Bauru e grande região

Economia & Negócios

Bauru: inclusão de devedores no cadastro do SPC cresce 48%

Número de inscritos no SPC do comércio da cidade aumentou de 14.543 consumidores em 2017 para 21.529 em 2018

por Tisa Moraes

06/02/2019 - 07h00

Agência Brasil
Saldo acumulado de devedores no comércio continua elevado

O número de devedores que tiveram o nome inscrito no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) do comércio de Bauru cresceu 48% em 2018. Somente no ano passado, 21.529 consumidores inadimplentes foram incluídos no cadastro de negativados, ante a 14.543 que ficaram com o nome "sujo" em 2017. Os dados são Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), responsável pelo serviço.

Segundo o presidente da entidade, Odair Secco Cristovam, os números foram impulsionados pela extinção da exigência de envio de correspondência com aviso de recebimento (AR) aos devedores antes de encaminhar os nomes à lista de restrição de crédito. A lei vigorava desde 2015 e, devido aos custos de postagem, desde então boa parte dos lojistas deixou de negativar os consumidores inadimplentes.

Em abril de 2018, contudo, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que a notificação com aviso de recebimento era desnecessária. "Com isso, automaticamente, os lojistas voltaram a fazer as negativações dos devedores. Como havia um volume represado dos anos anteriores, a alta na comparação com 2017 foi significativa", explica.

De qualquer maneira, conforme lembra Cristovam, o saldo acumulado de devedores no comércio de Bauru continua elevado. Até o final do ano passado, 35.651 consumidores - o equivalente a quase 10% da população da cidade - permaneciam com o nome inscrito no SPC, totalizando uma dívida de R$ 49,8 milhões.

"É algo que nos preocupa e, por isso, a CDL faz um importante trabalho para a negociação das dívidas, com possibilidade de descontos ou parcelamentos, para que as pessoas possam voltar a ter crédito na praça", detalha.

PERSPECTIVAS

No Brasil, cerca de 62,6 milhões de brasileiros terminaram 2018 com alguma conta atrasada e com o CPF negativado, segundo dados do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Em 2017, o número havia sido de 60,2 milhões de brasileiros.

Para 2019, o economista Fernando Pinho vê melhores perspectivas, diante da previsão de recuperação econômica brasileira, ainda que lenta. "Mesmo a economia ainda estando em uma condição muito distante do que gostaríamos, a tendência é de diminuição do endividamento", aponta, destacando como um dos fatores fundamentais para a diminuição da inadimplência a retomada dos empregos perdidos durante a crise.

"Se houver uma melhora no saldo de vagas, as pessoas voltam a ter renda e passam a ter condições de pagar suas dívidas. Neste sentido, o terremoto na economia dos últimos anos acaba sendo didático, porque muitas dessas pessoas acabam aprendendo a fazer contas e controlar as finanças para não ficar inadimplente de novo", avalia.

SERVIÇO

Para negociar dívidas com o comércio, o consumidor inadimplente deve ir pessoalmente até a CDL, portando documentos. O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h as 12h. A instituição fica na rua Bandeirantes, 4-7, Centro. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (14) 2106-7070.