Bauru e grande região

Geral

Em grupo seleto, Bauru tem obra em homenagem à Tocha Olímpica

Projeto do estudante de artes da Unesp Rafael Leite, monumento Piro Agogo será inaugurado na tarde de hoje no Vitória Régia

por Marcus Liborio

16/09/2016 - 07h00

Samantha Ciuffa
Rafael Leite com o monumento, que ocupa área de 150 m² e pesa cerca de 24 toneladas

Quem passou pelo Parque Vitória Régia nos últimos dias certamente já deve ter percebido algo diferente. Conforme o JC noticiou, um monumento em homenagem à passagem da Tocha Olímpica por Bauru deixou o cartão-postal da cidade ainda mais bonito. São sete placas de concreto armado que, em sua composição final, formam o desenho de uma chama. A inauguração oficial da obra ocorre nesta sexta-feira (16), às 16h.

O projeto, denominado Piro Agogo e desenvolvido pelo estudante do 4.º ano de artes da Unesp Bauru Rafael Antônio Barci Leite, 29 anos, foi um dos contemplados com o Prêmio Arte Monumento Brasil 2016, promovido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte), órgão vinculado ao Ministério da Cultura. Dos mais de 300 projetos inscritos em todo o País, somente 22 receberam a premiação de R$ 30 mil para execução da obra.

Em Bauru, o monumento ocupa uma área de 150 metros quadrados e pesa aproximadamente 24 toneladas. A cerimônia de inauguração contará com a presença de Rodrigo Agostinho e de representantes das secretarias Municipal de Obras, do Meio Ambiente e de Cultura.

O programa federal contempla projetos de “obras-monumentos” permanentes de artes visuais, que visem a promoção, comemoração e homenagem, de forma criativa, dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Brasil. Os projetos selecionados estão sendo instalados em locais públicos de grande circulação e visitação, em cidades que receberam a Tocha dos Jogos Rio-2016.

Segundo Leite, seu projeto compreende um monumento tridimensional em que as partes formam, de maneira idealizada, uma chama, como se fosse um fogo saindo do âmago da terra. “Sendo de fácil leitura e entendimento, agradando os olhos de um vasto público”, destaca o estudante, que é natural de Franca, mas mora em Bauru desde 2014.

Piro Agogo

O nome Piro Agogo é baseado em dois termos de origem grega. “Numa tradução simplista, Piro significa fogo e Agogo, o que conduz, dando origem à expressão ‘o fogo que conduz’, fazendo alusão à Chama Olímpica”, explica.

Moldadas com concreto armado e revestidas por textura específica, cada uma das sete placas elevadas é simbolicamente destinada a representar os valores Olímpicos (amizade, respeito e excelência) e Paralímpicos (igualdade, inspiração, determinação e coragem), conforme critérios definidos no edital do concurso.

“Vista de cima, a base do monumento tem a forma de uma ampulheta, trazendo à tona a questão do tempo, algo que está inserido na maioria das competições olímpicas”, acrescenta Leite, destacando que a obra levou 75 dias para ser concluída, entre planejamento e execução. “Contei com a ajuda de outras 50 pessoas: carpinteiros, pedreiros, serralheiros”.

Para conhecer mais do trabalho de Rafael Leite, acesse o site https://www.artinbrazil.com.

Diferencial

Rafael acredita que o diferencial de seu projeto tenha sido a proposta de executar formas orgânicas em uma estrutura de concreto. “É algo muito difícil. Todo esquema foi desenvolvido em softwares avançados e eu consegui trazer as impressões de escalas e de tamanho em 3D para o real”, avalia.

E as propostas foram avaliadas por olhos bastante exigentes: dois representantes da Funarte, um do Ministério da Cultura, um da Secretaria de Governo da Presidência da República, um da Autoridade Pública Olímpica e dois especialistas em artes visuais.

Atrasou

De acordo com a secretária municipal de Meio Ambiente, Lázara Gazzetta, o objetivo era que o monumento fosse inaugurado antes da passagem da Tocha por Bauru, mas a Funarte teria atrasado a liberação da verba. Já a Fundação alega, por meio de nota, que não há, no edital, nenhuma obrigatoriedade de inaugurar tais monumentos durante a passagem da Tocha. Independente do fato, Lázara observa que a ideia principal é que “Bauru fique registrada na história, através deste monumento, como uma das cidades que recebeu a Tocha”.