Bauru

Esportes

Sem grandes novidades

Convocação tem volta de Daniel Alves, sequência para Coutinho e ausência de Hulk

14/01/2022 - 05h00

Lucas Figueiredo/CBF

Tite vê Brasil como postulante ao título mundial ao lado de França, Inglaterra, Bélgica, Alemanha e Espanha

O técnico Tite fez, nesta quinta-feira (13), a primeira das quatro convocações que terá pela frente antes de anunciar a lista de 23 jogadores que irão para a Copa do Mundo no Catar, que será disputada nos meses de novembro e dezembro. Com as voltas de Daniel Alves e Philippe Coutinho ao grupo, mas sem Neymar (machucado) e Hulk (ainda em pré-temporada no Atlético-MG), 26 atletas foram chamados para os jogos contra Equador, em Quito, e Paraguai, em Belo Horizonte, pelas Eliminatórias.

Líder da competição, a Seleção Brasileira encara no próximo dia 27 o Equador, que está terceiro lugar, no Estádio Casa Blanca. Já em 1 de fevereiro, o Brasil tem pela frente o Paraguai, o nono colocado, em duelo que será realizado no estádio do Mineirão. A equipe de Tite tem 35 pontos em 13 jogos e a Argentina vem logo atrás, com 29.

Para esses jogos, a Seleção terá uma logística diferente por conta do aumento de casos de Covid-19 em todo o mundo, especialmente com a variante Ômicron. O grupo se apresenta direto em Quito e os jogadores vindos da Europa vão pegar um voo fretado disponibilizado pela CBF em Madri, na Espanha, no dia 24, direto para a capital do Equador.

A convocação feita por Tite não apresenta nenhuma cara nova, mas os retornos de Daniel Alves, novamente no Barcelona, e Philippe Coutinho, recém contratado pelo Aston Villa, chamam mais a atenção. O técnico chamou 26 jogadores porque o volante Fabinho e o meia Lucas Paquetá estão suspensos da partida contra o Equador por terem recebido o segundo cartão amarelo contra a Argentina, em novembro.

Titular absoluto, Neymar não apareceu na lista, mas isso já era esperado. O jogador não atua desde 28 de novembro, quando sofreu uma lesão no tornozelo esquerdo, e a previsão é de que volte a ter condições de jogo justamente às vésperas da partida contra o Equador. O problema é que seu clube, o Paris Saint-Germain, enfrenta o Real Madrid, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, duas semanas mais tarde e, para evitar riscos de uma eventual volta antecipada e ao mesmo tempo fazer uma sinalização positiva ao clube francês, Tite o deixou de fora desta vez.

Outra ausência sentida foi a de Hulk. O atacante do Atlético-MG, campeão e artilheiro com o Atlético-MG no último Campeonato Brasileiro, além de eleito o melhor jogador do País em 2021, ficou de fora. Um motivo poderia ser o fato de ainda estar em pré-temporada, mas Tite chamou três atletas que atuam no futebol brasileiro e estão na mesma situação: o goleiro Weverton, do Palmeiras, o meia Everton Ribeiro e o atacante Gabriel, ambos do Flamengo.

Tite afirma que Brasil está entre seis favoritos ao título da Copa

O futebol brasileiro tem sido questionado nos últimos anos pela queda de qualidade e a dependência da figura de Neymar. Mas o técnico Tite não se importa com esse tipo de crítica. Para o comandante, a Seleção Brasileira está, sim, entre as favoritas para a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

"O Brasil, junto com algumas seleções, está nesse primeiro hall, sim. Se você pegar seis seleções, na minha opinião, ela tá nesse hall. Ela não é 'a favorita' específica, mas está. Vou dar nomes: Brasil, França, Inglaterra, Bélgica, Alemanha e Espanha", comentou o comandante, durante a convocação desta quinta-feira (12) para os próximos jogos das Eliminatórias.

Em um primeiro momento, Tite curiosamente não citou a Argentina no grupo das seis principais favoritas. Mas depois ele se lembrou do adversário que derrotou a Seleção na decisão da Copa América no ano passado. "E a Argentina, ela está em um hall entre os sete. Nenhuma delas eu vejo se destacando e tendo um grande futebol". completou.

Ainda por cima, Tite evitou relacionar a questão do favoritismo com o fato do Brasil não enfrentar rivais europeus. "Discordo quando tu dizes assim: 'Ela não é favorita, porque não joga contra seleções europeias'. Mas é justamente porque ela não joga, e todos nós gostaríamos que jogasse, mas o calendário não permite, que não dá para dizer que ela é favorita ou que ela não é favorita, porque não se têm referência, aí isso é opinião, e opinião eu respeito."

Ler matéria completa

×