Bauru e grande região - Domingo, 21 de abril de 2019
máx. 31° / min. 17°
01/02/19 07:00 - Entrelinhas

Entrelinhas

Da Redação

R$ 800 mil

A Prefeitura de Bauru não pode se queixar da média de arrecadação conquistada em 2018. Entre os principais tributos e transferências, apesar das dificuldades e de 2018 ter sido ano de Copa e de eleição, a receita corrente conseguiu repassar a inflação do período. No bolo, a receita cresceu em torno de 4%. O balanço do ano também fechou equilibrado, com muitos cortes, é bem verdade. No "frigir" dos ovos, Gazzetta iniciou 2019 com R$ 800 mil livre para "investir". É muito pouco, perto da enorme lista de necessidades.

Sobras

É que os dados preliminares da Secretaria de Finanças mostram que a administração fechou, no balanço, o ano passado com R$ 138 milhões em caixa. Mas quase tudo já empenhado (comprometido como despesa) para ações obrigatórias. A maioria desse montante é de recurso que foi se acumulando ao longo do ano e que é transferido para o mês seguinte. São convênios carimbados, por exemplo, em boa parte. O saldo final real ficou em R$ 3,8 milhões de superávit. Mas desse valor, R$ 2,3 milhões (devolução da Câmara) o prefeito se comprometeu em utilizar na área de Saúde, com unidade na região da Nova Esperança.

Audiência

Foi impossível avaliar produção e execução orçamentária comparativa na área de Saúde durante a audiência pública obrigatória realizada ontem, no último dia pela norma. Faltaram dados de comparação, há quadros com informações incompletas e as informações sobre ações em promoção de saúde foram elencados na hora da audiência. Não é a primeira vez que a pasta falha na apresentação de dados. No governo passado, ocorreram audiências com alimentação errada de informações. A prestação de contas só tem efeito se os dados forem amplos, precisos.

Sem verba

O que deu para comprovar é que não há espaço orçamentário para que a Saúde avance ainda mais sobre os parcos recursos do Orçamento. O esgarçamento é claro. Fica patente que também não há a menor condição financeira de a prefeitura assumir as contas de operação do Hospital de Base. A afirmativa em torno dos R$ 2 milhões mensais para compor o custeio do Base está muito mais para um projeto do que para realidade.

Escorpiões

Entre os dados que foram coletados na audiência, vale ressaltar a distribuição dos acidentes por escorpião na cidade em 2018. A região do Jardim Ouro Verde domina o número de casos notificados. Foram 110, contra 75 na região do Jardim Redentor, onde o conhecido lixo residual na área do Cemitério traz transtornos aos moradores há anos.

30 dias

De ontem a daqui 30 dias, quem tiver terreno com sujeira e mato alto terá de limpar e enviar o material impróprio para o destino adequado. Senão, finalmente, a prefeitura vai aplicar multa, mandar empresa terceirizada limpar e cobrar a despesa do proprietário. A sujeira urbana é caso de saúde pública, de vetor de doença. Não é possível que quem tenha imóvel não cumpra sua obrigação com o coletivo. E que a prefeitura limpe os seus também.

Em Brasília

Os vereadores de Bauru Sandro Bussola (PDT) e Carlão do Gás (PMDB) vão prestigiar hoje, em Brasília, a posse dos novos deputados e senadores. Rodrigo Agostinho (PSB) e Capitão Augusto (PR), agora com domicílio eleitoral em Bauru, falam na edição de hoje (pág. 3) sobre suas primeiras ações de mandato.





publicidade
As Mais Compartilhadas no Face
Projeto Cidade Promoções e Eventos
(SF) © Copyright 2019 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP