Bauru

Economia & Negócios

Programa já liberou crédito de R$ 83 milhões a empresas de Bauru e região

Em pouco mais de duas semanas, 1.060 contrataram o financiamento do Pronampe; ainda é possível pleitear empréstimos

por Tisa Moraes

21/07/2021 - 05h00

Malavolta Jr.

Superintendente Antônio Minuk ressalta benefícios do programa

A Caixa Econômica Federal já concedeu R$ 83 milhões em créditos para Bauru e região, na nova rodada de contratações de empréstimo pelo Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Em todo o País, foram disponibilizados R$ 6,3 bilhões e a expectativa é de que todo o recurso seja emprestado dentro dos próximos dez dias.

Portanto, segundo a Caixa, o empreendedor que precisa de ajuda financeira para socorrer seu negócio deve procurar a agência do banco mais próxima o quanto antes. Superintendente de rede da Caixa, Antônio Minuk revela que os valores começaram a ser liberados em 2 de julho e, em pouco mais de duas semanas, 1.060 empresas da região, abrangida por 253 municípios, já assinaram contratos de financiamento, o que revela a grande demanda por linhas de crédito que possam garantir sobrevida aos pequenos negócios afetados pela pandemia da Covid-19.

De acordo com Minuk, na região de Bauru, até o momento, o valor médio de cada financiamento tem sido de R$ 78 mil. "No País, dos R$ 6,3 bilhões disponíveis, já foram contratados R$ 4 bilhões. É uma forma de o governo auxiliar muitas empresas a se estabilizarem e preservar empregos", pontua.

Denominado Giro Caixa Pronampe, o programa contempla microempresas com receita bruta anual igual ou inferior a R$ 360 mil e empresas de pequeno porte com receita bruta de até R$ 4,8 milhões. O prazo total da operação é de 48 meses, sendo 11 de carência e financiamento em 37 parcelas.

Outra vantagem são os juros mais baixos, que equivalem à taxa Selic mais 6% ao ano, o que corresponde a um índice aproximado de 0,85% ao mês. "Mesmo quem não é cliente da Caixa pode solicitar. O empresário faz a contratação do empréstimo agora e só começa a pagar as parcelas em julho de 2022", frisa o superintendente.

AJUSTE DE FINANÇAS

O valor do crédito pode chegar a R$ 150 mil por empresa, somadas as operações contratadas anteriormente dentro desta mesma linha de crédito. No ano passado, outras duas edições foram realizadas, totalizando o empréstimo de R$ 15 bilhões a 160 mil empresas, com juro ainda menor, de 1,25% ao ano mais a taxa Selic.

Os recursos da linha de crédito podem ser utilizados para investimentos ou capital de giro, como reformas, compra de máquinas, equipamentos, veículos, matérias-primas e mercadorias, pagamento de salários e tributos, entre outros. "Também é uma saída para o empresário quitar outros financiamentos que tenha feito, com taxas de juros mais altas, ou para cobrir o cartão de crédito, o cheque especial. E, assim, equilibrar as finanças", orienta.

Para ter acesso ao crédito, o empresário deve apresentar a comunicação da Receita Federal, recebida em 2021, onde constam dados de faturamento de 2019 e 2020 da empresa. O maior dos dois faturamentos é o que servirá de base para gerar a contratação do empréstimo, no valor de até 30% da receita, limitado a R$ 150 mil.

Segundo Minuk, os documentos exigidos são básicos. Não há exigência, por exemplo, de apresentação de Certidão Negativa do INSS e do Certificado de Regularidade do FGTS, mas a empresa não pode ter outros tipos de restrição cadastral para ter acesso ao financiamento.

Ler matéria completa