Bauru e grande região

 
Economia & Negócios

Preço da luz sofre pressão da seca

Os custos da energia são repassados à conta de luz de todos os brasileiros

por FolhaPress

17/11/2020 - 05h00

Aceituno Jr.

As tarifas voltam a ser pressionadas pela seca e pelo apagão do Amapá

Rio de Janeiro - Menos de quatro meses apos a assinatura de empréstimo para reduzir aumentos na conta de luz, as tarifas voltam a ser pressionadas pela seca e pelo apagão do Amapá, que demandam a contratação de térmicas tanto para poupar água nos reservatórios das hidrelétricas quanto para garantir o abastecimento aos amapaenses.

Nesta segunda, em reunião extraordinária, o CMSE (Conselho de Monitoramento do Setor Elétrico) decidiu manter a operação de térmicas a gás natural no país e ampliou a autorização para que a Eletronorte contrate usinas emergenciais a óleo para o Amapá.

No primeiro caso, os custos são repassados à conta de luz de todos os brasileiros por meio das bandeiras tarifárias cobradas na conta de luz. No segundo, a conta vem via encargos setoriais pagos pelos consumidores de eletricidade. O tamanho da conta vai depender de quanto tempo as medidas serão necessárias.

Em comunicado, o MME (Ministério de Minas e Energia) diz que, apesar do aumento das chuvas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, o volume verificado nas principais bacias se mantém abaixo dos níveis históricos. Com isso, decidiu manter medidas excepcionais para preservar os reservatórios das hidrelétricas. Nesta segunda, 22,5% da energia gerada no sistema elétrico nacional vinha de usinas térmicas.

O acionamento de térmicas mais caras é comum nesta época do ano, quando as hidrelétricas estão com níveis mais baixos após o inverno, quando as chuvas são mais escassas.

Ler matéria completa