Bauru e grande região - Terça-feira, 16 de julho de 2019
máx. 26° / min. 18°
18/05/19 07:00 - Tribuna do Leitor

Infanticídio Inconsciente

Azis Neme

Muitos de nós nascemos em lar onde reina a discórdia e a desunião, o que torna por vezes difícil o cumprimento da missão ao qual estávamos destinados. Assim, a falta de harmonia no lar é de fato um problema que aflige muitos lares.

A incompreensão e a capacidade de lidar com as diferenças estão entre os grandes causadores das desavenças domésticas.

Não podemos negar: os filhos sofrem muito com a falta de amor entre os pais. Ambientes sem harmonia, onde prevalecem as palavras ásperas e agressões são campos férteis para proliferação das enfermidades principalmente nas crianças. Assim, as crianças naturalmente não estão imunes aos desencontros de seus pais.

Recordei-me, então, da obra "No mundo maior", de André Luiz, em que é abordado a questão de infanticídio inconsciente, mostrando com clareza a influência do ambiente que vigora no lar para a saúde ou enfermidade da criança podendo levá-la até a óbito. Não podemos, é óbvio, generalizar, pois cada caso é único, no entanto vale a reflexão.

Muitas pessoas ainda não perceberam a responsabilidade que é ser pai ou mãe e acabam prejudicando o crescimento dos filhos com suas atitudes violentas transformando, assim, o lar em "ringue" e seu companheiro de caminhada em "oponente". Competem entre si, brigam e discutem por ninharia e, infelizmente, quem sofre com isso são os próprios filhos que acabam por receber alta carga de energia negativa, que naturalmente pode ser muito forte para um corpo infantil. Os pais estão falhando na educação de seus filhos.

Um filho é um tesouro que o pai, na sua infinita bondade e misericórdia, confiou a nossa guarda esperando que sejamos seus guias e que orientemos no caminho do bem.

Aprendemos, cedo ou tarde, com a vida, que o ciúme é um sentimento destrutivo e enganador, pois sem vigilância é capaz de arrasar bons sentimentos que tem tudo para florescer e engana com a falsa ilusão do domínio e posse. Infelizmente, ainda somos egoístas; quando amamos queremos posse total.

Eu não podia deixar de pensar no grande espaço de tempo que será necessário para a cura definitiva do homem.





publicidade
(SF) © Copyright 2019 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP