Bauru e grande região

 
Economia & Negócios

Bolsonaro quer pagar mais três parcelas do auxílio emergencial

Terceira parcela do auxílio emergencial começa a ser paga neste sábado, diz Guedes, e governo planeja mais

por FolhaPress

26/06/2020 - 05h00

Infográfico 25.06.2020 - Reta final/Não perca o prazo. (Arte Agora/Folhapress)

Brasília - O ministro Paulo Guedes (Economia) anunciou nesta quinta-feira (25) que a terceira parcela do auxílio emergencial começará a ser paga neste sábado (27).

O anúncio foi feito em conjunto com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), durante transmissão ao vivo em uma rede social. Bolsonaro também informou que o governo pretende pagar mais três parcelas do auxílio emergencial, nos valores de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, respectivamente.

Mas ele ainda não deu detalhes sobre como será esse pagamento, embora garanta que serão os últimos.

O ministro vem pressionando para que o benefício seja aumentado para apenas duas parcelas (de R$ 300,00 cada uma). O ministro argumenta que não há fluxo de caixa suficiente para fazer frente ao auxílio.

PRAZO PARA O AUXÍLIO

Os trabalhadores informais que foram afetados pela pandemia de coronavírus e estão sem renda têm até o dia 2 de julho para fazer o pedido do auxílio emergencial na Caixa Econômica Federal. A grana é paga pelo governo para auxiliar as famílias que perderam renda com a crise provocada pela Covid-19.

A solicitação pode ser feita também por MEIs (microempreendedores individuais) e contribuintes individuais do INSS. Beneficiários do Bolsa Família e inscritos no CadÚnico também pode receber. O pedido é feito no site auxilio.caixa.gov.br ou pelo aplicativo Caixa | Auxílio Emergencial.

Para ter o benefício, é preciso que a renda familiar seja de até R$ 3.135 ou de até R$ 522,50 por pessoa da família, entre outras regras. O valor pago é de R$ 600, mas pode chegar a R$ 1.200 para mães chefes de família. São liberadas até 3 parcelas.

Segundo o advogado Roberto de Carvalho Santos, embora exista a discussão sobre a possibilidade de prorrogar o auxílio emergencial, o cidadão deve respeitar o prazo legal e fazer a solicitação até 2 de julho.

SEM ALTERAÇÃO

"Esse é o prazo legal, então eu aconselho pedir antes do dia 2 de julho. Porque até que haja a aprovação de uma medida provisória, o que eu acho pouco provável, ou de uma lei pelo Congresso com a ampliação do prazo, esse é o que vale."

Para Santos, alterar a data não é algo tão simples. "É toda uma situação muito complicada. Discute-se se o projeto [de ampliação do número de parcelas] tem que partir do Executivo ou pode ser do Congresso, pois o debate envolve uma complexidade muito grande, já que é preciso aprovação orçamentária e crédito suplementar", explica ele.

Ler matéria completa