Bauru e grande região

Esportes

Série A3: Rivalidade em campo

Noroeste e Marília se enfrentam hoje no clássico regional, no Alfredão, com perspectiva de grande público

por Thiago Navarro

21/02/2018 - 07h00

Bruno Freitas/Noroeste
Jogadores do Noroeste afirmam que estão preparados para o clássico da noite desta quarta (21), em Bauru

O Noroeste busca se manter em uma boa colocação no Campeonato Paulista da Série A3, enquanto o Marília tenta sair da zona de rebaixamento. Este é o cenário antes do clássico desta quarta-feira (21), às 20h, no Estádio Alfredo de Castilho, que deve receber grande público. A diretoria noroestina trabalha com estimativa de 5 mil pessoas, a maioria torcendo pelo clube da casa. De Marília, são esperados entre 100 e 200 torcedores.

Com 18 pontos, o Noroeste é o quarto colocado, na zona de classificação para a segunda fase. O time vem de vitória contra o São Bernardo, fora de casa, e empate em casa contra o Osasco. Foram as duas partidas sob o comando do técnico Alberto Félix, que trabalhou principalmente o posicionamento da defesa, que vem levando gols de bola parada. Ele pediu mais atenção aos zagueiros e demais marcadores para a partida desta noite.

O treinador deve fazer poucas alterações na equipe. Sem o zagueiro Jean Pierre, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, entra no time Marcelo Augusto. Na lateral esquerda, Ricardinho, que cumpriu suspensão na rodada passada, deve retomar a vaga de Lucas Hipólito. No ataque, Alberto Félix contará pela primeira vez com Romão, em recuperação de lesão no tornozelo desde o ano passado, e que deve ficar no banco de reservas pela primeira vez. O jogador pode entrar durante o jogo.

PREPARAÇÃO

O técnico Alberto Félix comenta a preparação para o clássico regional. "Temos um objetivo no campeonato, que é a classificação, e estamos conscientes disso. Temos que nos preparar jogo a jogo. O clássico tem um ingrediente a mais e os torcedores têm uma expectativa muito grande. Sabemos disso, estamos focados e vamos entrar em campo sempre buscando a vitória", frisa o treinador, pela assessoria de imprensa do Noroeste.

O zagueiro e capitão Marcelinho, que perdeu as contas de quantos clássicos já disputou, falou sobre o confronto. "Na minha opinião, o clássico é sempre bom. A concentração tem que ser maior. A gente briga pela nossa classificação no campeonato. E o mais importante é isso. O clássico a gente precisa vencer porque estamos jogando em casa. E é a nossa obrigação ganhar. Nós viemos de um empate e o clássico serve pra motivar. Vencendo o clássico, obviamente a gente ganha mais confiança também para o restante da competição", avalia.

O volante Maicon Douglas, que disputa o clássico pela segunda vez, comentou sobre o jogo. "Pra nós jogadores, precisamos esquecer o resultado do ano passado. É outro campeonato, outro elenco, outro grupo, dos dois lados, mas estamos focados e vamos jogar com muita seriedade para vencer. Estamos pensando muito nesse jogo, que com certeza tem o algo a mais, e vamos entrar em campo sempre para buscar os três pontos", revela.

Marília

Na 16ª posição, com 11 pontos, o Marília vem de goleada sofrida fora de casa para o Taboão da Serra. Na zona de rebaixamento, a equipe tenta subir na classificação, e o técnico Luiz Carlos Ferreira não contará com o meia Jaílton, dispensado nesta semana, e com o atacante Thiago Santos, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Também estão fora do jogo o zagueiro Luizão, com desconforto na coxa direta.

O treino do MAC ontem foi fechado, mas de acordo com o repórter Jorge Luiz, do Jornal da Manhã de Marília, o treinador testou três mudanças, com Eduardo Grasson e Zé Roberto brigando por vaga na zaga, e Galego e Du Gaia disputando espaço com Luan Batoré e Adílson no ataque - este último já passou pelo Noroeste, entre 2010 e 2011. No restante da equipe, não deve haver mudanças.

CAMPEONATO PARALELO

Para torcedores do Noroeste e do Marília, confronto entre os clubes é um torneio em separado, independente da situação das equipe

O clássico entre Noroeste e Marília é um dos mais tradicionais do interior paulista. O MAC divide o posto de grande rival do Norusca com o XV de Jaú, outro time de grande rivalidade na região. E para muitos torcedores, trata-se praticamente de um campeonato paralelo, pois independente de onde aconteça o jogo e a situação dos clubes, a partida é sempre muito esperada.

Hoje, a diretoria do Noroeste trabalha com estimativa de público superior a cinco mil pessoas, que seria o recorde de público da A3 até agora. O Norusca já é o que tem a melhor média de torcedores do campeonato. A segurança será reforçada, e conforme o JC antecipou na edição de ontem, a Polícia Militar (PM) terá 60 pessoas trabalhando no jogo, com Cavalaria, Canil, Rocam, Força Tática e Helicóptero Águia. Várias ruas no entorno do estádio serão interditadas pela Emdurb.

