, Assis, Paulistano, Araraquara e São José dos Campos.

No entanto, ACBB planeja ganhar a chancela da CBB e se tornar uma liga oficial, nos moldes da NBA, das ligas européias e argentina. A idéia é de, nos próximos anos, dobrar o número de participantes com clubes de outros estados.

Neste primeiro ano, a disputa será em sistema de turno e returno, com os quatro primeiros colocados avançando às semifinais. Em playoffs melhor-de-cinco jogos, os vencedores se classificam para a final, que também será realizada em série melhor-de-cinco jogos.

Uma das novidades do torneio é o double-game. As equipes jogam contra um adversário e voltam enfrentá-lo no dia seguinte, na mesma praça. Assim, o Bauru já joga duas vezes contra o Paulistano, em São Paulo.




publicidade
Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2019 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP