Bauru e grande região

Economia & Negócios

Oposição apresenta reforma tributária

Oposicionistas propõem criação de um IGH (imposto sobre grandes heranças) e fusão do PIS/PASEP e Cofins em cobrança única

por FolhaPress

09/10/2019 - 06h00

Lula Marques/Fotos Públicas

Maia durante lançamento da proposta: "Justa e solidária"

Brasília  - Com a presença do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a oposição ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) apresentou nesta terça-feira (8) uma proposta própria de reforma tributária.

PT, PCdoB, PDT, PSB, PSOL e Rede defendem um projeto diferente do que já tramita na Câmara e que tem apoio de Maia e de líderes do centrão -partidos independentes ao governo e que, juntos, representam a maioria dos deputados.

O ministro Paulo Guedes (Economia) ainda finaliza os cálculos para enviar ao Congresso a proposta de reforma do governo.

A versão sugerida pela oposição prevê a criação de um IVA (imposto sobre o valor agregado) que reúne o ICMS (estadual) e ISS (municipal). Os estados seriam responsáveis pela arrecadação e dividiriam a receita com os municípios.

FUSÃO

Com a fusão do PIS/Pasep e Cofins, seria instituída a contribuição social sobre o valor agregado, cuja competência seria da União. Os recursos seriam utilizados para a seguridade social.

A proposta cria ainda a Cide-Saúde, que incidiria sobre importação ou venda de produtos de tabaco e bebidas alcoólicas; além da Cide-Ambiental, sobre importação ou comercialização de petróleo e derivados, atividade mineradoras e outros setores que geram poluição.

Oposicionistas defendem a criação de um IGH (imposto sobre grandes heranças), que seria cobrado para valores acima de R$ 15 milhões. A proposta prevê também que metade dos recursos de um IGF (imposto sobre grandes fortunas) seria destinada à educação.

Mudanças no ITR (imposto sobre propriedade territorial rural) também foram sugeridas. "Sabemos o peso que isso tem na correlação de forças no Congresso Nacional", disse a líder da minoria na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), sobre as dificuldades da proposta. A bancada ruralista é a mais poderosa do Legislativo.

O projeto da oposição amplia a incidência do IPVA (imposto sobre veículos automotores) a veículos aquáticos e aéreos.

A cobrança de imposto de renda na distribuição de lucros e dividendos a pessoas físicas também foi sugerida.

Ler matéria completa