Bauru e grande região

Bairros

Secretaria de Saúde confirma mais 522 novos casos de dengue

Somente neste ano, Bauru já conta com 19.993 registros oficiais da doença; número de vítimas fatais segue em 21

por Vitor Oshiro

06/06/2019 - 07h00

Nessa quarta-feira (5), a Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Departamento de Saúde Coletiva, recebeu a confirmação de mais 522 casos autóctones de dengue. Com isso, a pior epidemia da história de Bauru já conta com 19.993 registros oficiais da doença somente em 2019.

A leva de casos divulgada ontem é uma das menores, sendo que, em quase a totalidade dos outros balanços semanais, o volume de novos registros oficiais passava de 1 mil. Mesmo assim, a Secretaria de Saúde destaca que as confirmações desta quarta-feira tiveram início de sintomas entre 1 de janeiro e 13 de abril, abrangendo, ainda, o período de maior transmissão da doença.

Mesmo com indícios e tendência de queda, o número total de casos assusta. Para se ter ideia da intensidade desta epidemia, 2019 já tem mais que o dobro de registros oficiais de 2015, período com recorde anterior de casos da doença. Naquele ano, foram contabilizadas 8.482 pessoas com dengue.

MORTES

O novo balanço divulgado nessa quarta-feira (5) não traz nenhuma nova confirmação de mortes por conta da dengue. Assim, Bauru segue com 21 vítimas fatais oficializadas neste ano, que já é disparado o mais letal da história.

A cidade, inclusive, tem o mesmo número de mortes por dengue de todo o Distrito Federal (DF), conforme o JC noticiou na semana passada e que se confirma por boletim epidemiológico emitido pela Secretaria de Saúde do DF nesta última segunda-feira.

A Secretaria de Saúde de Bauru informa ainda que mais óbitos suspeitos aguardam a análise do Instituto Adolfo Luz, contudo, há várias semanas, a pasta municipal parou de especificar quantos casos fatais seguem em apuração.

Antes de 2019, os anos que haviam registrado mortes pela doença foram 2011 (seis óbitos), 2013 (dois), 2015 (seis) e 2016 (um). Assim, todos os anos somados mataram 15 pessoas, ou seja, seis vítimas fatais a menos do que em 2019.

AÇÕES E CAMPANHAS

O poder público tem atuado em diferentes frentes para tentar conter a epidemia de dengue, com mutirões de limpeza (que já retiraram dezenas de toneladas de materiais que poderiam acumular água), visitas a casas e também multas, além de diversas outras ações.

Mesmo assim, a participação da população é fundamental no combate ao mosquito. Inclusive, uma das campanhas é a "10 minutos contra o Aedes". Desenvolvida pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), baseia-se em uma ronda semanal de 10 minutos observando vários pontos (confira no quadro abaixo).