Bauru e grande região

Geral

Onça capturada no Vitória Régia volta para a natureza

Zôo aguarda secretaria estadual de Meio Ambiente a escolher local onde o felino será solto

por Vitor Oshiro e Rita de Cássia Cornélio

13/03/2014 - 17h10

A onça suçuarana fêmea capturada nesta quinta-feira (13) no parque Vitória Régia foi solta no final da tarde de ontem e voltou ao seu hábitat natural. O felino foi transportado do Zoológico Municipal até uma grande área de reserva ambiental pertencente a uma empresa da região.

 

Luiz Pires/Reprodução Facebook

No final da tarde desta sexta-feira, a onça está sendo levada de volta para a natureza

 

O local exato da soltura não foi divulgado pelo Zoo a pedido da Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 

 

“A reserva possui mais de mil hectares de cerrado com suporte para um predador desse porte, que ingere em torno de um quilo e meio a dois quilos de carne por dia. A onça estava em ótimas condições e, assim que abrimos a caixa, saiu correndo”, comenta o diretor do Zoológico de Bauru, Luiz Pires.

 

A suçuarana que parou a avenida Nações Unidas nas imediações do parque Vitória Régia foi solta por volta das 17h45. Segundo Pires, o horário do pôr do sol foi escolhido para reduzir o nível de estresse do felino, que possui hábitos noturnos. “Desta forma, ela pôde se readaptar ao seu hábitat num horário em que está acostumada a ficar em atividade”, observa. 

 

Antes de ser solta, a onça já estava estressada e, por este motivo, não estava se alimentando. Ela recusou os pedaços de carne que foram pendurados na jaula onde ficou acolhida e só comeu durante a tarde, quando três camundongos foram oferecidos pela equipe do Zoo. 

 

Luiz Pires explicou que, após a captura, a onça foi hidratada com soro. “O animal estava extremamente cansado e, nesse estado, dificilmente se alimenta, por isso a gente solicitou à secretaria, com a maior brevidade possível, fazer a soltura”.

 

O diretor do Zoológico acrescentou que a fêmea é subadulta, deve ter de um ano e meio a dois anos de idade e, dentro de mais um ano, deverá entrar no seu período de reprodução. “Esperamos que ela cumpra o seu papel, reproduzindo e perpetuando a espécie”. 

 

Segundo Pires, a onça não apresentava nenhum sinal evidente de alguma enfermidade, mas estava desidratada e magra. “Coletamos material para exames de laboratório. Os resultados comprovaram que o felino estava com saúde, portanto, de alta”. 

 

A partir dos resultados, o Zoo comunicou a coordenadoria de fauna da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, que foi responsável pela escolha do local de destinação do animal. “É um animal de ocorrência em toda a região de Bauru”. 

Na opinião de Pires, áreas de reserva em torno da cidade são importantes para manter a fauna. “Isso mostra o quanto são importantes as áreas de reserva, as Áreas de Preservação Ambiental (APAs). É justamente essa função que as APAs têm: oferecer local para que a fauna possa se manter e não invadir a cidade. A área urbana é que atualmente invade as áreas próximas às reservas onde os animais sempre viveram”. 

 

Luiz Pires/Reprodução Facebook

Sob forte estresse, onça não estava se alimentando

Captura

 

Era por volta das 16h30 quando a polícia e os bombeiros chegaram ao local. Pendurada no galho de uma das árvores que fica em frente ao playground do Vitória, a onça suçuarana fêmea estava bastante assustada.

 

Ainda não se sabe o horário que o animal chegou ali. Entretanto, um garçom que passava pelo local de madrugada jura que visualizou a onça de madrugada e, inclusive, acionou os bombeiros. A corporação nega (leia mais abaixo).

 

Aos poucos, mais curiosos chegavam para ver a visitante inesperada. Visitante que nem é tão visitante assim. “Essa espécie vive no cerrado que cerca Bauru. Então, não é incomum encontrarmos ela na região”, disse o prefeito Rodrigo Agostinho (PMDB), que é biólogo e abandonou a reunião da Fundação Regional de Saúde para acompanhar de perto o resgate.

 

Quanto mais gente chegava, mais a polícia ampliava a área de isolamento e mais a onça ficava assustada. Havia quatro carros de bombeiros, três viaturas da Polícia Militar, Polícia Ambiental, Defesa Civil e os funcionários do Zoológico Municipal. 

 

Em pleno horário de rush bauruense, o trânsito, no sentido Centro-Bairro, foi interditado na Nações Unidas. 

 

Onça está no brasão da cidade

 

Divulgação

Onça Suçuarana está no brasão da cidade de Bauru

A onça suçuarana está representada no brasão de Bauru por ser uma espécie nativa da região, explica o memorialista Irineu Bastos. 

 

“Esse animal era caçado por aqui. No brasão também tem ramos de café, que na época era a maior riqueza agrícola. A fazenda Val de Palmas tinha 3 milhões de pés de café”, relembra.   

 

O município de Bauru possui dois símbolos oficiais que o representam, o brasão e a bandeira. 

