Bauru

Economia & Negócios

Teletrabalho, home office ou trabalho remoto

22/05/2022 - 05h00

O professor Paulo Renato Fernandes considera também o home office (trabalho em casa) uma boa oportunidade, mas não só o trabalho feito na residência, mas também o trabalho à distância ou o teletrabalho como um todo. "Você descentraliza o local de trabalho para outras regiões mais economicamente interessantes."

De acordo com o professor, no Rio ou em São Paulo, por exemplo, a empresa paga mais Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e aluguel, com mão de obra mais cara. "O custo de vida mais caro se reproduz na produção. Você pode ter essa mesma base produtiva laborando, por exemplo, no Interior do Piauí ou em Minas Gerais, pelo teletrabalho, de forma mais barata", defende.

Para Fernandes, a redução da jornada é algo muito importante, em razão, inclusive, da robótica. "O problema é que, olhando o salário hoje, se você reduz jornada, vai ter que contratar mais empregados, e há um custo dessa contratação". Por isso, ele entende que a redução de jornada pode fugir ao objetivo que é gerar empregos e reduzir custos para o empregador.

Já a participação nos lucros e resultados (PLR), segundo o professor, é interessante para funcionários e patrões, porque não tem natureza remuneratória. "Ou seja, você não paga tributos sobre isso. Ele lembrou ainda que decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) conferem segurança jurídica para a terceirização. E salientou, também, a contratação de cooperativas de trabalho, em que a mão de obra é mais barata para as empresas.

Para o presidente do Conselho Empresarial Trabalhista e Sindical da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Luiz Carlos Renaux, o trabalho remoto é um bom exemplo de como é possível conciliar reivindicação de trabalhadores com redução de custos e manutenção de empregos.

"A adoção desse modelo de trabalho é positivo para o empregado, pois elimina o tempo de deslocamento. Para as empresas, também há benefícios, como o corte de custos", disse Renaux.

Em nota, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirmou ter sempre reforçado que a criação de postos de trabalho resulta do crescimento da economia, e não de uma legislação por si só, seja qual ela for.

Em relação à terceirização, a entidade esclareceu que, conforme estabelece a Lei 13.429/2017, trata-se de uma forma de organização e gestão de processos produtivos das empresas, pela qual uma empresa contrata de uma outra empresa a prestação de serviços ou etapas de processos produtivos especializados que não são realizados pela estrutura da tomadora. Quanto ao teletrabalho, a CNI lembrou que está regulamentado pela reforma trabalhista.

Ler matéria completa

×