Bauru e grande região

Ciências

Apareceu uma 'bolha' na boca! Por Alberto Consolaro

15/09/2018 - 07h00

Apareceu uma bolha na minha boca, na parte interna do lábio, o que faço, a quem devo procurar? Esta pergunta é muito comum pessoalmente, ao telefone, internet e aplicativos. E quase sempre, ao se examinar clinicamente, corresponde a um Mucocele, uma alteração benigna que ocorre principalmente entre os mais jovens, incluindo as crianças. A primeira preocupação vem embutida na inquietação: pode ser um câncer?

SECREÇÕES

Na pele os poros correspondem a minúsculas aberturas de ductos ou tubos das glândulas sudoríparas para a saída do suor.

Cada gota de suor é resultado de muitos milhares de glândulas em cada centímetro da pele, trabalhando e soltando minúsculas quantidades que se juntam e molham nossas roupas no verão ou durante os exercícios.

Juntos aos pelos, têm-se os ductos das glândulas sebáceas para lubrificar e proteger a pele, deixando-a macia, escorregadia e sedosa. Nas glândulas mamárias, o leite produzido pelas células é levado até os mamilos por numerosos ductos.

Cada gota de leite é trabalho de milhões de células que jogam e juntam cada gotícula nos ductos, e saem para nutrir o filho faminto daquela mulher. Tem-se ainda as glândulas lacrimais e tome muito trabalho para chorar. Nas suas pálpebras tem pequenos orifícios onde derrama-se o líquido das tristes emoções.

SALIVA

A saliva é produzida por glândulas, mas se precisa de muita saliva para lubrificar a boca, proteger a mucosa e ainda degradar os alimentos. Por isto temos três pares de grandes glândulas salivares que a derrama na boca: as parótidas, submandibulares e sublinguais.

Mesmo assim, ainda precisamos de muito mais saliva para esparramar-se muito bem por todos os lugares. Desta forma, o projetista humano, colocou milhares de pequenas glândulas salivares, independentes entre si, por baixo de toda a mucosa bucal. Quando se aperta delicadamente com os dentes ou os dedos, percebe-se umas bolinhas irregulares. Se puxar e secar o lábio, depois de poucos minutos no espelho, verás gotículas de saliva surgindo na superfície! Um fenômeno incrível! Por isto que se pode falar, deglutir, mastigar e amar, sem se grudar os tecidos moles nos dentes: a saliva lubrifica e digere quase tudo.

ACIDENTE!

Podem acontecer acidentes como morder inesperadamente a mucosa do lábio, da bochecha ou a língua! Nestas horas, pode romper um dos milhares de ductos das glândulas salivares menores que se tem no local. Este rompimento vai interromper a saída ou fluxo da saliva para a boca que era produzida por aquela glândula, mas ela vai continuar a produzir saliva! Vai acumulando-se a saliva debaixo da mucosa, deixando transparecer um liquido brilhoso e viscoso por baixo, formando-se uma "bolha", que de vez em quando rompe e vasa; depois enche-se novamente!

Às vezes, o corpo tenta reparar o rompimento do ducto, mas ele se fecha quase que inevitavelmente. Esta "bolha" na verdade representa um acúmulo localizado de saliva que forma um cisto, o nome que se dá para qualquer cavidade patológica no corpo com conteúdo no seu interior que não seja pus! Como aconteceu por extravasamento para os tecidos, este recebe o nome de cisto por extrasamento mucoso ou salivar, mas é mais conhecido pelos clínicos como "Mucocele Bucal", um nome que significa acúmulo localizado de muco. Em outros locais do corpo também tem lesões semelhantes que se chamam Mucocele provocadas por outras razões.

O QUE FAZER?

Procure um cirurgião dentista e mostre a lesão para que faça a remoção ou pedirá para um outro cirurgião dentista especializado em cirurgia, para fazê-lo. O cirurgião dentista é o médico da boca, reconhece e trata todas as lesões que aparecem nesta parte do corpo! O tratamento do Mucocele é cirúrgico, muito simples e o prognóstico é muito bom! Outras formas de tratar a lesão apenas adiam um procedimento que mais tarde, quase que inevitavelmente, será cirúrgico.

Pode se dizer: - Puxa, que interessante, mas doutor, pode ou não ser um câncer diz o paciente? Não, o Mucocele não tem nada a ver com câncer, representa apenas uma consequência de uma mordida na mucosa bucal que pegou, por azar, um dos milhares pequeninos ductos das glândulas mucosas salivares. - Ufa, ainda bem doutor! Vamos tratar.