O mais antigo símbolo de Bauru é o brasão, criado em 1929 e oficializado pela Lei Municipal nº 332, que passou por modificações.

 

A Lei Municipal nº 3.393, de 9 de outubro de 1991, conservou do brasão as mesmas figuras, mas deu a elas novas formas. 

 

As figuras representadas são a coroa com torres, que simboliza a colonização portuguesa no Brasil; as estrelas, que representam as antigas ferrovias Noroeste do Brasil, Paulista e Sorocabana; a onça, que simboliza a suçuarana, espécie presente na região; os ramos de café, que representam a primeira riqueza agrícola do município; e o escrito “Custos Vigilat”, que significa “Sentinela Alerta”.

 

Dardos

 

Como a onça estava a mais de seis metros de altura, a estratégia foi sedá-la com dardos tranquilizantes e, assim que ela caísse, pegá-la com uma rede. Mas quem disse que foi fácil? “Ela estava muito assustada e havia muita gente fazendo barulho. Com isso, a adrenalina dela estava muito alta”, explica o zootecnista Luiz Pires, diretor do Zoológico de Bauru.

 

Por conta disso, os tranquilizantes, que eram disparados com uma zarabatana, não surtiam efeito. Entre várias tentativas e erros, foi preciso, segundo os bombeiros, quatro dardos para sedar a onça. “Foi uma dose muito mais alta do que a comum”, completa Pires. 

 

A população acompanhava tudo como um verdadeiro show. Entre um dardo e outro, a onça pulava de galho em galho. Cada movimento dela era acompanhado por gritos.

 

Por fim, após o último dardo, o animal ficou pendurado. Foi preciso ainda chacoalhar o galho para derrubá-lo. Por volta das 20h, o felino caiu na rede estendida pelos bombeiros e foi colocado em um compartimento. As palmas da população encerraram o evento mais do que inusitado.

 

De acordo com o diretor Luiz Pires, a onça que parou Bauru não é um filhote. Trata-se de uma fêmea subadulta com aproximadamente 1 ano e quatro meses de vida. 

 

O nome científico desse felino é Puma concolor, mas, entre várias outras denominações, também é chamada de suçuarana. “É um animal que caminha bastante em busca de comida”, completa o prefeito Rodrigo Agostinho.

 

Luiz Pires/Reprodução Facebook

Funcionário há mais de 25 anos do zoo, Astelio Ferreira de Moura foi fundamental para o sucesso do resgate 

 

Ela foi levada para o Zoo e será devolvida para natureza

 

Luiz Pires/Reprodução Facebook

Onça no Zoológico de Bauru, onde passará por exames

Assim que foi capturada, a onça foi levada ao Zoológico. Ela passará por uma série de exames e, depois, deve ser devolvida à natureza. “Ela fica separada dos outros animais e será avaliada. Se estiver saudável, será mandada de volta à natureza”, explica Luiz Pires.

 

Caso seja constatado algum problema de saúde no felino, ele ficará em quarentena e será tratado. “Infelizmente, a cidade invade cada vez mais o hábitat desses animais. Então, serão cada vez mais comuns episódios assim. Por isso, é importante que haja áreas de preservação como algumas que existem aqui em Bauru”.

 

 

 

 

De onde veio?

 

Como um animal desses veio parar em pleno Vitória Régia? Ainda não se sabe como chegou ao local. “O que sabemos é que é comum na nossa região. Há três meses, uma dessa mesma espécie foi atropelada no trevo da Marechal Rondon com a Bauru-Jaú”, conta Luiz Pires.

 

Para o prefeito, há dois caminhos possíveis. “Ela pode ter vindo pelo Batalha. Pegou a Água Parada, Rondon e desceu pela praça da Paz”, teoriza Rodrigo Agostinho. “Ou ela poder ter atravessado a Nações de fora a fora mesmo”.

 

A população cogitava o fato de o animal ser produto de contrabando ou até ter vindo pela tubulação da Nações.

 

Homem alega: animal estava na árvore desde a madrugada

 

Os bombeiros alegam que só tomaram conhecimento do fato durante a tarde, porém, um garçom afirma que acionou a corporação ainda na madrugada. “Era umas 3h30 e eu estava no Vitória Régia. Achei que fosse um cachorro. De repente, ela deu um pulo na árvore, grudou no tronco e começou a escalar. Liguei na PM e me mandaram acionar os bombeiros”, alega Fabiano dos Santos.

 

O primeiro-tenente Victor Félix Tozi nega. “Fomos acionados só esta tarde. Não houve esse chamado na madrugada”.

 

 

Ana Cláudia Teixeira Mattos/Divulgação

A presença da onça no Parque Vitória Régia atraiu muitos curiosos na tarde desta quinta-feira

Malavolta Jr.

A onça é da espécie suçuarana e é típica do cerrado; resgate movimentou a Nações Unidas e Vitória Régia

Luiz Pires/Reprodução Facebook

Após 4 dardos tranquilizantes, onça, de cerca de 1 ano e 4 meses, foi levada para o Zoológico de Bauru

 

Vídeo gravado por funcionários do Zoo Bauru mostra o momento em que a onça foi libertada: