Bauru e grande região

Geral

Queda brusca no Batalha preocupa

Nível da Lagoa de Captação despencou 10 centímetros só no fim de semana e não há previsão de chuvas ao menos até sexta

por Tisa Moraes

13/08/2019 - 05h59

Samantha Ciuffa

Eliseu Areco, presidente do DAE, está preocupado com a situação

A ausência de chuvas em quantidade significativa em Bauru está diminuindo o nível da Lagoa de Captação do Rio Batalha em ritmo acelerado, o que gera preocupação quanto ao risco de racionamento para os cerca de 140 mil moradores da cidade que são abastecidos pelo manancial. Segundo o DAE, altura da lagoa era de 2,93 metros em 1 de agosto e, nesta segunda-feira (12), chegou a 2,70 metros.

A redução mais drástica ocorreu neste final de semana, quando, em apenas dois dias, o nível da lagoa despencou 10 centímetros. A queda acentuada gera preocupação porque, segundo o Centro de Meteorologia de Bauru (IPMet), não há previsão de chuva na cidade ao menos até sexta-feira (leia mais abaixo).

"O nível normal é de aproximadamente 3,16 metros. Sem a perspectiva de chuvas para os próximos dias, pedimos à população para que economize água", recomenda o presidente do DAE, Eliseu Areco Neto.

Como esperado para esta época do ano, Bauru enfrenta períodos sequentes de estiagem, totalizando apenas 59,1 milímetros de chuva entre maio e julho Em agosto, a soma é de 3,8 milímetros, até esta segunda-feira (12).

Desde o final de julho, quando o nível da lagoa já estava abaixo dos 3,1 metros, o volume captado do Batalha não extravasa mais as comportas da Estação de Tratamento de Água (ETA). Se chegar ao nível crítico de 1,5 metro, já será necessário desligar bombas ou reduzir a vazão, que atualmente é de 550 litros por segundo.

PLANO DE CONTINGÊNCIA

A manobra, necessariamente, geraria impacto no abastecimento dos imóveis da cidade que recebem água do manancial. "Todas as obras que estamos fazendo ajuda a reduzir a sobrecarga no Batalha, mas não supre em 100% a necessidade de abastecimento de água, caso a lagoa chegar a este nível", aponta o presidente.

Em 2018, o DAE lançou um Plano de Contingência contra estiagem, mas, até agora, as obras consideradas prioritárias não foram concluídas devido à falta de recursos. Contudo, segundo Areco Neto, boa parte do serviço já foi concluída, como a implantação de 10 quilômetros de adutoras na região do Jardim Bela Vista e outros 7 quilômetros na região do Jardim Manchester, para levar água de poços com folga na produção para áreas com menor oferta.

"Também inauguramos o poço do Jardim América, dentro da área da cidade que é abastecida pelo Batalha, além do poço do Núcleo Geisel, que nos permite fazer manobras para abastecer regiões com maior demanda de água, como a região da Vila Universitária", detalha.

Ainda dentro do Plano de Contingência, serão construídos dois reservatórios de água na Vila Dutra, com licitação prevista para este ano. Ficaram para 2020, no entanto, a perfuração de um poço no Santa Cândida e a construção de um reservatório na Vila Pacífico.

 

Alerta aos bairros

O DAE solicita à população de Bauru que evite ao máximo o desperdício de água, especialmente na região abastecida pelo Rio Batalha, que engloba bairros como Jardim Ouro Verde, Jardim Ferraz, Vila Independência, Vila Falcão, Vila Industrial, Vila Giunta, Vila Pacífico, Alto Paraíso, Vila Dutra, Jardim Estoril, Jardim América, Altos da Cidade, Centro, Vila Universitária e parte da Vila Cardia.

Previsão do tempo

Segundo o IPMet, não há previsão de chuva em Bauru ao menos até sexta-feira. A umidade relativa do ar também permanece baixa. Nesta segunda-feira (12), o índice foi de 24% e, no sábado (10), chegou a alarmantes 17,2%, nível já considerado de alerta, quando uma das recomendações é suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 16h. A qualidade do ar deve melhorar nesta quarta, quando há previsão de ligeira queda nas temperaturas, que voltarão a subir ao longo da semana.

Ler matéria completa