Bauru e grande região

Geral

Presos do CPP 3 de Bauru terão ações de cidadania e saúde

09/02/2019 - 14h00

Divulgação 
 
Reeducandos poderão regularizar os documentos 

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) promove, de 11 a 15 de fevereiro, diversas ações de cidadania e saúde para os reeducandos do Centro de Progressão Penitenciária “Professor Noé Azevedo” (CPP 3) de Bauru, com objetivo de prepará-los para o retorno à vida em liberdade.

Em sua sétima edição na unidade, a Jornada de Cidadania e Empregabilidade vai oferecer aos presos, durante toda a semana, atendimentos médicos, psicológicos e jurídicos, além de atividades religiosas e regularização de documentos. 

O mutirão de serviços inclui, ainda, palestras motivacionais, educativas e de cuidados com a saúde. Entre os temas abordados, estão leucemia, hanseníase e doenças infecciosas no geral. Os detentos também irão participar de discussão sobre a prática de atividades físicas como forma de melhoria de vida.   

BALANÇO 

Desde o início do programa, em 2015, nos presídios abrangidos pela Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Noroeste (CRN), já foram emitidos ou regularizados 41.628 novos documentos: CPF (11.263); RG (17.607); Carteira de Trabalho/Previdência Social (2.979); Título de Eleitor (8.887); e 8.887 certidões  (nascimento, casamento e óbito). 

Ao todo, as unidades regionais prestaram mais de 200 mil atendimentos jurídicos e de saúde, incluindo participações de reeducandos (homens e mulheres) em palestras sobre educação e empregabilidade. 

Somente no CPP 3, nas sete edições do evento, foram emitidos ou regularizados 1.155 documentos (RG, CPF, Carteira de Trabalho/Previdência Social, Título de Eleitor e certidões), além de 7.695 atendimentos jurídicos e de saúde, incluindo palestras em geral. 

CERIMÔNIA

Na terça-feira (12/2), será realizada a abertura oficial da Semana de Cidadania e Empregabilidade no CPP 3 de Bauru, com a presença de autoridades da SAP, do município e também de parceiros do presídio. 

Essa é a sétima edição do projeto na unidade prisional. A ação, contudo, ocorre anualmente em presídios de todo o Estado de São Paulo.