Apareceu uma bolha na minha boca, na parte interna do lábio, o que faço, a quem devo procurar? Esta pergunta é muito comum pessoalmente, ao telefone, internet e aplicativos. E quase sempre, ao se examinar clinicamente, corresponde a um Mucocele, uma alteração benigna que ocorre principalmente entre os mais jovens, incluindo as crianças. A primeira preocupação vem embutida na inquietação: pode ser um câncer?

SECREÇÕES

Na pele os poros correspondem a minúsculas aberturas de ductos ou tubos das glândulas sudoríparas para a saída do suor.

Cada gota de suor é resultado de muitos milhares de glândulas em cada centímetro da pele, trabalhando e soltando minúsculas quantidades que se juntam e molham nossas roupas no verão ou durante os exercícios.

Juntos aos pelos, têm-se os ductos das glândulas sebáceas para lubrificar e proteger a pele, deixando-a macia, escorregadia e sedosa. Nas glândulas mamárias, o leite produzido pelas células é levado até os mamilos por numerosos ductos.

Cada gota de leite é trabalho de milhões de células que jogam e juntam cada gotícula nos ductos, e saem para nutrir o filho faminto daquela mulher. Tem-se ainda as glândulas lacrimais e tome muito trabalho para chorar. Nas suas pálpebras tem pequenos orifícios onde derrama-se o líquido das tristes emoções.

SALIVA

A saliva é produzida por glândulas, mas se precisa de muita saliva para lubrificar a boca, proteger a mucosa e ainda degradar os alimentos. Por isto temos três pares de grandes glândulas salivares que a derrama na boca: as parótidas, submandibulares e sublinguais.

Mesmo assim, ainda precisamos de muito mais saliva para esparramar-se muito bem por todos os lugares. Desta forma, o projetista humano, colocou milhares de pequenas glândulas salivares, independentes entre si, por baixo de toda a mucosa bucal. Quando se aperta delicadamente com os dentes ou os dedos, percebe-se umas bolinhas irregulares. Se puxar e secar o lábio, depois de poucos minutos no espelho, verás gotículas de saliva surgindo na superfície! Um fenômeno incrível! Por isto que se pode falar, deglutir, mastigar e amar, sem se grudar os tecidos moles nos dentes: a saliva lubrifica e digere quase tudo.

ACIDENTE!

Podem acontecer acidentes como morder inesperadamente a mucosa do lábio, da bochecha ou a língua! Nestas horas, pode romper um dos milhares de ductos das glândulas salivares menores que se tem no local. Este rompimento vai interromper a saída ou fluxo da saliva para a boca que era produzida por aquela glândula, mas ela vai continuar a produzir saliva! Vai acumulando-se a saliva debaixo da mucosa, deixando transparecer um liquido brilhoso e viscoso por baixo, formando-se uma "bolha", que de vez em quando rompe e vasa; depois enche-se novamente!

Às vezes, o corpo tenta reparar o rompimento do ducto, mas ele se fecha quase que inevitavelmente. Esta "bolha" na verdade representa um acúmulo localizado de saliva que forma um cisto, o nome que se dá para qualquer cavidade patológica no corpo com conteúdo no seu interior que não seja pus! Como aconteceu por extravasamento para os tecidos, este recebe o nome de cisto por extrasamento mucoso ou salivar, mas é mais conhecido pelos clínicos como "Mucocele Bucal", um nome que significa acúmulo localizado de muco. Em outros locais do corpo também tem lesões semelhantes que se chamam Mucocele provocadas por outras razões.

O QUE FAZER?

Procure um cirurgião dentista e mostre a lesão para que faça a remoção ou pedirá para um outro cirurgião dentista especializado em cirurgia, para fazê-lo. O cirurgião dentista é o médico da boca, reconhece e trata todas as lesões que aparecem nesta parte do corpo! O tratamento do Mucocele é cirúrgico, muito simples e o prognóstico é muito bom! Outras formas de tratar a lesão apenas adiam um procedimento que mais tarde, quase que inevitavelmente, será cirúrgico.

Pode se dizer: - Puxa, que interessante, mas doutor, pode ou não ser um câncer diz o paciente? Não, o Mucocele não tem nada a ver com câncer, representa apenas uma consequência de uma mordida na mucosa bucal que pegou, por azar, um dos milhares pequeninos ductos das glândulas mucosas salivares. - Ufa, ainda bem doutor! Vamos tratar.

