Bauru e grande região

 
Economia & Negócios

Indústria volta a contratar, diz IBGE

O cenário melhorou a confiança do empresário e já se traduz em recontratação no setor de pessoal demitido no pico da crise

por FolhaPress

13/09/2020 - 05h00

Agência Brasil

Cenário ainda permanece complicado, mas expectativa é que números continuem positivos

Rio - Os dados setoriais divulgados pelo IBGE indicam que o Brasil iniciou o terceiro trimestre em ritmo de retomada da economia, que despencou 9,7% no segundo trimestre. O cenário melhorou a confiança da indústria e já se traduz em recontratação no setor de pessoal demitido no pico da crise.

Em julho, assim como no mês anterior, houve avanço nos três grandes setores pesquisados pelo IBGE: indústria, comércio e serviços. Mas, enquanto o segundo já retomou o nível de vendas pré-pandemia, o terceiro ainda vem em ritmo lento, mais impactado pelos efeitos do distanciamento em serviços prestados às famílias.

O cenário permanece complicado, porém, no mercado global de trabalho, que ainda não deu sinais de recuperação e é bastante dependente da evolução do setor de serviços.

Após as divulgações do IBGE, a FGV calcula que o cenário aponta para um crescimento de 2,8% da economia em julho, na comparação com o mês anterior. É o terceiro mês seguido de alta no indicador, que subiu 3,9% em junho e 0,9% em maio. Ainda insuficiente, porém, para recuperar as perdas do pico da pandemia.

A expectativa do mercado é que os números continuem positivos, embora em ritmo menos intenso, já que o elevado desemprego e a redução do valor do auxílio emergencial devem enfraquecer o poder de compra do consumidor.

"Mas as disparidades setoriais devem permanecer, com destaque para os móveis e eletrodomésticos e material de construção", ponderam analistas da LCA, citando os dois segmentos que ajudaram a impulsionar comércio e indústria nos últimos meses, ao lado dos alimentos e produtos de higiene e limpeza.

Representantes da indústria dizem que a retomada das encomendas após a reabertura da economia vem mudando os ânimos do empresariado, ainda que o setor opere com grande capacidade ociosa mesmo em segmentos que já apresentam recuperação.

"Estamos tendo recuperação grande, não só nos números de produção como também no índice de confiança do empresário", disse o presidente da Abinee (Associação Brasileira da Indústria de Eletroeletrônicos), Humberto Barbato.

Mesmo que a utilização da capacidade instalada esteja em torno de 70%, a indústria eletroeletrônica já repôs metade dos 9.000 demitidos no período mais duro da crise.

Setores mais afetados pela pandemia, as indústrias têxtil e de calçados também já começaram a repor mão de obra. A primeira, por exemplo, chegou a fechar 70 mil postos de trabalho no auge da crise, mas teve saldo positivo de 2.200 vagas abertas em agosto.

Ler matéria completa