Bauru e grande região

Geral

Rodovias de Bauru e região têm 57 trechos com alerta de neblina

Artesp aponta cerca de 200 km de pista em que os condutores precisam redobrar a atenção; alerta ganha mais destaque com chegada do inverno

por Marcele Tonelli

18/06/2019 - 07h00

O inverno começa nesta sexta-feira e as estradas de Bauru e região ganham um alerta a mais. Um total de 57 trechos de ao menos quatros diferentes rodovias registram forte incidência de neblina. Somados, são aproximadamente 200 quilômetros de pista em que os motoristas precisam de cuidados extras para chegar em segurança aos destinos, já que a névoa dificulta a visão e torna a direção mais arriscada. O recorte dos pontos parte de um levantamento da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), que lançou o alerta em todo o Estado.

Só no perímetro urbano de Bauru, são 14 trechos com possibilidade de formação de cerração, sendo 12 apenas na rodovia SP-300, a Marechal Rondon, e dois na SP-225, a João Baptista Cabral Rennó (Bauru-Ipaussu), que vira a Comandante João Ribeiro de Barros (Bauru Jaú), na altura do Trevo da Eny (confira a lista completa acima).

Embora os nevoeiros ocorram com mais frequência e maior intensidade em regiões de serra, eles também atingem áreas de baixadas, entre outros locais. Comandante da 1.ª Companhia de Policiamento Rodoviário de Bauru, o 1.º tenente Gabriel Eleutério Garcia diz que Botucatu é um dos municípios com mais episódios de névoa intensa, mas Bauru também costuma registrar neblina, principalmente entre a madrugada e início da manhã nesta época.

"A Rondon, na altura da entrada para a Getúlio Vargas, tem um trecho que apresenta condições assim. Mas é algo que se dissipa um pouco mais rápido", comenta o tenente.

FAROL BAIXO

Os acidentes, principalmente engavetamentos e colisões traseiras, tendem a aumentar em períodos com névoa. Eleutério Garcia ressalta que, para evitar problemas, o motorista deve sempre reduzir a velocidade e acender os faróis baixos, além de manter maior distância em relação ao veículo da frente. As medidas são, inclusive, previstas em legislação.

"O condutor deve redobrar o alerta quando se encontra em uma situação de neblina. Não se deve parar na pista e o acostamento deve ser evitado ao máximo", acrescenta o policial, lembrando que a sinalização com o pisca-alerta é uma medida que pode ajudar veículos que trafegam atrás a se atentarem para fluxo lento na pista.

EM ALERTA

Samantha Ciuffa
Helder Banionis conta o que faz para se prevenir na neblina

Caminhoneiro há 15 anos, Helder Luciano Banionis, 42 anos, trafega a semana toda pelas rodovias da região de Bauru transportando material escolar e já passou por muitas situações com névoas. "A carga pesa 25 toneladas. Quando me deparo com neblina, aumento o alerta na hora e costumo reduzir gradativamente a velocidade, porque a freada brusca é perigosa, ainda mais com o caminhão cheio. E sempre tem veículos lentos à frente", observa.

Aos 23 anos, Antônio Carneiro, também condutor de caminhões, diz que passar pela névoa é sempre arriscado, ainda mais quando o caminhão não possui ar-condicionado. "O vidro embaça e é preciso atenção e esforço dobrado. A limpeza com pano ajuda, mas também é arriscada. Quando a neblina é demais, costumo até parar em um posto", conta o condutor, que trafega com até 19 toneladas de argamassa diariamente.