VANTAGEM

O Noroeste leva vantagem no confronto direto com o Marília. Foram 85 jogos até hoje, com 32 vitórias do Norusca, 30 do Marília e 23 empates, incluindo amistosos. Contudo, somente em partidas oficiais, a vantagem bauruense é maior, com 30 vitórias, contra 26 dos marilienses e 23 empates.

Em Bauru, a folga é ainda maior. Foram 36 jogos oficiais com mando do Noroeste, e o clube da casa venceu 20 vezes, contra oito dos visitantes e mais oito empates. Nas três divisões do Campeonato Paulista, o Noroeste leva vantagem, vencendo 20 dos 45 jogos (em qualquer local), com 15 vitórias marilienses e dez empates.

A primeira partida oficial foi em 1953, que terminou empatada por 0 a 0 - foi ainda o primeiro jogo do MAC como clube profissional. O último jogo foi ano passado, em Marília, com vitória maqueana por 1 a 0, diante de 3.800 torcedores.

VITÓRIAS RECENTES

No Campeonato Paulista, o Noroeste venceu três vezes nos últimos anos. Na Série A1 de 2006, 10 mil noroestinos assistiram a goleada por 4 a 0 no Alfredão, a maior do clássico, junto com os 5 a 1 que o Norusca aplicou em 1978, também em casa. O Noroeste goleou com: Mauro; Marcelo Santos, Fábio, Edmílson e Cláudio; Reginaldo Nascimento, Hernani, Lenílson (Luís Carlos) e Luciano Bebê (Felipe); Rodrigo Tiuí e Leandrinho (Otacílio Neto). Técnico: Paulo Comelli.

Em 2008, nova vitória em casa, na A1, por 3 a 2, diante de sete mil torcedores, jogando com: Fabiano; Éder (Alexandre Luz), Bonfim, Éder Monteiro e Marcelo Santos; Ralf, Júlio, Luciano Bebê (Alexandre) e Edno; Vandinho e Otacílio Neto (Danilo). Técnico: Márcio Bittencourt.

E em 2010, em Marília, o Alvirrubro venceu por 1 a 0, pela Série A2, atuando com: André Luís; Thiago Rannow, Samuel, Éder Lima e Roque; Negretti, Rafael Pulga, Almir Dias (Adílson) e Cleverson (Doda); Rafael Aidar (William Leandro) e Zé Carlos. Técnico: Luciano Dias.

VOCÊ SABIA?

O clássico entre Noroeste e Marília não é considerado um dérbi. De acordo com o Dicionário Houaiss e Academia das Ciências de Lisboa, o dérbi é apenas o confronto entre equipes da mesma cidade, como os jogos entre Corinthians X Palmeiras, São Paulo X Corinthians ou São Paulo X Palmeiras, por exemplo, todos da capital paulista, com muita rivalidade. Bauru já teve seu dérbi, nos anos 1940 e 1950, com Noroeste X BAC. Já os confrontos regionais de grande rivalidade podem ser denominados clássicos, como Noroeste X Marília ou Noroeste X XV de Jaú, mas pela definição acadêmica da Língua Portuguesa, não são um dérbi, portanto.

INGRESSOS E PÚBLICO

A venda antecipada de ingressos foi boa até ontem, e segue hoje, até 12h em vários pontos da cidade, com preço promocional. No estádio, os preços voltam ao preço normal, a partir das 18h. A diretoria do Noroeste vai distribuir bexigas, e a torcida promete grande festa com faixas e apoio ao clube.

 Pontos de venda de ingressos - até 12h de hoje

- Sede do Noroeste - Rua Benedito Eleutério, quadra 3 - Vila Pacífico

- Jornal da Cidade - Rua Xingu, 4-44 - Higienópolis

- Escritório Vitta Residencial - Av. Getúlio Vargas, 21-60, Jardim Europa

- Banca do Tauste

- Loja Adidas - Boulevard Shopping Bauru

- Cartuchos e Cia - Av. Comendador Martha, 1-31 - Jardim Estoril

- Merci Collections - R. Araújo Leite, 35-73 - Vila Universitária

- Banca do Adílson - cruzamento das ruas 13 de Maio e 1º de Agosto - Centro

- Stillo Materiais de Construção - R. Lindolpho Silva Sobrinho, 1-20 - Geisel

- Pé Quente Calçados - Av. Marcos de Paula Raphael, 13-08, Núcleo Mary Dota

 Preços

- Preço promocional, com todos pagando meia-entrada na venda antecipada até quarta-feira, às 12h, nos pontos de venda, R$ 15,00 (arquibancada) e R$ 25,00 (cadeira cativa)

- A bilheteria do Estádio Alfredo de Castilho abre na quarta-feira, às 18h, com preço normal, de R$ 30,00 (arquibancada) e R$ 50,00 (cadeira cativa)