Bauru e grande região

Geral

Mais de 5 mil caminham pela vida

Caminhada promovida pelo Grupo Amigas do Peito alerta população e autoridades sobre importância da prevenção sobre o câncer de mama

por Aline Mendes

14/03/2016 - 07h00

Malavolta Jr.
Só cresceu! A caminhada começou em 2008, com 150 pessoas

Celebrar histórias de superação, alertar mulheres para o diagnóstico precoce do câncer de mama e chamar a atenção das autoridades sobre a importância dos novos tratamentos e da agilidade nos exames das pacientes da rede pública de saúde são algumas das motivações da Caminhada pela Vida, que ocorreu na manhã de ontem.

A iniciativa teve início em 2008 com 150 pessoas e só cresceu. Neste ano, na 9.ª edição, 5 mil pessoas se inscreveram e receberam a camiseta do evento. Porém, estima-se que um número ainda maior tenha comparecido na Praça Portugal, ponto de encontro rumo à Getúlio Vargas. A Polícia Militar confirma este volume significativo de participantes.

“A atividade é organizada pelo grupo Amigas do Peito, mas realizada pela cidade. Com essa adesão a sociedade acolhe não só a gente, mas todos que estão enfrentando a doença”, avalia Clara Vasconcelos, 51 anos, presidente do grupo Amigas do Peito.

De acordo com ela, no Brasil morre uma mulher a cada 40 minutos de câncer de mama. “Isso acontece muito por falta de informação, porque é uma doença curável, mas, muitas vezes, descoberta tarde”. Assim como a maioria das voluntárias, Clara já viveu o problema. “Tive câncer de mama há 10 anos e fui feliz por ter descoberto bem no começo. Depois entrei para o grupo Amigas do Peito e continuo para ajudar outras mulheres, da mesma forma que fui ajudada”.

Conforto
Quem também ingressou no grupo para receber apoio e hoje compartilha não só sua experiência, mas também palavras de otimismo e solidariedade é Denise Marinho, microempresária de 42 anos, que teve câncer de mama pela primeira vez aos 27 e, depois, aos 34 anos.

“O dr. Willian Delgado, que é meu médico e orientador do grupo, me incentivou a participar porque eu estava deprimida. Gosto de trabalho voluntário e me envolvi. As pessoas têm necessidade de conversar e se sentem à vontade com a gente que já passou por isso”, comenta a voluntária.

Recentemente ela idealizou com o esposo, Edilson, o Projeto Solidário Lenço Amigo, encampado pelo grupo Amigas do Peito com a parceria da Polícia Militar. “Já estamos arrecadando lenços que serão doados às mulheres nos hospitais. É também um modo de chegar a elas para levar apoio e esperança”.

Além de dar palestras e promover diversas ações, o Grupo Amigas do Peito se reúne sempre na terceira quinta-feira do mês, às 19h30, no salão nobre da Beneficência Portuguesa de Bauru.

Em família
Ao longo da caminhada, a reportagem encontrou vários grupos. Um deles contava com três gerações de mulheres da mesma família. “Por conta da idade, ficamos um pouco atrás, mas há cinco anos fazemos questão de vir. Uma parente teve câncer e as Amigas do Peito deram muito apoio. Ficou o alerta e quando tem mutirão de mamografia inscrevo toda a família”, partilhou Deise Sanches, 60 anos, que estava com a filha, Symony Bombiani, 32 anos, a mãe, Eurydice Sanches, 85 anos, a tia Dercy Sanches, 83 anos, e a prima Silvana Monteiro, 57 anos.

Outra turma bem animada era a da funcionária pública Paula Godoy, de 43 anos, que estava acompanhada do marido, da filha, da irmã e das sobrinhas. “Acredito que quem vê tanta gente aqui se conscientiza e se envolve com o assunto. Precisamos dar exemplo e incentivar as mulheres a se cuidarem”.

O marido, o administrador de empresas Marcelo Godoy, 42 anos, também está atento à saúde. “Sei que minha esposa faz o exame preventivo todo ano em abril e incentivo. Homem também pode ter câncer de mama e é importante apoiar a causa, além do evento ser uma oportunidade de se exercitar em família”.


Aparelho de ponta

Além de conscientizar a população sobre a importância do autoexame e da prevenção do câncer de mama, a Caminhada pela Vida reivindica a instalação de um aparelho de radioterapia acelerador linear pelo Hospital Estadual de Bauru.

A Famesp afirmou, nesta semana, que a unidade foi contemplada com um acelerador linear e a previsão para início das adaptações para instalá-lo é para outubro de 2016 e, se cumprido o prazo, o aparelho começará a funcionar somente no ano que vem.os que encabeçam o movimento.