Bauru

Esportes

Retorno

Rogério Ceni volta ao Morumbi e é novo técnico do São Paulo no lugar de Hernán Crespo

14/10/2021 - 05h00

Rubens Chiri/saopaulofc

Rogério Ceni já comandou primeiro treino e estreia nesta quinta (14) contra Ceará

Rogério Ceni é o novo técnico do São Paulo. O treinador aceitou a proposta e vai substituir o argentino Hernán Crespo, que definiu em comum acordo a saída do clube nesta quarta-feira (13). O ídolo tricolor dará início à sua segunda passagem como treinador no Morumbi. Será seu segundo trabalho nesta temporada, após ser demitido do Flamengo em julho. Ele assinou contrato até dezembro de 2022.

Ceni sempre foi prioridade entre os membros da diretoria, que agiu rápido e definiu o retorno do treinador no mesmo dia em que foi anunciada a saída de Crespo. Ceni não pensava em começar um novo trabalho no fim da temporada, mas o fato de a proposta ter vindo do São Paulo, clube do qual é ídolo, fez com que mudasse seus planos.

"Precisávamos tomar uma decisão rápida, e, indo ao encontro da nossa linha de raciocínio e ao diagnóstico de todo o departamento de futebol, a opção correta era o Rogério Ceni. Já havia deixado claro que, em caso de vacância no cargo, ele seria a nossa primeira alternativa, se estivesse livre no mercado. Como bom são-paulino que é, não precisou de mais de 15 minutos para acertar essa volta para casa", explicou o presidente Julio Casares.

Ceni já teve contato com o elenco e quer comandar a equipe na partida desta quinta-feira (14), às 19h, no Morumbi, contra o Ceará, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. "Ele encarou esse convite como uma convocação. Afinal, a imagem do Rogério está diretamente ligada ao clube. Até por se sentir em casa, ele quis começar o trabalho imediatamente", acrescentou Casares.

Ceni iniciou a carreira de técnico no São Paulo, teve uma passagem vitoriosa pelo Fortaleza, ficou um período curto no Cruzeiro e seu último trabalho havia sido no Flamengo. No clube carioca, foi campeão brasileiro e estadual, além da Supercopa do Brasil, mas acabou demitido em julho passado e substituído por Renato Gaúcho.

O treinador comandou o São Paulo pela primeira vez em 2017, menos de dois anos depois de encerrar sua carreira de jogador. Ficou sete meses no cargo e foi dispensado em julho daquele ano. Naquele momento, o time estava na zona de rebaixamento do Brasileirão e não ganhava havia seis jogos.

Em 2017, o ex-goleiro comandou o São Paulo em 34 partidas, com 14 vitórias, 11 empates e nove derrotas - aproveitamento de 51% dos pontos. O time fez campanha ruim no Brasileirão, mas depois se livrou da queda. Além disso, o clube acumulou no primeiro semestre daquela temporada eliminações em três competições: no Campeonato Paulista, na Copa do Brasil e na Sul-Americana.

Desta vez, vai encontrar uma equipe que não integra a zona de rebaixamento, mas não consegue abrir distância dela. E isso foi determinante para a saída de Crespo. O desafio imediato de Ceni no comando são-paulino será quebrar a série de cinco empates seguidos que empacaram o time no torneio nacional, o único que restou para disputar após as eliminações na Libertadores e Copa do Brasil. O clube soma 30 pontos e ocupa o 13º lugar.

Crespo não resiste às oscilações e deixa clube

O técnico Hernán Crespo não resistiu às oscilações do São Paulo nas últimas semanas e deixou o cargo nesta quarta-feira (13). O time do Morumbi vem de cinco empates consecutivos no Campeonato Brasileiro e briga para se afastar da zona de rebaixamento. "O São Paulo agradece aos profissionais pelo trabalho e pela dedicação demonstrados durante todo o período em que defenderam nossas cores, e pela conquista do título do Estadual, triunfo esse que não era obtido desde 2005", anunciou o clube, em comunicado.

Crespo deixa o clube na companhia do auxiliar técnico Juan Branda, dos preparadores físicos Alejandro Kohan e Gustavo Sato, do preparador de goleiros Gustavo Nepote e do analista de desempenho Tobías Kohan.

O treinador comandou o São Paulo por oito meses, perído no qual ajudou o time a encerrar o jejum de títulos de quase nove anos ao liderar a equipe na conquista do Campeonato Paulista, no início do ano. No total, foram 53 partidas, com 24 vitórias, 19 empates e dez derrotas, gerando um aproveitamento de 57,23% dos pontos disputados. 

A saída do treinador argentino vinha se desenhando nas últimas semanas. O clima com o elenco piorou e as críticas de fora começaram a pesar, a ponto de Muricy Ramalho, coordenador de futebol do clube, intervir na semana passada em defesa de Crespo. Muricy até compareceu a um dos treinos para demonstrar apoio ao técnico. Nos últimos dias, até empresários de jogadores, como Orejuela e Benítez, passaram a pressionar o treinador.

Já com Rogério Ceni, São Paulo busca reação diante do Ceará

São Paulo começa, nesta quinta-feira (14), a sua trajetória sem Hernán Crespo e dá início, ao mesmo tempo, à nova "era Ceni" (leia mais acima nesta página). E o primeiro desafio é no Morumbi diante do Ceará, às 19h, em casa, em duelo que encerra a 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O objetivo imediato é quebrar a série de empates e abrir distância da zona de rebaixamento.

Ceni teve primeiro contato com o elenco são-paulino assim que chegou e não quis esperar. Preferiu já comandar a equipe diante do Ceará nesta quinta. E a reação terá de vir sem Rigoni. O principal atacante do elenco sentiu dores musculares na coxa esquerda diante do Cuiabá e acabou vetado. Preterido por Crespo, que preferiu improvisar Igor Gomes na lateral direita, o colombiano Orejuela, por sua vez, voltou a ser relacionado. Ele é o único lateral-direito disponível no grupo no momento.

Igor Vinícius ainda está fora de combate e Galeano, que vinha atuando improvisado, se recupera de um trauma no tornozelo direito. Vitor Bueno também retorna e deve começar como opção entre os reservas. Como teve pouquíssimo tempo para conhecer o elenco, é improvável que Ceni promova muitas mudanças. Deve manter a base que vinha jogando.

O Ceará tem apenas um ponto de diferença para o São Paulo. Está com 29 e espera acabar com um jejum de quase cinco meses sem ganhar como visitante. A única mudança em relação ao time que perdeu para o Atlético-MG, por 3 a 1, em Belo Horizonte, deve ser Marlon no lugar de Fernando Sobral no meio-campo.

Ler matéria completa

×