Bauru e grande região

Cultura

'Boneco Gira Boneco' será em versão online

10ª edição do Festival Internacional de Teatro de Bonecos completa 10 anos e inscrições seguem abertas para companhias até dia 10 de fevereiro

por Samantha Ciuffa

22/01/2021 - 05h00

Divulgação

Imagem e sonoridade: bonecos trazem magia ao teatro

A arte milenar do Teatro de Bonecos será celebrada, pela décima vez, em Bauru, através do Festival Internacional "Boneco Gira Boneco". Buscando integrar o máximo de linguagens dentro desse vasto universo, nesta primeira edição online, as companhias poderão enviar vídeos curtos, de até 10 minutos, no momento da inscrição. Os selecionados serão exibidos no mês de março através do Youtube da Cia. Mariza Basso Formas Animadas, responsável pelo projeto.

Além disso, os formulários também devem ser preenchidos e os participantes precisam submeter todo o material até dia 10 de fevereiro. Eles podem ser encontrados através do site oficial do evento http://www.marizabasso.com.br.

No caso dos projetos inéditos aprovados, o cachê será de R$ 2 mil e, se for uma cena já existente, o valor recebido será de R$ 1,2 mil. Ao todo, 20 companhias serão selecionadas, através de uma curadoria, e o resultado será divulgado no dia 18 de fevereiro no site oficial. Todas as apresentações serão gratuitas e abertas ao público e o  "Boneco Gira Boneco" será realizado através do Proac Expresso Lei Aldir Blanc.

De acordo com a idealizadora do festival, Mariza Basso, 51 anos, ainda serão disponibilizadas três oficinas e cinco debates com profissionais da área. "Já levamos as apresentações para bares, parques, comunidades, praças e ruas e, agora, vamos literalmente para dentro das casas das pessoas", declara a artista.

Linguagens diversas

Segundo Mariza Basso, o teatro de bonecos ainda é erroneamente remetido somente ao universo infantil. "Temos uma infinidade de linguagens muito contemporâneas, como o teatro de sombras, de objetos e de robótica. Já trouxemos todas essas linguagens no decorrer desses anos", garante a produtora. Dentre as diferentes apresentações, o festival já recebeu companhias da Argentina, México, Uruguai, Espanha, República Tcheca, França e Peru, além de grandes grupos nacionais.

Virtual

Apesar de não ser realizado de forma presencial, Mariza Basso analisa de forma positiva o novo formato. "Fica mais fácil englobar companhias de diversos lugares, pois não teremos os custos de passagem, hospedagem e alimentação", declara. Dessa forma, a diversidade dos grupos pode ser maior.

A dificuldade, porém, vem na retenção do público, que mostra um comportamento online diferente. "Percebemos que tem pessoas que entram e saem depois de um tempo, outras entram no meio e outras chegam no final das apresentações", exemplifica Basso. Por este motivo, todas as cenas serão curtas e ficarão disponíveis por 30 dias.

Ler matéria completa