Bauru e grande região

Cultura

Dono do Inhotim é absolvido de acusação de lavagem de dinheiro

'Tanto fazia viver ou morrer', diz Bernardo Paz, inocentado de acusação do MP

por FolhaPress

14/02/2020 - 06h00

Inhotim é um museu a céu aberto projetado em Brumadinho

Brasília - O empresário Bernardo Paz, fundador do Instituto Inhotim, foi absolvido da acusação de lavagem de  dinheiro pela Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, o TRF-1, de Brasília. A decisão, unânime, foi proferida na última terça-feira (11). Cabe recurso.

Paz tinha sido condenado a nove anos e três meses em reclusão pelo TRF-1 de Minas Gerais, em 2017. De acordo com a denúncia, apresentada pelo Ministério Público Federal em 2013, ele teria usado uma empresa criada para administrar doações ao Inhotim, a Horizontes, para encobrir repasses de ao menos US$ 95 milhões (cerca de R$ 207 milhões à época) a outros negócios em seu nome.

Nos anos analisados no processo, 2007 e 2008, Paz era dono da Itaminas, conglomerado formado por 29 empresas, a maioria da área de mineração e siderurgia.

O grupo foi vendido por US$ 1,2 bilhão para uma estatal chinesa a fim de liquidar as dívidas dos sócios, então estimada em cerca de US$ 400 milhões.

Ao recorrer, o advogado de Paz, Sânzio Baioneta Nogueira, alegou que não houve prática criminosa, e que as provas apresentadas pelo MPF eram insuficientes.

"Foi como se tivesse caído uma bomba atômica na minha cabeça", diz Paz, aos 69 anos, sobre o momento em que recebeu a notícia da condenação. "De lá para cá, deitei numa cama e não saí mais", afirma. "Não fui no médico nos últimos dois anos porque, para mim, tanto fazia viver ou morrer. Nunca imaginei que meu nome fosse rolar num nível tão baixo."

O Instituto Inhotim, museu a céu aberto que ele abriu ao público em Brumadinho (MG) em 2006, também passou por maus bocados desde então. 

Em janeiro passado, o rompimento de uma barragem de dejetos da mineradora Vale, no Córrego do Feijão, não atingiu o parque. Mas fez cair pela metade o número de visitantes.

Ler matéria completa