Bauru e grande região - Quarta-feira, 17 de julho de 2019
máx. 22° / min. 10°
07/07/19 07:00 - Opinião

O ikigai

Paulo Cesar Razuk

Todos nós possuímos uma vocação, os franceses a chamam de razão de ser (raison d'etre) e os japoneses a identificam como o seu ikigai, que seria a razão pela qual nos levantamos todas as manhãs ou aquilo que faz a vida valer a pena. Alguns encontram a motivação pela vida logo cedo, outros, embora carreguem essa vocação dentro de si, ainda a procuram. Ter uma vocação claramente definida traz significado à vida, dá satisfação e nos tornará produtivos enquanto existirmos.

Ser produtivo, trabalhando naquilo em que se é vocacionado, traz realização, torna o ser humano um benfeitor e um parceiro no processo contínuo de criação e de desenvolvimento da sociedade. Nessas condições, o trabalho não tem apenas o propósito de ganhar dinheiro, nem seria um fardo, mas, passa a representar sua contribuição à vida e seu legado. Ao final de cada dia de trabalho, pergunte a si mesmo: estou usando todos os recursos e habilidades que me foram concedidos para produzir mais do que recebi? Se Você puder responder "sim" a essa pergunta, saberá que está certo em seu caminho em direção a uma vida significativa.

Depois de encontrar sua vocação, o ikigai nos traz alguns conselhos: 1. Mantenha-se sempre ativo exatamente para não perder o sentido da vida. 2. Tenha calma, pois a pressa é inversamente proporcional à qualidade de vida. 3. Coloque-se em forma para o próximo aniversário. A água que se move se mantém fresca, do mesmo modo, seu veículo para a vida precisa de movimento, além do mais, exercícios físicos produzem os hormônios da felicidade. 4. Rodeie-se de bons amigos, eles são o melhor elixir para dissolver preocupações, seja por meio de uma boa conversa ou conselhos ou até mesmo com anedotas que tornam a existência mais leve.

5. Sorria mesmo quando perceber que as coisas vão mal porque não se pode esquecer o privilégio de estar aqui e agora neste mundo cheio de possibilidades. 6. Agradeça a seus antepassados, à natureza que lhe provê ar, água e alimento, a seus companheiros de vida, á tudo que ilumina sua rotina e faz Você se sentir feliz por estar vivo. 7. Viva o momento e pare de se lamentar pelo passado e de temer o futuro. Tudo que Você tem é o dia de hoje. A única coisa que existe e que está sob seu controle é o presente. Faça o melhor uso possível dele para que mereça ser lembrado.

Para uma vida significativa, o ikigai nos ensina que, além do "agora" devemos entender que as coisas que nos rodeiam não são permanentes e que devemos contemplá-las dessa forma. Não me lembro quem disse que as coisas que amamos são como as folhas de uma árvore: podem cair a qualquer momento que o vento bata.

Precisamos estar conscientes de que tudo o que temos e todas as pessoas que amamos desaparecerão em algum momento. Ter essa consciência da impermanência não deve nos entristecer, mas sim nos estimular a amar o presente e os que estão à nossa volta.

Por aqui estamos acostumados com a imutabilidade das construções, com a simetria, com as linhas perfeitas e delimitadas, com as fachadas imponentes. A tradicional arquitetura japonesa, ao contrário, não tenta ser imponente, nem pretende ser perfeita. A tradicional construção em madeira assume que deixará de existir no futuro e que precisará ser reconstruída.

Com isso, a cultura japonesa nos ensina a aceitar a natureza perecível do ser humano e de tudo o que criamos. O que deve permanecer e transcender a passagem do tempo, são as tradições e os bons costumes. O que deve ser apreciado é a beleza do imperfeito. O que devemos buscar são as oportunidades de crescimento, principalmente, o espiritual.

O autor é professor titular aposentado do Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Engenharia da Unesp – Câmpus de Bauru.





publicidade
As Mais Compartilhadas no Face
(SF) © Copyright 2019 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP