Bauru e grande região

Meio Ambiente

Para pesquisador, répteis e anfíbios são os mais impactados pelas rodovias

Em workshop sobre ecologia nas estradas realizado em Bauru, Marcel Huijser destacou a necessidade de adoção de medidas de proteção à fauna

20/11/2014 - 09h00

De passagem por Bauru onde ministrou workshop sobre ecologia nas estradas, o pesquisador holandês Marcel Huijser ressaltou que os répteis e os anfíbios são os animais que mais morrem nas estradas em todo mundo.

 

Isso porque, muitas vezes, em função de serem de pequeno porte, não são percebidos pelos motoristas mesmo quando são atropelados. Por isso, para ele, o impacto das rodovias para a fauna silvestre pode ser bem maior do que o estimado.

 

Dados do o Centro Brasileiro de Estudos de Ecologia de Estradas (CBEE) indicam que devem morrer cerca de 450 milhões de animais diariamente nas rodovias brasileiras.

 

A convite da CART – Concessionária Auto Raposo Tavares, nesta quarta-feira (19), o pesquisador holandês Marcel Huijser apresentou seus estudos sobre o impacto das rodovias para o meio ambiente. Entre o público presente, estavam universitários, pesquisadores, professores e a comunidade. Huijser afirmou que são necessárias medidas de proteção, como a implantação de passagens de fauna.

 

“O motorista está no carro e, por isso, sua percepção fica diminuída para notar anfíbios ou répteis atravessando a rodovia. Além disso, a colisão com esses animais não gera danos aos veículos”, comenta o pesquisador. Por serem pequenos e com uma estrutura corporal mais frágil, o que sobra do animal após o atropelamento vira uma massa de difícil identificação.

 

Medidas de proteção

Para Huijser, oferecer oportunidades seguras de travessia para os animais  em regiões próximas às rodovias com a implantação de passagens de fauna é fundamental para a segurança do animal e do próprio usuário da via. Ele ressalta que o motorista também precisa colaborar, reduzindo a velocidade em trechos com sinalização indicativa de presença de animais, além de redobrar a atenção.

 

Passagem de fauna

 

Visando a proteção da fauna silvestre, a CART vem adotando uma série de medidas. Uma delas é a implantação de passagens de fauna. Mais de 60 estruturas com esta função estão sendo construídas ou reformadas nos 444 quilômetros de rodovia sob sua administração da Concessionária, de Bauru a Presidente Epitácio.

 

Nesta primeira fase das obras, estão sendo instaladas sete passagens de fauna na João Baptista Cabral Rennó (SP-225) e 54 na Raposo Tavares (SP-270). As passagens de fauna são túneis construídos ou adaptados sob o asfalto para a passagem de animais em segurança. São implantadas em pontos de maior incidência da presença de animais. Para maior eficiência, tela é fixada dos dois lados da rodovia, formando uma barreira que guia o animal até a passagem segura debaixo da pista.

 

“Os pontos para a implantação de passagens de fauna foram definidos com base num banco de dados, que cruza os lugares de maior concentração populacional de animais silvestres. A CART cataloga estes dados há cinco anos e são eles que nos balizam para a tomada de decisões visando a proteção dos animais silvestres”, afirma o coordenador de meio ambiente da CART Osnir Giacon.