Bauru e grande região

Geral

Alarme sem trem irrita e trava trânsito

Quem mora e passa pela quadra 4 da rua Antônio Alves afirma que, há pelo menos um mês, o alerta toca todos os dias

por Rafael de Paula

11/09/2019 - 05h31

Malavolta Jr.

José Carlos Uehara: "É um alarme desnecessário, chato e alto"

A rotina diária do empresário José Carlos Uehara é dividida entre os afazeres da sua loja de ferramentas, localizada na quadra 4 da rua Antônio Alves, no Centro, e a irritação provocada pelo alarme que dispara no cruzamento da via com a linha férrea, bem ao lado do seu imóvel. Ainda se houvesse composição passando, o alerta seria justificável. Porém, não é o que ocorre. Há pelo menos um mês, todos os dias, o alarme toca pela manhã e à noite, mas não há travessia de composição. O fato também tem prejudicado o trânsito.

O alarme no local é necessário por se tratar de uma passagem de trem. No entanto, uma possível pane no sistema tem tirado a paciência de quem trabalha e passa por ali. De acordo com a Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), esse tipo de sinalização sonora é somente para indicar a presença da composição no trecho. O que não vem sendo o caso.

"É um alarme desnecessário, chato e alto. Começa às 7h e vai até as 9h. Depois, das 19h até as 22h. Não tem serventia, porque nenhum trem passa. O barulho prejudica todo mundo aqui na rua. Não tem nem como falar no telefone com cliente", lamenta o empresário.

TRÂNSITO

Além do barulho, o problema gera aglomeração de veículos, já que os motoristas, ao ouvirem o alerta, acabam parando o veículo. "De manhã, no horário de pico, passam muitos carros. Fica uma fila. Pode até ter acidente", diz Uehara.

O empresário Sérgio Castanheira também não aguenta mais o alarme diário. "É uma rotina nossa aqui já. É demais. Muito barulho", destaca.

O engarrafamento de veículos nos horários mais intensos, na altura de passagens de nível, é justificável com o alarme em funcionamento. O artigo 212 do Código de Trânsito Brasileiro considera infração gravíssima atravessar linha férrea sem antes constatar a aproximação de um trem. A multa é de R$ 293,15 mais sete pontos na carteira de habilitação.

Além do sinal tocando sem justificativa, o acúmulo de lixo na região também tem irritado os empresários.

SEM NINGUÉM

Mesmo com os disparos constantes do alarme, segundo Uehara, nunca nenhuma equipe técnica da concessionária Rumo Logística foi até o local para checar o problema. "Nunca vi ninguém mexendo em nada aqui na linha. O alarme toca todos os dias e ninguém toma nenhuma atitude", critica o empresário.

OUTRO LADO

Em nota, a Rumo Logística informou que irá enviar uma equipe ao local para avaliar o equipamento e tomar as medidas necessárias. A empresa reforçou também que, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, a linha férrea é sempre preferencial. "É obrigatório que os veículos parem e se certifiquem de que não há trens se aproximando antes de efetuar o cruzamento. Atravessar uma passagem em nível sem antes parar é infração", informa a nota.

A Rumo diz ainda que o serviço de operação viária não gera lixo e que a população deve fazer o descarte de forma correta. Os serviços de roçada são feitos de forma regular, de acordo com a concessionária.

Ler matéria completa