Apareceu uma bolha na minha boca, na parte interna do lábio, o que faço, a quem devo procurar? Esta pergunta é muito comum pessoalmente, ao telefone, internet e aplicativos. E quase sempre, ao se examinar clinicamente, corresponde a um Mucocele, uma alteração benigna que ocorre principalmente entre os mais jovens, incluindo as crianças. A primeira preocupação vem embutida na inquietação: pode ser um câncer?

SECREÇÕES

Na pele os poros correspondem a minúsculas aberturas de ductos ou tubos das glândulas sudoríparas para a saída do suor.

Cada gota de suor é resultado de muitos milhares de glândulas em cada centímetro da pele, trabalhando e soltando minúsculas quantidades que se juntam e molham nossas roupas no verão ou durante os exercícios.

Juntos aos pelos, têm-se os ductos das glândulas sebáceas para lubrificar e proteger a pele, deixando-a macia, escorregadia e sedosa. Nas glândulas mamárias, o leite produzido pelas células é levado até os mamilos por numerosos ductos.

Cada gota de leite é trabalho de milhões de células que jogam e juntam cada gotícula nos ductos, e saem para nutrir o filho faminto daquela mulher. Tem-se ainda as glândulas lacrimais e tome muito trabalho para chorar. Nas suas pálpebras tem pequenos orifícios onde derrama-se o líquido das tristes emoções.

SALIVA

A saliva é produzida por glândulas, mas se precisa de muita saliva para lubrificar a boca, proteger a mucosa e ainda degradar os alimentos. Por isto temos três pares de grandes glândulas salivares que a derrama na boca: as parótidas, submandibulares e sublinguais.

Mesmo assim, ainda precisamos de muito mais saliva para esparramar-se muito bem por todos os lugares. Desta forma, o projetista humano, colocou milhares de pequenas glândulas salivares, independentes entre si, por baixo de toda a mucosa bucal. Quando se aperta delicadamente com os dentes ou os dedos, percebe-se umas bolinhas irregulares. Se puxar e secar o lábio, depois de poucos minutos no espelho, verás gotículas de saliva surgindo na superfície! Um fenômeno incrível! Por isto que se pode falar, deglutir, mastigar e amar, sem se grudar os tecidos moles nos dentes: a saliva lubrifica e digere quase tudo.

ACIDENTE!

Podem acontecer acidentes como morder inesperadamente a mucosa do lábio, da bochecha ou a língua! Nestas horas, pode romper um dos milhares de ductos das glândulas salivares menores que se tem no local. Este rompimento vai interromper a saída ou fluxo da saliva para a boca que era produzida por aquela glândula, mas ela vai continuar a produzir saliva! Vai acumulando-se a saliva debaixo da mucosa, deixando transparecer um liquido brilhoso e viscoso por baixo, formando-se uma "bolha", que de vez em quando rompe e vasa; depois enche-se novamente!

Às vezes, o corpo tenta reparar o rompimento do ducto, mas ele se fecha quase que inevitavelmente. Esta "bolha" na verdade representa um acúmulo localizado de saliva que forma um cisto, o nome que se dá para qualquer cavidade patológica no corpo com conteúdo no seu interior que não seja pus! Como aconteceu por extravasamento para os tecidos, este recebe o nome de cisto por extrasamento mucoso ou salivar, mas é mais conhecido pelos clínicos como "Mucocele Bucal", um nome que significa acúmulo localizado de muco. Em outros locais do corpo também tem lesões semelhantes que se chamam Mucocele provocadas por outras razões.

O QUE FAZER?

Procure um cirurgião dentista e mostre a lesão para que faça a remoção ou pedirá para um outro cirurgião dentista especializado em cirurgia, para fazê-lo. O cirurgião dentista é o médico da boca, reconhece e trata todas as lesões que aparecem nesta parte do corpo! O tratamento do Mucocele é cirúrgico, muito simples e o prognóstico é muito bom! Outras formas de tratar a lesão apenas adiam um procedimento que mais tarde, quase que inevitavelmente, será cirúrgico.

Pode se dizer: - Puxa, que interessante, mas doutor, pode ou não ser um câncer diz o paciente? Não, o Mucocele não tem nada a ver com câncer, representa apenas uma consequência de uma mordida na mucosa bucal que pegou, por azar, um dos milhares pequeninos ductos das glândulas mucosas salivares. - Ufa, ainda bem doutor! Vamos tratar.

Alberto Consolaro é professor titular da USP - Bauru. Escreve todos os sábados no JC.