Bauru e grande região

Geral

Direito perde Damásio de Jesus: 'Ele inspirou várias gerações'

É o que diz a neta do professor e jurista de renome internacional, que morreu ontem, em Bauru, aos 84 anos de idade

por Cinthia Milanez

14/02/2020 - 05h51

João Rosan/JC Imagens

O jurista Damásio Evangelista de Jesus, de 84 anos, morreu na quinta-feira (13), em Bauru

Jurista de destaque internacional, Damásio Evangelista de Jesus, de 84 anos, morreu na madrugada de quinta-feira (13), em Bauru. "Ele inspirou várias gerações do Direito", exalta uma das suas netas, a também advogada Nathália de Jesus Miraglia, de 31 anos. A família informou que ele se deitou para dormir e faleceu de causas naturais.

Ainda de acordo com a neta, o jurista e professor se formou em Direito pela Instituição Toledo de Ensino (ITE), no ano de 1960. Pouco tempo depois, se tornou promotor de Justiça e circulou por todo o Interior do Estado de São Paulo até chegar à Capital.

Lá, o jurista fundou um curso preparatório denominado Damásio Educacional, que, hoje, possui mais de 250 unidades por todo o País.

Segundo Nathália, o seu avô já publicou mais de 50 obras. "Podemos considerá-lo uma referência acadêmica, afinal, é citado pelo Superior Tribunal de Justiça e pelo Superior Tribunal Federal", acrescenta a neta.

Além do reconhecimento nacional, Damásio se destacou fora do Brasil, ao ser contemplado com o título de doutor honoris causa pela Universidade de Salerno, na Itália. "Ele revolucionou o Direito Penal", justifica Nathália.

O jurista representou o País, por diversas vezes, em congressos da Organização das Nações Unidas (ONU), no tocante ao combate à criminalidade e à prevenção do crime organizado.

A doutrina de Damásio serviu, ainda, como base para algumas leis. "Era um apaixonado pelo Direito Penal e pela ressocialização. Então, criou um instituto pensando na recolocação dos presos junto à sociedade. Enfim, deixou um legado humanitário", avalia ela.

O jurista também lecionou por 30 anos na ITE, em diversas outras faculdades da região de Bauru e no seu curso preparatório. Em 1989, ele se aposentou como procurador e professor, mas só parou de trabalhar há pouco tempo.

CUIDANDO DE SI

Ultimamente, Damásio se dedicava à família e ao seu grande hobby: a natureza. "Manteve um orquidário em Arealva e, depois, em Bauru. Ele também tinha a Ilha da Fantasia, ainda em Arealva, onde criava flamingos e outros animais exóticos, todos com autorização do Ibama", revela.

Natural de Cerquilho, no Interior de São Paulo, o jurista tem origem humilde. Filho único de pai dono de sorveteria e mãe jardineira, ele chegou a Bauru para estudar.

Chefe da Delegacia da Polícia Federal de Bauru, Ênio Bianospino passou pelo velório do jurista, que se deu ontem, no Terra Branca. "Fui aluno dele no cursinho, em São Paulo. Depois, fiz uma pós-graduação à distância, em Bauru. Além de ser um grande mestre, sabia inspirar as pessoas a buscarem por um mundo mais justo", exalta.

Já o aposentado Mário Bevilácqua Neto, de 77 anos, relata que Damásio foi seu professor, padrinho de crisma e vizinho, na época em que ambos residiam no Jardim Higienópolis. "Certa vez, perguntei se não queria se tornar desembargador ou algo do tipo. Ele respondeu que pretendia ensinar e assim o fez com maestria", elogia.

A gerente regional do Secovi, Cláudia Mendes Salles, amiga da família, lamentou a morte. "Sou amiga de suas filhas desde a nossa infância. Convivi bem de perto com a família que ele construiu. Foi um homem generoso, bom, de uma inteligência privilegiada. Viveu de forma altruísta, dividiu seu conhecimento, obtido em uma vida de estudos, com todos que cruzaram pelo seu caminho. Deixou marcas em todos que conviveram com ele por sua conduta impecável e exemplar", disse Cláudia.

A esposa do jurista, Neuza Santos de Jesus, faleceu há oito anos. Damásio deixou duas filhas (Rosana e Rosângela), sete netos (Nathália, Vinícius, Marina, Victória, Laís, Luísa e Lorena) e uma bisneta (Cecília).

O corpo foi sepultado na tarde desta quinta-feira (13), no Cemitério Jardim do Ypê, em Bauru.

HOMENAGENS

"Seu espírito segue vivo em cada profissional que ele inspirou e ensinou nos últimos 50 anos", postou a Damásio Educacional por meio de nota em sua página do Facebook. "Seguimos honrando seu legado diariamente com a visão e vontade de trabalhar que ele sempre demonstrou."

A Damásio Educacional declarou: "Seu espírito segue vivo em cada profissional que ele inspirou e ensinou nos últimos 50 anos."

Nomes do Direito expressaram condolências pela morte de Damásio de Jesus, como o Tribunal de Justiça (TJ) e o Ministério Público Estadual (MPE). O procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, decretou luto oficial de 3 dias no MP. 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), manifestou pesar pelo falecimento do jurista em sua página no Facebook. "Damásio deixa um enorme legado para a história do Direito Penal brasileiro, que certamente merecerá revisitação pelas gerações futuras."

Ler matéria completa