Bauru e grande região - Terça-feira, 23 de julho de 2019
máx. 29° / min. 15°
09/07/19 07:00 - Tribuna do Leitor

O maior presente do mundo

Professor Gilberto Sidney Vieira

No dia 24 de fevereiro de 1989, tinha eu uma missão especial: ir ao cartório registrar o nascimento de uma criança do sexo feminino.

Era meu dever fazê-lo, embora não fosse minha filha. A legislação assim o de terminava. O pai biológico tinha só 15 anos na data do nascimento dela.

Competia ao avô paterno (= eu) efetivar o registro. A partir daquela data assumi a função que primordialmente caberia ao pai: criar e educar minha neta primogênita. Igualmente cuidei ainda da progenitora, que era menor de idade. Os anos se passaram.

Hoje minha neta está com 30 anos. No dia dos pais, em 2015, recebi um cartão dela, entregue em mão, no qual está escrito : "... Vovô, nesse dia tão especial, eu não poderia deixar de demonstrar o quanto sou grata por tudo que já fez por mim, por sua ajuda, seus mimos, seu amor e imenso carinho. Hoje também é seu dia. Considero-o como meu pai ! Apesar de não estarmos mais perto todos os dias, você está sempre no meu coração. Obrigada por ter me criado como sua filha, com muito amor e carinho.

Serei eternamente grata. Para mim, você é um pai. Te amo muito ! Carol..."

 





publicidade
(SF) © Copyright 2019 Jornal da Cidade - Todos os direitos reservados - Atendimento (14) 3104-3104 - Bauru/SP