Bauru e grande região

 
Polícia

Polícia Civil flagra armazenamento irregular de combustível em Bauru

Policiais da 1.ª DIG do Deic apreenderam cerca de 2 mil litros de diesel; tanque possuía fissuras e apresentava graves riscos

por Vitor Oshiro

07/05/2020 - 06h00

Polícia Civil/Divulgação

Homem de 43 anos mantinha diesel armazenado em um tanque no Jardim Araruna, em Bauru

A Polícia Civil de Bauru, por meio da 1.ª Delegacia de Investigações Gerais (DIG) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), flagrou um local que armazenava combustível de forma irregular no Jardim Araruna. Segundo a perícia, havia até mesmo riscos de contaminação do lençol freático. Um homem de 43 anos foi preso em flagrante, mas pagou fiança e responde em liberdade. A identidade do acusado e o endereço exato não foram divulgados.

De acordo com o delegado da 1.ª DIG do Deic, Rogério Monteiro, a Polícia Civil recebeu denúncia sobre armazenamento de produto fora das normas da Agência Nacional do Petróleo (ANP) e deflagrou a ação por volta das 12h desta quarta-feira (6). "Quando chegamos ao local indicado, flagramos uma carreta de combustível descarregando diesel em um tambor de cerca de 2 mil litros. O armazenamento estava irregular e, inclusive, o tanque em que o combustível ficava tinha fissuras. O perito disse que o fato até mesmo oferecia riscos de contaminação ao lençol freático".

Ainda de acordo com Monteiro, o local se trata de uma transportadora de carga perecível. "A distribuidora que vendia o combustível ao indiciado tinha as notas fiscais e estava tudo regular. O problema mesmo era no armazenamento", completa.

Ao todo, foram apreendidos cerca de 2 mil litros de diesel, que foram depositados em uma empresa capacitada para tanto.

CRIME AMBIENTAL

O acusado foi indiciado pelo artigo 56 da Lei de Crimes Ambientais, que versa sobre "produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos". A pena é de até quatro anos de prisão.

Foi arbitrada fiança de R$ 1 mil, que foi apresentada, e o homem responderá ao inquérito em liberdade.

Ler matéria completa