Bauru e grande região

Cultura

E com as palavras, os leitores

Crianças e jovens que estiveram no início da Feira do Livro Infantil revelam primeiras e positivas impressões e reconhecem gosto por literatura

por Wagner Teodoro

24/04/2014 - 05h00

Ricardo Ursulino/Divulgação

leitor desde criança - Primeiro dia da Feira do Livro Infantil, ontem, em Bauru, trouxe uma infinidade de opções

Olhares curiosos e interessados. Movimentação intensa entre os estandes dos 11 expositores e empolgação com descobertas nos títulos expostos. Estas foram algumas das reações dos pequenos visitantes no primeiro dia da 14ª edição da Feira do Livro Infantil, ontem, no Centro Cultural “Carlos Fernandes de Paiva.

Se o objetivo do evento é mostrar que literatura é divertida, quebrar a cerimônia em relação ao livro e, assim, formar novos leitores, parece que o caminho para alcançá-lo está bem traçado.

Os jovens visitantes mostraram que a feira é uma atração bem-vinda e revelaram preferências e conhecimento literários.

“Gosto de livros de ação e suspense”, comenta Marcela Victória Campos, de 11 anos. A garota relata que sua mais recente leitura foi “O Fantasma de Canterville”, do irlandês Oscar Wilde. “Este livro me chamou a atenção e gostei bastante”, elogia.

Ela aprova a experiência de tomar contato com os vários livros expostos na feira. “São muitos livros e gostei de ver”, afirma.

Letícia Souza é outra entusiasta de livros que estava passeando na feira. A menina afirma que é uma leitora voraz. “Eu tenho até uma carteirinha da Biblioteca Municipal”, conta. Souza afirma atualmente seu livro preferido é a série “Querido Diário Otário”, do norte-americano Jim Benton. “É muito engraçado e bem legal”, destaca. A leitora aprovou a feira e a variedade de títulos expostos. “Eu achei bem criativo, divertido e tem muitos livros”, constata. E já tinha escolhido um livro para pedir aos pais. “Eu gostei de um: ‘Querido Diário Otário’”, diz.


‘Voraz’

Os livros de ficção e romance eram o interesse de Milena Maio, de 15 anos, na feira. “Susan Collins, autora de Jogos Vorazes, é a minha preferida. É sensacional”, analisa. Quando conversou com o Jornal da Cidade, a adolescente ainda não tinha vasculhado os 11 estandes dos expositores para encontrar as obras desejadas, mas estava prestes a conhecer o evento. A expectativa era muito positiva. “Acho muito legal, chama muito a atenção das crianças que veem um livro e decidem ler. Ou descobrem algo legal e pedem para os pais”, explica. 

Marina Norberto Fassoni, de 13 anos, declara que está começando a se aventurar por conta própria no universo literário. “Sempre li bastante pela escola, mas neste ano comecei a ler livros que eu descobri”, aponta. Entre as primeiras descobertas está um autor clássico da literatura infanto-juvenil: Pedro Bandeira.

“Gosto muito da ‘Turma dos Karas’ e de livros de aventuras com mistérios e suspense”, cita. A feira vem como ferramenta para conhecer novos autores e histórias. “Acho a feira bacana. A gente encontra bastante temas e acaba descobrindo novos gostos”, conclui Fassoni.

 

  • Serviço

14ª Feira do Livro Infantil de 23 a 30 de abril, no Centro Cultural “Carlos Fernandes de Paiva” (Teatro Municipal - avenida Nações Unidas, 8-9, Centro). Apoio: Jornal da Cidade. Horário: 8h às 12h e das 13h às 20h. Entrada gratuita. Agendamentos de grupos e escolas devem ser feito na Biblioteca Central Rodrigues de Abreu pelo telefone (14) 3235-1312.


JC: texto e desenhos

O Jornal da Cidade promoveu, ontem, na Feira do Livro Infantil oficina com alunos do ensino fundamental com atividades nos dois períodos, uma de desenho e outra de texto, relacionada ao JC Criança. Sérgio Purini, coordenador do projeto JC na Escola e responsável pela atividade, afirma que se surpreendeu com o nível dos alunos na produção de desenhos e textos. “Foi sensacional. A gente pode observar quanto talento têm estas crianças. Na parte da manhã foi desenho e, à tarde, texto. E é incrível como mudam valores. No desenhos, a gente observou que em algumas crianças o talento é inato. Elas pegam já desenham”, constata.

Na oficina de textos, Purini afirma que as crianças mostraram personalidade. “Tivemos temas livres. Um deles foi a Copa do Mundo”. O Neymar parece que realmente é o mais querido da garotada ou pelo menos o mais conhecido”, diz.

Além das atividades, na oficina, Purini expôs a história do JC Criança e como o suplemento é feito.Hoje e amanhã alunos do Colégio Batista fazem a “cobertura jornalística” da feira, acompanhados por três professores, para a produção de uma edição do JC na Escola sobre o evento.


Uma vez...

Não só livros expostos são atração na Feira do Livro Infantil. Ontem teve teatro, oficinas, contação de histórias, palestra e apresentação da Orquestra Sinfônica Municipal.

A Companhia Pererê, da editora de mesmo nome, foi uma das atrações com atividade de contação de história baseada no livro “Souto - o Passarinho que Vivia Preso”. Com um teatro de sombras, Kátia Baroni, autora do livro, e Lucas Melo, que vieram de Itapetininga, contataram a história adaptada do texto original.

“É uma coisa diferente e as crianças gostaram bastante”, comenta Baroni.