Bauru e grande região

Ciências

Carta para um futuro professor - por Alberto Consolaro

18/05/2019 - 07h00

Se pensas em mudar o mundo, podes conseguir, mas não perceberás. Os de sua geração não irão se beneficiar, irão te criticar e poucos reconhecerão seus esforços. Se obter um resultado muito bom, a sensação de que está sozinho será muito grande, como no pico mais alto sem ninguém para conversar.

Por aqui a ciência também é exercida na universidade pelos professores. Em outros países, é desenvolvida em institutos de pesquisa e a universidade sem a "obrigação" de produzir trabalhos científicos, mas de formar pessoas.

Aqui, se usa critérios e postulados antiquados para um indivíduo ser bom "professor": 1. Qualidade não importa, o que vale é a quantidade. 2. Se a pesquisa não melhorou a humanidade, pouco importa. 3. Se acrescentou algo no conhecimento, também não importa. 4. Números são números, nada mais, mas é o que importa.

A CARREIRA

Você começou o mestrado e quer evoluir na carreira, escolha uma metodologia com um aparelho e repita-o em 50 células ou tecidos diferentes. Terás 50 trabalhos publicados: "presença da proteína tal sobre a célula da pele", depois no fígado, rim e sucessivamente. Para quê? Para nada, só para mostrar que tem esta proteína!

Escolha uma substância qualquer como um ácido ou sal e o quantifique em todos líquidos: água, refrigerante, leite, urina, água de coco, sangue e outros. Cada dosagem, um trabalho no exterior. Cada um destes trabalhos vem de uma dissertação de mestrado ou tese de doutorado, e se dirá: este professor "formou" 40 pessoas. Formar pessoas não significa abrir laboratórios para a pesquisa, mas formar pessoas implica em induzir a capacidade de análise crítica, formar o cidadão e o ser humano, preparar o indivíduo para a vida social e acadêmica dentro de padrões éticos.

Consiga um aparelho para mensurar a forma ou tamanho de objetos e materiais. Será um trabalho publicado para cada objeto ou material. Mas isto não é pesquisa? É, mas não é de ponta, está mais para controle de qualidade, estabelecimento de protocolo de conduta ou uniformização de procedimentos. Na pesquisa de ponta se deve inovar, esclarecer, desvendar, criar, apontar e até demonstrar, mas não repetitivamente para fazer currículo e passar em concursos. É assim que se faz e não é ilícito, apenas estranho, esquisito e improdutivo com o dinheiro público. Em mais de 95% dos trabalhos nada se modifica, acrescenta e quando repete algo, ainda se faz mal feito. A literatura científica é igual internet: leia quem quer e acredite em quem quiser.

REQUISITOS

Para ser professor universitário e evoluir na carreira precisa-se passar em concursos que leva em consideração estes critérios, então só lhe resta abrir mão da vida e pensamento próprio por anos e publicar coisas que não interessa a ninguém, em inglês e em muita quantidade. Você tem que ficar zanzando anos a fio pelo campus como zumbi: se tiver opinião e luz própria não vai interessar a ninguém! Nem se mostre muito competente e autossuficiente.

Se teu potencial lhe apontar como um grande professor, a ideia do sistema é cortar o mal pela raiz! Para ser aceito no sistema, não seja nem crítico e nem reflexivo; seja sonso, bicho morto, um cordato que pensa o que todo mundo pensa! Seja amorfo, inodoro e deixa claro: sou "apolítico". Caso não siga esta regrinha, ninguém vai te querer como parceiro! Se tuas aulas são boas, pouco importa! Se trata bem as pessoas, considera os demais, possui elegância e trata eticamente os subordinados: besteira! O que vale é publicar.

DIVINDADE

Deus nunca chegaria a ser professor universitário pelos critérios ultrapassados e ainda utilizados. Tem apenas uma publicação em hebraico, sem resumo em inglês e sem referência bibliográfica. Não tem nenhuma publicação em revistas indexadas, pairando dúvidas se o texto realmente seja dele, pois teve 11 colaboradores. Nunca mais publicou e os cientistas não conseguem reproduzir seus resultados originais. Aliás o seu trabalho não foi aprovado em comitê de ética ou pesquisa. Em suas aulas, cita sempre o mesmo livro e valoriza demais os talentos do filho, um explícito caso de nepotismo. Em seu currículo não consta nenhum estágio e mesmo participação em congressos.

CONCLUSÃO

Ahh! Toda regra tem exceção: vamos à luta!

Alberto Consolaro é professor titular da USP - Bauru. Escreve todos os sábados no JC.