Bauru e grande região

Ciências

Só acredite se ver o certificado! Por Alberto Consolaro

29/06/2019 - 07h00

Mentira e falsidade se têm nos currículos e apresentações para emprego, candidaturas eleitorais e para impressionar na internet. Para não ser enganado, desconfie de citações de cursos, estágios, "pós-doc", fellow, especializações, MBA e outras atividades em universidades como Harvard, MIT, Cambridge, Boston, New York, Los Angeles, Sorbonne, Londres, Paris, Montreal, Toronto, pois são famosas e respeitadíssimas e levam o nome de suas cidades.

Se achar citações destas universidades em um currículo, peça imediatamente o comprovante chancelado pela universidade, solicite mais informações, cheque, pois a chance de ser informação falsa ou parcial é muito grande. Se tens no seu currículo um titulo, mestrado, doutorado ou outra atividade em uma dessas universidades, quando for citar, mencione o ano, o tempo que ficou, detalhe suas atividades por lá, para prevenir-se de chacotas ou falarem que é "fake" aquela informação.

Parece absurdo, mas está ficando brega dizer que se fez curso, estágio ou se é doutor por Harward, por exemplo, pois são tantas as pessoas como candidatos, ministras, ministros, senadores e deputados e outras que os colocam em seus currículos sem ser verdade que não se pode acreditar de primeira.

Participo de muitas bancas examinadoras, tenho a oportunidade de examinar muitas aulas, provas e currículos. Nos concursos mais sérios, os candidatos a professores e títulos tem que apresentar os respectivos certificados e deixar os comprovantes originais do que descreveram nos currículos. São até dezenas de candidatos e as bancas examinadoras muitas vezes não fazem a checagem um a um dos documentos.

INCRÍVEL

Nos currículos é muito comum certificados não verdadeiros e nem originais; não são reconhecidos e nem registrados pelas instituições que os emitiram! A maioria nem é possível ser checada a origem, pois não tem registros em nenhum lugar. Muitos destes cursos nunca existiram! Certificados são apresentados sem assinatura do emitente, outros sem o nome da pessoa, vazio no lugar do portador, quase um cheque em branco. Muitos certificados são de cursos e atividades de um mesmo congresso e realizados no mesmo dia e no mesmo horário: mas, como alguém estaria em mais de um lugar ao mesmo tempo!

Nos currículos é normal referir se como pós-graduado por tal instituição. Não é raro, como certificado constar um curso ou atividade de algumas horas ou semanas, sem ser um curso de pós-graduação e não condiz com especialização, mestrado ou doutorado, logo não é pós-graduação, mas consta como tal! Isto aconteceu recentemente com políticos e "celebridades"! Uma delas disse que colocou mestre, mas pega na mentira, disse que ela era mestre no dia a dia da vida!

Também é muito comum se referir a atividades "pós-doc" ou pós-doutorado. Este título na carreira não existe e refere-se a um período e ou atividades exercidas em uma universidade depois do doutorado. Podem ser atividades de pesquisa, ou para escrever um livro e até, para viver uma experiência acadêmica diferente e que contribua para a formação do indivíduo. Mas não é titulo e nem dá cargo para ninguém na carreira universitária. Pode indicar uma experiência a mais, mas não um referencial acadêmico como são, por exemplo, os títulos de mestre, doutor e livre-docência.

Muitos casos referidos como "pós-doc" na hora de ver o certificado oficial, quando há, são atividades exercidas não inseridas em um programa oficial da universidade para este exercício acadêmico, ou seja, a pessoa acha ou fala que fez um "pós-doc", mas não tem comprovante! O mesmo acontece com o MBA, muitos dizem que tem, mas não tem o certificado registrado e reconhecido pelos órgãos pertinentes.

SUGESTÃO

Eu sugiro um ponto de partida: - não se acreditar em nada nas atividades descritas em currículos. Na internet, nas universidades, nas empresas e outras instituições solicite e cheque se os comprovantes e certificados são oficiais e originais: você vai se surpreender! Há uma epidemia, uma pandemia, de "fake"-sabedoria ou falsa-competência nos currículos, tanto no mundo virtual, como na vida real.

Só acredite se ver o certificado e ORIGINAL!

Alberto Consolaro é professor titular da USP - Bauru. Escreve todos os sábados no JC.