Bauru

Economia & Negócios

Após 6 reajustes neste ano, preço do botijão de gás bate R$ 100 em Bauru

Aumento acumulado é de 37%; JC consultou cinco fornecedores de diferentes regiões e produto variou entre R$ 90 e R$ 103

por Larissa Bastos

22/07/2021 - 05h00

Malavolta Jr.

Em Bauru, estabelecimentos já comercializam botijões de gás de cozinha por mais de R$ 100 após série de reajustes da Petrobras

O botijão de gás de cozinha de 13 quilos já está sendo vendido por mais de R$ 100,00 em algumas distribuidoras de Bauru. Este preço é resultado da série de seis reajustes, quase mensais, no valor do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), promovidos pela Petrobras. Somente em 2021, o acumulado de aumentos é de 37%. Esse valor prejudica tanto vendedores do produto, que precisam diminuir a margem de lucro para manter um preço 'competitivo', quanto os clientes, que precisam se desdobrar para economizar na hora de cozinhar (veja dicas no quadro ao lado).

Nesta quarta-feira (21), a reportagem do JC consultou cinco fornecedores de gás de diferentes regiões da cidade, e o preço do botijão variou entre R$ 90 e R$ 103,00. Em duas das lojas, ele já é comercializado por mais de R$ 100,00, incluindo a taxa de entrega de cerca de R$ 5,00. Assim, os bauruenses que fizerem uma pesquisa prévia e ainda tiverem a possibilidade de buscar o produto diretamente no estabelecimento conseguem economizar alguns trocados.

De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), os aumentos promovidos pela Petrobras no GLP ocorreram, neste ano, em 7 de janeiro, 9 de fevereiro, 2 de maço, 2 de abril, 14 de junho e, o mais recente, em 6 de julho. Com isso, o acumulado de reajustes só em 2021 é de 37,87%.

Para se ter uma ideia do impacto dessa sequência para o consumidor final, em uma revenda de gás no Jardim Ferraz, há dois meses, os botijões eram comercializados por cerca de R$ 75. Agora, porém, são vendidos por R$ 99,90, incluindo a taxa de entrega. "Antes, os acréscimos eram praticamente anuais. Mas, neste ano, são tantos que mal consigo acompanhar. Alguns clientes ainda acham que cobramos preços abusivos. Só que, na verdade, nossa margem de lucro está cada vez menor porque estamos tentando manter o produto comprável. Mas está difícil segurar", comenta Debora Miranda, de 42 anos, proprietária do estabelecimento há 18 anos.

Quando foi inaugurada, há dois anos, uma distribuidora no Jardim Bela Vista vendia o botijão de gás de cozinha de 13 quilos por R$ 60. Atualmente, o mesmo produto é fornecido por R$ 95, incluindo a taxa de entrega, segundo a atendente da loja Camila Santos, de 34 anos. "No mês passado, um dos nossos clientes comprou por R$ 87. Nesta semana, ele entrou em contato para comprar novamente e ficou indignado com o aumento. É complicado", relata.

'Tive que trocar o forno do fogão pelo elétrico para fazer as marmitas'

Malavolta Jr.

Rosana Andrade Pereira, sobre o preço do gás: "Tive que reduzir minha margem de lucro e me adaptar"

Da mesma forma que alguns revendedores de gás de cozinha de Bauru decidiram reduzir a margem de lucro para evitar a perda de clientes, a empreendedora Rosana de Andrade Pereira, de 40 anos, decidiu seguir o mesmo caminho. Ela, que vende marmitas saudáveis há um ano e meio, usa bastante gás de cozinha na preparação dos alimentos e tem sofrido muito com os frequentes reajustes do valor do GLP.

"Eu compro um botijão novo a cada 15 ou 20 dias. Da última vez, há duas semanas, consegui um por R$ 84, depois de fazer uma pesquisa em vários revendedores. Nesta semana, por conta do reajuste, este mesmo estabelecimento já estava vendendo por R$ 92. Cada mês tem um valor diferente. E sempre mais caro", critica Rosana.

Contudo, apesar dos frequentes aumentos, a empreendedora pondera que não consegue repassar o custo da produção para as marmitas que comercializa, por medo de perder clientes. "Então, tive que reduzir minha margem de lucro e me adaptar. Para economizar, troquei o forno do fogão a gás pelo forno elétrico. Mesmo que a energia elétrica também esteja cara, assar alimentos dessa forma ainda compensa mais. Além disso, comecei a deixar, por exemplo, o feijão de molho, para diminuir o tempo de cozimento", completa.

238 receberam o vale-gás

O Governo de São Paulo lançou, recentemente, o programa vale-gás. Segundo a Secretaria Estadual do Desenvolvimento Social, 238 famílias em situação de vulnerabilidade social de Bauru receberam, nesta quarta (21), a primeira parcela do benefício, que é justamente de R$ 100. Ao todo, serão três parcelas bimestrais, totalizando um repasse de R$ 300 para cada grupo familiar.

Além disso, conforme o JC noticiou, os moradores da cidade que não têm condições de adquirir o gás podem usufruir da cozinha comunitária do Jardim Petrópolis, que funciona, desde junho deste ano, na rua Capitão Mário Rossi, 7-73, onde fica a sede da Associação dos Amigos da Praça Sidival Pires. A iniciativa foi idealizada pela entidade e pela Casa da Sopa da Vila Dutra. O serviço funciona diariamente, das 8h às 22h, e tem capacidade para atender duas pessoas por vez, sendo uma por família.

Ler matéria completa