Bauru e grande região

 
Cultura

Mulheres protestam em museu de Paris que barrou visitante por causa de decote

por FolhaPress

15/09/2020 - 17h48

Arquivo

Museu D'Orsay, em Paris

Após a publicação de um tuíte que acusava funcionários do Museu D'Orsay, em Paris, na França, de terem barrado a entrada de uma mulher sob a justificativa de seu decote, o espaço cultural vem enfrentando uma onda de críticas, que são tanto virtuais quanto presenciais, incluindo um ato organizado pelo movimento feminista Femen, neste domingo (13).

A mulher, identificada no Twitter pelo nome de Jeanne, publicou uma carta narrando sua versão do acontecimento e teceu críticas à instituição. Segundo ela, uma funcionária do Museu ordenou que colocasse um casaco e somente após vesti-lo teve a entrada permitida.

Jeanne, no entanto, teria dito à funcionária que não queria vestir o casaco. "Não quero vestir o casaco porque me sinto derrotada, obrigada, tenho vergonha, me dá a impressão que estão todos olhando para o meu peito", afirma ter dito.

"Lá dentro, imagens de mulheres nuas, esculturas de mulheres nuas", diz ela na carta. "Me pergunto se teriam me deixado entrar sem problemas com algumas das roupas que aquelas mulheres estão usando."

O tuíte, publicado em 9 de setembro, já tem mais de 40 mil curtidas e mais de 24 mil compartilhamentos.

Em resposta, o Museu também publicou um tuíte e se desculpou pelo acontecimento. "Soubemos de um incidente ocorrido com uma visitante quando ela entrou no Museu D'Orsay. Lamentamos profundamente e pedimos desculpas à pessoa afetada, com quem já entramos em contato", diz a publicação.

Mas mesmo após o pedido de desculpas, o assunto continua gerando polêmica. Neste domingo (13), algumas ativistas do movimento feminista Femen se reuniram no D'Orsay para protestar contra o ocorrido contra Jeanne e discursaram seminuas com os seios à mostra e máscaras faciais.

"Lembramos que nossos corpos não são obscenos, que somos livres e que a obscenidade está nos olhos daqueles que nos oprimem", afirma uma publicação do grupo no Facebook.

Ler matéria completa