Bauru e grande região

 
Geral

DDM inicia os atendimentos em região mais acessível

Instalada na região central, a Delegacia de Defesa da Mulher ganhou nova instalação

por Ana Beatriz Garcia

19/05/2020 - 06h00

Aceituno Jr.

DDM já está atendendo na quadra 5 da Azarias Leite, no Centro

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) passou a atender, nesta segunda-feira (18), no Centro de Bauru, região mais acessível para a população. No piso superior do prédio onde funciona o Plantão da Polícia Civil (quadra 5 da rua Azarias Leite, na Praça Dom Pedro II), funcionários já prestam atendimento direto ao público.

Até a última semana, o serviço funcionava na quadra 23 da avenida Rodrigues Alves, onde fica a Central de Polícia Judiciária (CPJ). "Na DDM anterior, não tínhamos atendimento ao público para a confecção de boletins de ocorrência. Os casos eram registrados e encaminhados para nós. Agora, todos os BOs serão centralizados aqui", afirma a titular da DDM, Márcia Regina dos Santos.

O horário de atendimento permanece das 8h às 18h. Fora desse período, ocorrências de violência doméstica serão registradas pelo Plantão. "O primeiro dia ainda foi de mudança e adaptação. As queixas ainda foram feitas no Plantão, mas, se houver necessidade, um dos nossos funcionários pode fazer a medida protetiva, ou seja, os trabalhos não foram interrompidos", conta a delegada.

Há 13 anos na Polícia Civil, pela primeira vez, Márcia assume os trabalhos da Delegacia de Defesa da Mulher. "É um grande desafio para mim", diz. Conforme o JC divulgou, ela trabalhava em Pederneiras e substituiu Priscila Bianchini de Assunção Alferes, que, após nove anos de DDM, passou a atuar no 1.º Distrito Policial (DP).

ADAPTAÇÕES

Também a estrutura do local passou por algumas adaptações para receber as vítimas. "Não fazemos oitivas de crianças e adolescentes quando são vítimas. Isso é realizado no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). Mas, aqui, teremos a 'sala lilás', uma espécie de brinquedoteca para crianças e adolescentes que estarão acompanhando as vítimas ou sejam vítimas", afirma. "Também as outras partes da nossa estrutura contam com paredes lilás", completa.

A chamada 'sala lilás' é um espaço criado para prestar atendimento especializado e humanizado às mulheres vítimas de violência física e sexual. A ambientação mais acolhedora e aconchegante servem de apoio para as vítimas que estão em momentos de extrema fragilidade física e emocional.

Ler matéria completa