Bauru e grande região

 
Eleições 2020 - Cobertura Multimídia

Renata Ribeiro defende inserção de minorias e valorização do servidor

Para a candidata do PSOL, programas voltados às mulheres, negros e LGBTs devem ser priorizados pelo poder público

por Thiago Navarro

17/10/2020 - 05h00

Malavolta Jr.

A candidata Renata Ribeiro, do PSOL, prega mudanças profundas na sociedade

A candidata a prefeita Renata Ribeiro (PSOL) defende a inserção de minorias na sociedade, com programas voltados ao emprego e cultura. "Eu quero ser prefeita para mostrar que chegou a hora de colocar a prioridade na periferia, e não para aqueles que já tem uma vida boa. Bauru deve ser uma cidade para os que mais precisam do poder público. As pessoas que 'pegam busão', que trabalham, devem ter espaço nas discussões. Eu sou servidora pública, e acredito que devemos estar no centro do fazer político", afirma.

Renata é servidora da Prefeitura de Bauru e, em seu programa de governo, coloca objetivos como a cobrança de grandes devedores e a defesa dos serviços públicos. Ela tem como candidato a vice o também servidor Pedro Romualdo. Ontem, Renata Ribeiro foi a entrevistada da sabatina do JC, JCNET e 96 FM, com a parceria da Rogério Lopes TV. A seguir, os principais trechos da entrevista.

MULHERES

"Precisamos de campanhas reais para que a mulher saiba o seu lugar na sociedade. A prefeitura precisa de um sistema integrado, para preparo dos profissionais que atendem mulheres em situação de violência ou vulnerabilidade. A mulher não pode ser desincentivada a fazer denúncias. A gente não pode ser apenas punitivista, mas educar. A Lei Maria da Penha foi um avanço, conquistada com muito sangue e suor, mas a aplicabilidade ainda é falha. Mas precisa ser colocada em prática. O atendimento das vítimas deve ser feito por pessoas com preparo, e a prefeitura deve fortalecer conselhos, associações de moradores, para que as mulheres façam as denúncias"

MINORIAS

"Bauru começou a sua história com um genocídio indígena. A gente precisa recuperar isso, em respeito aos indígenas originários. Assim como eles, os negros, as mulheres, as pessoas LGBT foram excluídas das decisões, no nosso governo, queremos uma cidade em que as pessoas se sintam seguras. A população negra precisa participar de um plano de combate ao racismo. Os crimes de racismo e injúria racial terão um plano de combate, para saber onde acontece esse processo, e encontrar a solução. E isso passa pela educação, na qualificação dos servidores públicos para atender as mulheres, os LGBTs, a desburocratização no nome social"

COTAS

"As pessoas trans são encontradas escondidas na periferia, ou se prostituindo porque é a única oportunidade que elas tem. O nosso programa prevê o incentivo a uma inserção no mercado de trabalho, com cotas para ampliar a oportunidade de emprego a essas pessoas"

CULTURA

"Em Bauru, são poucas ocasiões em que as pessoas da periferia podem aproveitar eventos culturais, com limite de tempo e de espaço. O acesso deve ser livre, não pode ser uma dificuldade para o jovem participar. Também deve haver incentivo na periferia, como a cultura hip hop. Ainda é muito tímida essa inserção cultural. As pessoas não podem ser reprimidas pela polícia, mas incentivadas"

REFORMA URBANA

"Em nossa proposta, resgatamos o porquê de as coisas acontecerem. Temos problemas urbanísticos, com as ferrovias como um elefante branco. As linhas férreas devem ser resgatadas, com um sistema de transporte leve sobre trilhos, e a revitalização do Centro. Os prédios que estão abandonados devem ser aproveitados. A implantação da Lei da Casa Vazia é outra prioridade, desapropriar as casas que estão dois anos ou mais sem função social, especialmente em áreas centrais"

DESENVOLVIMENTO

"Há pessoas que são pobres e precisam lutar pelo próprio sustento, e são enfeitiçadas pelo discurso de que vão ganhar dinheiro em pouco tempo. Mas não é assim, o governo federal paga bilhões aos bancos, e diz que não tem dinheiro para pagar uma renda mínima para a população. Precisamos de um mapeamento das condições sociais. Teve pessoas que pararam com seus negócios porque não conseguiram pagar aluguel, e a prefeitura não fez nada para intermediar, tiveram que recorrer a doações de alimento para conseguir sobreviver. A gente quer dar o poder das pessoas se desenvolverem nas suas localidades, gerando empregos, mas que elas tenham direitos".

Cargos comissionados

Para Renata Ribeiro, o serviço público deve ser valorizado, com servidores de carreira. "Sou servidora e sei da realidade das péssimas condições de trabalho e do esforço para dar um serviço para a população. No DAE, praticamente todos os candidatos já estiveram envolvidos com negociações para cabides de emprego. A Cohab é outro exemplo de onde a lógica do lucro se sobrepõe, se tornou uma grande vitrine de negociatas. Tudo isso serve como justificativa para privatizações. A primeira coisa que vamos fazer é organizar o serviço público com servidores de carreira, com o mínimo de cargos comissionados", afirma.

Para ela, a prefeitura deve dar uma atenção a quem está dentro do serviço público. "Ao falar em valorização, a primeira coisa que se pensa é o salário. Isso é muito importante, até porque a atualização não acontece. Sempre é a mesma desculpa, de que não há dinheiro. Se a prefeitura fala que vai colocar o aumento do servidor no Orçamento, precisa cumprir. A gente não é contra a responsabilidade com o dinheiro público, mas essa lei atual de responsabilidade fiscal limita muito o uso de recursos, assim como o teto de gastos. Além de salário, também devemos dar condição de trabalho ao servidor", considera.

Abastecimento de água e esgoto

Na avaliação da candidata, a preservação ambiental deve ser colocada em prática rapidamente. "O abastecimento de água depende da preservação ambiental. Não adianta querer ter água e continuar desmatando o cerrado. A preservação do que tem e a reconstituição do que foi perdido é necessário para que o abastecimento funcione bem", diz. "A ETE continua sendo uma novela. Foram dois governos ambientalistas, é preciso que a população acompanhe os processos, para ocorrer a fiscalização da sociedade sobre o poder público. Propomos uma auditoria cidadã dos contratos e obras", finaliza.

Perfil

Nome completo: Renata Alves Ribeiro

Nome na urna: Renata Ribeiro

Candidato a vice: Pedro Romualdo

Idade: 26 anos

Número na urna: 50

Escolaridade: Superior Incompleto

Partido: PSOL - sem coligação

Ler matéria completa