Bauru e grande região

Geral

Garoto de 6 anos cria 'caixa solidária'

Lucas Macedo Ruiz, morador da Vila Aviação, teve a ideia para ajudar as pessoas necessitadas durante este período difícil

por VITOR OSHIRO

04/04/2020 - 06h00

Fotos: Malavolta Jr.

Lucas Ruiz "instalou" a caixa em praça da rua José Antônio Braga

Nas histórias em quadrinhos, o Homem-Aranha é um jovem normal que ganha poderes especiais após ser picado por uma aranha radioativa. Com isso, ele passa a ajudar quem precisa. Na vida real, o pequeno Lucas Macedo Ruiz não precisou de superpoderes para, assim como o seu herói favorito, auxiliar os mais vulneráveis. Com apenas 6 anos, o garoto idealizou a 'caixa solidária' na Vila Aviação, em Bauru.

Ao ver notícias de pessoas que estão se desdobrando para auxiliar os mais necessitados nesta difícil época de coronavírus, Lucas decidiu fazer a sua parte. "Ele teve a ideia de arrecadar produtos e deixar em uma caixa em uma pracinha aqui perto do residencial que vivemos, o Ecolife. Inclusive, ele fez um desenho para colocar nesta caixa", conta a psicóloga Fabiane Gonçalves Macedo Ruiz, 45 anos, mãe de Lucas.

Os produtos são arrecadados entre os moradores do próprio condomínio e a caixa é reabastecida diariamente na praça da rua José Antônio Braga (perto do restaurante Tayu). A mãe garante que é só esta "viagem" por dia até o local e com toda a cautela possível, justamente porque a família está respeitando o isolamento social.

"E estamos vendo que está dando supercerto. O pessoal que vive nas ruas passa e pega. Aqui, nesta área, tem muitas obras e vemos os pedreiros também pegando um ou outro produto", relata Fabiane.

'TRISTE'

Ao JC, Lucas disse que sempre se sente "triste com pessoas que vivem sem ter nada na rua". E, por isso, resolveu criar a caixa solidária neste momento ainda mais difícil. "É para ajudar quem tem menos mesmo. A caixa é para ajudar a todos".

E Fabiane reitera a generosidade do filho. "Tanto ele quanto o irmão são solidários desde bem pequenos. Quando eles veem alguém passando necessidade, pegam o que estão comendo, refrigerante, e dão para eles. Isso nos mostra que a educação que estamos dando a eles está no caminho certo", complementa.

Questionado se, com isso, ele se sente um pouquinho Homem-Aranha também, o pequeno Lucas confessa com um tímido "sim".

E você? O que está esperando para ser o super-herói de alguém em uma época onde a solidariedade é mais necessária do que nunca?

Ler matéria completa