Bauru e grande região - Quarta-feira, 19 de junho de 2019
máx. 28° / min. 16°
10/03/19 07:00 - Tribuna do Leitor

Resposta a um questionamento

Pedro Valentim

Como meu nome foi citado aqui na Tribuna, na missiva Fora de Contexto (7/3), gostaria de esclarecer que publico há mais de 30 anos cartas neste espaço. Lógico que já teve divergências, mas nunca foi reparadas por ninguém. Quanto ao Livro de Salmos, Capitulo 150, Versículo 4, cita que se deve louvar o 'senhor com tamborim e a dança e também com instrumentos de corda e a dança'... Portanto, não tentei justificar o uso de tamborim e ele é citado explicitamente no livro. Mas cada um pode interpretar como quiser... Mas com nível, educação e sem querer se impor.

É preciso citar que o Deus Momo é sim uma criação da mitologia grega e romana. Mas foi a mesma Roma que tornou o Cristianismo religião oficial do Império no ano 380 por ordem do imperador romano Teodésio I, que apenas seguiu a vontade do imperador Constantino. Uma Lei que ficou conhecida como Édito de Tessalônica. E participar do carnaval não significa fazer referência a nenhum "Deus pagão mitológico", que a própria expressão ja dá a entender que nunca existiu. E também o fato de ser fiel hoje não significa concordar com as barbaridades praticadas pela Santa Inquisão na Idade Média.

O missivisa cita que no carnaval brasileiro só tem sexo, bebida, drogas, gravidez precoce de adolescentes etc... Erra ao generalizar... E toda generalização é injusta, irracional e discriminatória. Não gostar do carnaval é um direito que qualquer um tem. Mas não separar o joio do trigo materializa-se a cegueira mental. Ora, não é porque uma pessoa não seja religiosa que ela possui o direito de sair por aí afirmando que nas Igrejas só têm pedófilos, vendilhões do templo ou mercadores da Fé. Seria uma aberração, não é mesmo? Infelizmente tem, mas não são a maioria... A mesma visão se aplica para aqueles que só enxergam o lado negativo do carnaval.

Gente que pratica abusos e que não praticam há em todos os setores da nossa sociedade e da humanidade, sem exceções.

E a mesma Constituição que garante verbas para a educação, segurança e a saúde, também prevê para o fomento da cultura. E nela estão inseridos as festas populares. O problema do Brasil não são os quatros dias de carnaval e sim a corrupção, impunidade, injustiça social, entre outros... Que já existiam antes dos primeiros bailes e festas populares.

Não sou neófito e conheço a Bíblia (li várias vezes integralmente) até porque frequentei por anos Igreja Evangélica e fiz o curso de Teologia. É mentirosa a afirmação que desrespeito os que seguem esse Livro.

Mas muitos que se dizem seguidores da Bíblia, na prática não fazem o que ela prega. E aquele ou aqueles que generalizam e usam a discriminação se igualam aos hipócritas e aos fariseus duramente criticados por Jesus. Ah, é bom lembrar que nem todos que dizem Senhor, Senhor, herdarão os Reinos dos Céus!

 





publicidade
(SF) © Copyright 2019 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP