Bauru e grande região

Esportes

Fator Alfredão

Jogar em casa é o grande trunfo do Noroeste para chegar à 2.ª fase

por Thiago Navarro

04/01/2015 - 07h00

Arquivo JC

Equipe e comissão técnica esperam casa cheia nos jogos do Norusquinha pela Copa São Paulo

Ser o mandante do Grupo F da Copa São Paulo de Futebol Júnior é a aposta do Noroeste para se classificar à segunda fase do torneio, feito que o clube não consegue desde 2005, quando também recebeu os jogos no Estádio Alfredo de Castilho – e depois seguiu mandando as partidas em casa, até ser eliminado nas oitavas de final pelo Iraty/PR, nos pênaltis, saindo de forma invicta.

 

Será a 19.ª participação do clube na Copa SP, sendo a nona vez em Bauru. E o peso de atuar em casa pode ser comprovado pelas campanhas do clube ao longo da história da Copinha. O Alvirubro passou da primeira fase cinco vezes, sendo que em três delas o time jogou ao lado da torcida.

 

Em 1973, na segunda participação noroestina, a equipe chegou às quartas de final, porém, era bem menor o número de agremiações que disputavam. Foi também a única vez em que o Norusca, comandado pelo técnico Luis de Oliveira (Bolão), passou de fase sem atuar no Alfredão – os jogos eram em São Paulo.

 

Em casa

 

Quando jogou pela primeira vez no Alfredo de Castilho na Copinha, em 1991, o Noroeste fez bonito: quatro vitórias em quatro jogos na primeira fase, avançando com 100% de aproveitamento e derrotando duas grandes forças do futebol nacional, o Santa Cruz/PE e o Atlético Mineiro, além do XV de Jaú e do Moto Club/MA. O time era comandado por Marco Antônio Machado, e na segunda fase acabou eliminado, mas atuando em Araras.

 

Dois anos depois, nova participação como mandante, e mais uma vez classificado para a segunda fase. Foram dois empates (um deles contra o Santos) e uma derrota na primeira fase, e os comandados de Baroninho seguiram para a etapa seguinte, em São Paulo, onde foram eliminados. Em 1999, dois empates e uma derrota eliminaram pela primeira vez o clube na condição de sede de uma chave, o mesmo ocorrendo em 2003, apesar de sair invicto desta vez, com uma vitória e dois empates. Em 2004, a classificação veio de forma heroica: derrota na estreia para o Iraty/PR, goleada sobre o Cuiabá/MT na segunda rodada e vitória por 1 a 0 diante do Juventude/RS no último minuto da rodada final, sacramentando a vaga na etapa seguinte, contra o Corinthians, em Osasco, quando foi eliminado.

 

Em 2005, a melhor campanha

 

Em 2005, sob a batuta de Carlos Alberto Seixas, o Norusca fez sua melhor campanha na Copinha, saindo de forma invicta. Venceu os três jogos da primeira fase (Luverdense/MT, Ponte Preta e Santa Cruz/PE), seguiu no Alfredão para encarar o Goiás, eliminando o adversário de forma dramática, por 4 a 3 nos pênaltis após empate por 2 a 2 no tempo normal, diante de 15 mil torcedores. Nas oitavas, mais uma vez em Bauru, foi eliminado para o Iraty/PR por 9 a 8 nas penalidades, após empatar por 3 a 3 com bola rolando. Em 2006, a campanha foi boa na primeira fase, com vitórias sobre Mixto/MT e Londrina/PR, mas a derrota para o Corinthians/AL acabou pesando. De 2007 a 2013 o time sempre jogou fora de Bauru (somente em 2010 não disputou a Copinha neste período), voltando a ser sede em 2014, porém, fez sua pior campanha em casa, perdendo os três jogos.

 

Neste ano, o técnico Luciano Sato, que está pela quarta vez seguida como treinador do clube no torneio, pede o apoio da torcida. “A gente sabe que jogar em casa faz a diferença. Em outros anos isso pesou bastante a favor do Noroeste. É o campo que a gente conhece e está habituado a treinar e jogar, e com o apoio do torcedor, isso pode impulsionar o time para a classificação”, resume. “Estamos com um plantel melhor do que o da última Copinha, e apesar do nosso grupo ser difícil, com três bons adversários, temos condições de avançar”, frisa.

 

O Noroeste estreia na Copinha amanhã, às 17h, enfrentando o Comercial/PI no Alfredão. Na quinta-feira, a partir das 19h, joga contra o Luverdense/MT. O Norusca encerra a primeira fase no domingo, dia 11, às 19h, contra o Fluminense/RJ. Todos os jogos têm entrada gratuita.

 

Dúvida

 

O técnico Luciano Sato tem uma dúvida na defesa. O zagueiro Luciano pode ter como companheiro Lucas Matheus ou Rafael Pontoli, porém, este último foi quem treinou no apronto de ontem à tarde e tem mais chances de começar jogando amanhã. O restante do time está definido no esquema 4-4-2 para a estreia diante do Comercial/PI.