Bauru e grande região

 
Natal 2020

Decoração de Natal mantém tradições

Mesmo quem decidiu não reunir a família não abre mão da tradição

por FolhaPress

13/12/2020 - 05h00

Freepik

Montar árvore de Natal é uma boa maneira de interagir com os filhos

Apesar do ano difícil por causa da pandemia do novo coronavírus, Patricia Carla de Farias Teixeira diz que nem chegou a cogitar deixar de enfeitar o apartamento onde mora, em São Paulo, para o Natal. Ela fez questão de montar a árvore de 2 metros de altura e encher o espaço de artigos natalinos. "É uma época mágica. É um momento de reflexão, de pensar em tudo que eu fiz, de tudo que aconteceu na minha vida. " O diferencial é que desta vez ela não conseguiu ir até a 25 de março e fez todo o trabalho sozinha.

Para Patrícia Teixeira, o encantamento pela celebração é uma herança familiar, já que seus pais também são fãs da data. Neste ano, ela diz que decorar a casa teve um significado ainda mais especial como uma forma de melhorar o seu ânimo diante da pandemia e de agradecer pela sua saúde. "Conheço famílias que vão passar o Natal sem emprego ou sem algum ente querido, que faleceu pela Covid. É uma graça divina poder passar essa ocasião ao lado dos meus familiares", afirma.

É assim também com a fisioterapeuta Talita Oliveira de Paula. Para ela, o Natal remete à sua infância e à comemoração ao lado da avó Natalina. Em 2018, com o falecimento da avó, ela relata que a celebração ficou diferente. Aos poucos, porém, ela diz que vem conseguindo ressignificar a data.

Com o nascimento das filhas, Esther e Heloísa, ela e o marido, o professor Klaus Merschbaher, 37, passaram a se esforçar para transmitir esse sentimento "mágico" da festa às meninas.

Psicólogos afirmam que, apesar da tristeza deste ano, não se deve abandonar as tradições de Natal. Para muitos, esta é uma maneira de se sentir próximo de quem se ama.

wNegócio de família

Reprodução/Instagram

Guirlandas com bonequinhos representando cada membro da família são sucesso

Alicia, 74 anos, e Ariela Tabacnik, 45, são judias e não comemoram o Natal. Curiosamente, porém, mãe e filha descobriram nas guirlandas natalinas uma fonte extra de renda. Há cinco anos, elas começaram a produzir lembrancinhas e objetos de decoração em feltro. Em 2017, surgiu a ideia de fazer o enfeite natalino com um diferencial: personalizado com bonequinhos representando cada membro da família. A iniciativa foi um sucesso. "A gente pensou: 'O que podemos fazer para o Natal, que seja uma coisa diferenciada e tenha um significado importante para as famílias?' Hoje, as guirlandas são o nosso carro-chefe", relata Ariela. Designer gráfico, Ariela trabalha em uma empresa, e usa seu tempo livre para se dedicar ao negócio artesanal ao lado da mãe. Alicia é a responsável pela produção das guirlandas, e a filha cuida da parte criativa e comercial da marca, que ganhou o nome de Domdari (@domdari, no Instagram). Com um número grande de pedidos por guirlandas neste ano, Ariela conta que já teve de recusar mais de 50 encomendas. Para 2021, elas já pensam em produzir artigo que seja semelhante à guirlanda natalina, mas voltado para a celebração do Ano Novo judaico.

Ler matéria completa