Bauru e grande região

Geral

?Experiência mediúnica? com Chico

Saulo Gomes, jornalista e palestrante da Feira do Livro Espírita, em Bauru, fala sobre o que aprendeu com o médium mais famoso do Brasil

por Dulce Kernbeis

27/04/2014 - 05h00

“Não sei dizer o que aconteceu, mas quando entrevistei Chico Xavier alguma coisa ocorreu na minha mente e surgiram de repente as perguntas sobre a chegada do homem na Lua, aborto  e tantos outros temas que eu não havia preparado” diz o jornalista Saulo Gomes. Usando uma expressão popular, “baixou o santo”. Só isso explica o que foi a primeira entrevista dele com o médium Chico Xavier, eleito o “maior brasileiro de todos os tempos”, (em 2012, em um game promovido pelo SBT). O médium viveu de 1910 a 2002, em Minas. E a entrevista realizada em maio de 1968, além de ter lances mediúnicos como esse das perguntas, ainda teve a “vidência” comprovada de Chico.


Detetive do além

Para entender é preciso voltar no tempo. Quando essa entrevista ocorreu, em 68, Saulo Gomes já era um repórter de rádio de destaque e enveredava pelo caminho da televisão. Jornalismo investigativo era seu forte. Por cinco meses, mandou recados a Minas, pedindo uma entrevista com Chico. Havia contatos próximos, já que o médium vinha a São Paulo tratar da saúde com frequência. Mas a dificuldade era grande. Chico jurara nunca mais falar com jornalistas. Anos antes, dois lendários repórteres, David Nasser (texto) e Jean Manzon (fotos), foram até Uberaba para investigar os poderes mediúnicos de Chico Xavier, “aquele a quem os pobres reverenciavam e que começava uma obra de assistência social que está até hoje aí”, lembra Saulo.

Publicada em agosto de 1944 de forma jocosa, a entrevista ganhou o título “Chico Xavier, detetive do além”. Chico prometeu nunca mais falar com ninguém da imprensa. Até que um dia veio a notícia: “Chico aceitou falar com você, mas você terá que ir lá e sozinho”. Em dois dias estava em Uberaba. Sua equipe (nove pessoas, com três grandes câmeras) se escondeu e Saulo foi.

“Conversamos por um bom tempo, até que ele me disse. ‘Saulo, você é quem eu pensei que fosse’. Até hoje não sei exatamente o que ele pensou. E acrescentou: vai buscar seus amigos e vou lhe dar a entrevista”. Espanto. Como ele saberia? Sabia “do além”. Saulo recebeu as perguntas, também “do além”, e tudo deu certo. Sucesso (leia mais abaixo).


Pinga-Fogo recorde

Foi aí que Chico Xavier fez as pazes com a imprensa. A repercussão foi ótima. Tanto que três anos depois, em 1971 o médium foi ao ar ao vivo, no programa Pinga-Fogo. Foi sabatinado por Saulo Gomes e outros expoentes do jornalismo, em rede nacional. O programa com previsão inicial para uma hora de duração, acabou se estendendo por mais de três horas. E alcançou uma audiência até hoje “jamais registrada na televisão brasileira, com 75% dos televisores ligados no programa”, lembra Saulo. Calculou-se à época 20 milhões de pessoas assistindo. Há quem diga que foram 50 milhões de pessoas. Não faz diferença. É algo maior mesmo do que final de Copa do Mundo. O episódio do programa foi contado no filme “As Vidas de Chico Xavier” de Daniel Filho, exibido em 2010 e que levou 3 milhões de pessoas ao cinema. E Saulo Gomes fez da entrevista do programa Pinga-Fogo um livro que autografou no último final de semana em Bauru. Uma entrevista que é sucesso ainda 43 anos depois. E sobre ela, falou para um grande público presente à Feira do Livro Espírita.

Quis o destino também que o próprio Saulo ouvisse de David Nasser que “se arrependia pela forma como fizera aquela reportagem de 44, por ter exposto Chico daquele jeito. Ele me disse que gostaria de pedir desculpas. Coisa que não o fez até morrer”.


Último dia da Feira do Livro Espírita

Termina hoje a Feira do Livro Espírita. Organizada pela Associação Chico Xavier, a feira é realizada no Boulevard Shopping Nações, em Bauru.

O evento conta com uma exposição sobre Chico Xavier, que completaria 102 anos no dia 2 de abril. Chico é o maior nome do espiritismo no Brasil: psicografou 468 livros e já vendeu mais de 500 milhões de exemplares.

A entrada é gratuita e não necessita de inscrição. Às 17h haverá apresentações artísticas, com Olga Neme Daré e Leleco.

  • Serviço

Feira do Livro Espírita e Exposição Chico Xavier

Horário: das 14h às 20h.

Local: Boulevard Shopping Nações - Rua General Marcondes Salgado, 11-39 - Piso L1 - Área de Expansão do empreendimento.

A entrada é gratuita.


Enfoque nas mães

Em Bauru, Saulo Gomes não autografou só a obra originada do prograna Pinga-Fogo. Várias outras ficaram expostas na Feira do Livro Espírita. Como “As mães de Chico Xavier”, reportagem sobre as mulheres aflitas que recebiam mensagens dos filhos. E contando histórias do passado, mas sem ser saudosista, Saulo espera o dia em que irá encontrar com uma mãe com quem tem contato pela internet. Quem é ela? Uma moça que aos 3 anos de idade foi raptada. E Saulo, como repórter, desvendou o rapto e devolveu a filha aos braços da mãe. Encontro que, com certeza, quando ocorrer, renderá outra reportagem e até, quem sabe, outro livro. Saulo, por sinal, se emociona quando relata esse episódio e lamenta as ocorrências com crianças. Crimes em que morrem inocentes o enchem de profunda tristeza.


Dom inegável

Dentro de alguns dias Saulo Gomes faz aniversário. Vai completar 86 anos dia 2, com o entusiasmo de um menino de 18. E tem 58 anos de trabalhos jornalísticos, com dezenas de prêmios. Poucos repórteres viveram tantos fatos como ele. Seus livros contam desde como morreu Che Guevara, “com entrevista de quem estava ao lado dele na hora da morte”, até a investigação do voo que matou o grupo “Mamonas Assassinas”. Foi de rádio. Tem vídeos editados. Tem site na internet que atualiza sempre. É multimídia. Lamenta que nos dias de hoje os repórteres não vão mais ao local do fato, fazem reportagem de longe e, não investigam.  Mas isso é assunto para outra visita dele a Bauru, com certeza para falar a futuros jornalistas.