Bauru e grande região

Cultura

Lembranças de B.B. King: mundo da música perde Rei do Blues

Músico norte-americano já fez show em Bauru, dezembro de 1998

por João Pedro Feza

15/05/2015 - 07h50

João Rosan/Arquivo

B.B. King morreu aos 89 anos, no final da noite de quinta-feira (14), em sua casa, em Las Vegas (EUA), dormindo. Lenda do blues foi vítima das consequências de diabetes, que enfrentou por 30 anos

B.B. King morreu. Morreu? Para muitos, o homem – que já era lenda viva – seguirá ainda mais influente na memória.


É o caso do publicitário e músico Caio Vannini, 52 anos.  “Humilde, muito humilde. Um cara tão consagrado e tão simples. Inacreditável!”, exclama.


Ele foi produtor do histórico show de B.B. King em Bauru, no dia 12 de dezembro de 1998, na Cervejaria dos Monges. E também fez as vezes de intérprete.


“Da hora que chegou até ir embora, foi de uma educação exemplar”, conta.


O cultuado ganhador de 16 prêmios Grammy não posou de superstar, segundo Vannini. “Pediu para comer peixe. O falecido Juca, da cantina, providenciou o jantar. Também pediu um espelho bem perto do camarim para se ver antes de entrar no palco. Nenhum pedido absurdo”. Um, contudo, marcou o bauruense: B.B. King, que veio a Bauru de São Paulo em ônibus com sua banda, queria garantir logo uma luminária para ter certeza de que conseguira ler trechos de um livro antes de dormir. “Ele passou a noite em hotel em Bauru depois do show. Peguei a luminária que tinha em casa e levei para ele. Guardo a luminária comigo até hoje”.

Reprodução Facebook

De jovem fã para ídolo Frederico Vannini, que aos 14 anos fez foto com B.B. King, postou homenagem nas redes sociais. “Obrigado por criar o blues como conhecemos hoje. Vamos sempre te amar e lembrar!”

Não parou por aí: em 21 de março de 2011, o filho de Caio, Frederico, então com 14 anos, fez foto com B.B. King em São Paulo. A família tem, ainda, uma guitarra autografada pelo músico norte-americano, também em 2011. Caio (bateria) e os filhos Frederico (guitarra) e Adriano (baixo) formam a banda Soul Station. Que, claro, tem B.B. King no repertório. Agora, com doses adicionais de saudade e devoção.


B.B. King na Cervejaria em parceria com Grupo Cidade


B.B. King veio a Bauru em um período de grandes shows e outros eventos que a Cervejaria dos Monges realizava, muitos em parceria com o Grupo Cidade (JC e 96FM). Um deles foi justamente o antológico show do Rei do Blues, trazido à cidade por iniciativa de Renato Zaiden (diretor do JC e 96FM), Arthur Sampaio e Marco Anthero (diretores da Cervejaria).

Divulgação

Luminária - Bauruense Caio Vannini emprestou a sua (essa mesmo da foto) para B.B. King ler livro em hotel

O show foi viabilizado com intermediação de uma das maiores casas de blues e jazz do Brasil, a Bourbon Street, em São Paulo, de propriedade, na época, do mariliense Luiz Fernando Mascaro, que tinha amigos em Bauru, entre eles o engenheiro e ex-vereador Veríssimo Barbeiro. Zaiden, Sampaio e Anthero assistiram, como convidados especiais, ao show de B.B. King no Bourbon e, em seguida, formalizaram o contrato com os empresários do músico. Outro dos grandes shows realizados pela parceria foi com o saxofonista Gary Brown.  

‘Autografou violão em posto’


Por Marco Zambon


“B.B. King foi o segundo nome que conheci dos Papas dos Blues depois de Muddy Waters. Ele desenvolveu este fraseado com sotaque jazzístico, fruto da inspiração em Lonnie Johnson, um dos primórdios dos blues e virtuoso nas single lines. B.B. King teve um vasto conhecimento musical, devido a ter já trabalhado em rádio como disk jockey...Um fato curioso da sua vinda aqui a Bauru foi a parada no posto

Tirou de letra – “Quando B.B. King esteve em Bauru, em 1998, eu e Ana Clara [neta] fomos ao hotel para esperá-lo e conhecemos  pessoalmente. Esse é o livro autografado por ele” - Rita Villas Boas, no Facebook

Castelão: reconhecido, teve que autografar o violão de um dos funcionários (que estava a tira colo).

No show, após seu microfone falhar, nosso amigo Claudinho, que era o técnico de som, entrou no palco e ali, quase pisando no B.B. King, trocou o mic. Quando então B.B. testou, aplaudiu e pediu a todos para aplaudirem Claudinho: atitude típica de um gentleman, de um rei.” (O autor é guitarrista em Bauru)

B.B. King deixa vago um trono


Músico começou a virar lenda quando salvou sua guitarra de incêndio; instrumento ganhou um nome eterno: Lucille


Por Julio Maria

Uma noite de inverno definiu quem era B.B.King. Foi no Arkansas, em 1949, quando tocava músicas de Pee Wee Crayton em baile. Era então um garoto de 24 anos com sua guitarra Gibson L-30, que havia acabado de comprar e turbinar com captador a mais.


Estava feliz e realizado mesmo na noite fria, aquecida pelo querosene que queimava dentro de um latão de lixo no canto do salão. As vozes então ficaram mais altas do que os solos e dois rapazes se agarraram aos socos. Saíram rolando pelo salão, derrubaram o latão e só pararam quando as chamas se alastraram pela casa.


King correu pelas chamas para buscar sua guitarra. Contaria depois “As vigas da casa já caíam. Abaixo a cabeça, abraço a guitarra e parto como um raio para fora. Minhas pernas estão chamuscadas, mas minha guitarra está bem”.


A história se tornou um clássico e Lucille, o nome da mulher pela qual os dois rapazes se engalfinharam naquele bar, ficou para sempre.

‘Vai o homem, fica a arte’


Por Vinicius Almeida


“O B.B. King é (foi) importante para quem quer que um dia tenha colocado as mãos numa guitarra. Sua importância, sua música, sua arte, transcendem o estilo musical. Para o blues, seu valor é inestimável. É grande responsável, com Eric Clapton e Stevie Ray Vaughan, pela popularização (se assim pudermos dizer) do estilo. Trazendo as notas daqueles catadores de algodão que cantavam suas mágoas e vida sofrida para a TV, grandes palcos, rádio, etc. Deixa seu amor incondicional pela música que, inclusive, o fazia ir contra recomendações médicas e da família e não abandonar palcos e a amada Lucille (guitarra cujo modelo transformou em sonho de consumo de muitos guitarristas, inclusive este aqui).”

B.B King e U2 - "When Love Comes to Town"